Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Walter Scott e o romance histórico

Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

A história está desaparecendo dos currículos escolares, a consciência histórica é deliberadamente apagada. Os romances no cenário histórico retratam personagens como pessoas sem história, não diferentes das pessoas do século XXI, transportando a sensação de que as pessoas nunca se desenvolvem, que a sociedade não pode e não vai mudar. Tal deturpação do processo histórico alimenta a sensação de que o mundo não pode ser compreendido e qualquer esforço para mudá-lo para o bem da humanidade é, em última análise, fútil. A história da literatura mostra que um outro tipo de romance histórico é possível, um que mostra a história como uma convulsão, as próprias pessoas como históricas.

Walter Scott, admirado por seus contemporâneos Goethe, Pushkin e Balzac, celebrado por Lukács como o fundador do romance histórico, nasceu em Edimburgo há 250 anos, em 15 de agosto de 1771. Nascido na classe média alta, sua família preservou o senso de tradição de um dos grandes clãs escoceses. Isto incluiu a herança popular. Como Robert Burns, Scott cresceu com as canções e lendas da Escócia. Ele as colecionou e as refletiu em seu próprio trabalho. Esta consciência cultural foi acompanhada por um profundo senso de identidade nacional.

Scott lia a literatura européia de espírito popular e patriótico fluentemente e estava familiarizado com o romance realista inglês. Ele estudou direito escocês e se interessou muito pelas relações históricas entre a Escócia e a Inglaterra. Em 1797 ele se casou com Charlotte Carpenter, da raça realista francesa. Scott era um proprietário de terras e um fiel Tory. No entanto, seu trabalho vai além disso.

O interesse de Scott pelas baladas de fronteira escocesas levou à sua coleção Minstrelsy of the Scottish Border (1802-03), na qual ele se esforçou para restaurar versões corrompidas oralmente à sua redação original. Esta publicação tornou Scott conhecido de um grande público. Seu poema épico, The Lay of the Last Minstrel (1805), foi seguido por outros romances líricos. Durante estes anos Scott levou uma vida literária e social muito ativa. Ao mesmo tempo, ele foi vice-xerife de Selkirkshire a partir de 1799 e escrivão do tribunal de Edimburgo a partir de 1806, bem como co-proprietário de uma gráfica e mais tarde de uma editora, que ele salvou da falência. As crises financeiras pessoais tiveram um impacto crescente no curso de sua carreira e sua escrita tornou-se determinada pela necessidade de pagar as dívidas. Seu patrimônio em Abbotsford, mobiliado com muitos objetos antiquários, também consumiu vastas somas.

Em 1813 Scott redescobriu o manuscrito inacabado de um romance que ele havia começado em 1805, que ele rapidamente terminou no início do verão de 1814. Este romance Waverley, sobre a revolta Jacobita de 1745, foi recebido com entusiasmo. Como todos os romances de Scott escritos antes de 1827, Waverley foi publicado anonimamente.

Um contador de histórias nato e mestre do diálogo tanto no dialeto escocês quanto na etiqueta aristocrática, ele foi capaz de retratar sensivelmente toda a gama da sociedade escocesa, desde mendigos e trabalhadores rurais até a burguesia, as profissões e a aristocracia latifundiária. A sensibilidade de Scott para com as pessoas comuns era uma nova orientação. Ele retratou de forma convincente os altiplanos estranhos, bem como os conflitos políticos e religiosos que abalaram a Escócia nos séculos XVII e XVIII.

As obras-primas de Scott incluem Rob Roy (1817), O Coração de Midlothian (1818) e seu romance mais popular, Ivanhoe (1819).

Infelizmente, a pressa com que ele escreveu seus últimos livros afetou a saúde de Scott, assim como sua escrita. Em 1827, sua autoria dos romances de Waverley tornou-se conhecida. Em 1831, sua saúde deteriorou-se muito e ele morreu em 21 de setembro de 1832.

 

Os tempos do Scott

Walter Scott

Scott viveu e escreveu em uma época de enorme agitação: Revoluções na França e na América do Norte, revoltas no Haiti e na Irlanda, as guerras napoleônicas, a expansão do Império Britânico, seu domínio dos mares, o comércio de escravos, o desenraizamento de grandes setores do campesinato britânico através de cercados para a criação de ovelhas, o aumento da “racionalização” capitalista do campo, as grandes clareiras de terras altas que expulsam os habitantes das terras altas. O início da Revolução Industrial consolidou o poder da burguesia e surgiram as primeiras organizações políticas da classe trabalhadora. Tal densidade de acontecimentos dramáticos tornou subitamente tangível o curso da história, a progressão de uma sociedade para outra. A história desdobrou-se diante dos olhos de todos e, ao que parece, pôde ser influenciada. Este é o terreno de mudança sobre o qual o romance histórico de Scott está colocado.

Além disso, a produção literária na Escócia e na Irlanda floresceu. Aqui, nos limites do colonialismo, questões de história e identidade cultural, colonialismo e anticolonialismo cristalizaram-se bruscamente. Isto começa na Irlanda com Swift e seus magníficos escritos contra o poder colonial britânico a partir da perspectiva do povo irlandês já na década de 1720. Na época de Scott, o povo irlandês fala em sua língua nos romances de Maria Edgeworth.

Enquanto a Inglaterra no século XVIII se prepara para a Revolução Industrial, politicamente já é um país pós-revolucionário, após a Revolução Burguesa inglesa de 1649.

 

O surgimento do romance histórico

Como Georg Lukács argumenta convincentemente em O romance histórico, este gênero emerge com Scott neste momento. Houve romances com temas históricos nos séculos XVII e XVIII, porém seus personagens e enredos foram tirados da época dos autores, que ainda não entendiam sua própria época como histórica. Os romances de Scott introduzem um novo sentido de história à tradição dos romances realistas ingleses.

Enquanto Scott não cria indivíduos psicologicamente profundos nem alcança o nível do crescente romance burguês, ele encarna pela primeira vez de forma viva os tipos histórico-sociais. Os conflitos de seus principais personagens dão expressão artística às crises sociais. A tarefa dos protagonistas é encontrar um terreno neutro sobre o qual os opositores possam coexistir. Os personagens principais estão geralmente ligados aos dois campos. Apontar um caminho intermediário é típico dos romances de Scott; é aqui que seu conservadorismo político se expressa.

Para Scott, figuras históricas notáveis são representantes de um movimento que engloba grandes setores do povo. Este caráter apaixonado une vários lados deste movimento e encarna as aspirações do povo. Através da trama de Scott, os leitores compreendem como surgiu a crise, como surgiu a divisão da nação. É contra este pano de fundo que surge o herói histórico. O amplo panorama das lutas sociais ilumina, como escreve Lukács, como um tempo particular produz uma pessoa heróica, cuja tarefa passa a ser a de resolver problemas historicamente específicos. Estes líderes, diretamente ligados ao povo, muitas vezes ofuscam os personagens principais. A autenticidade histórica é alcançada através de eventos dramáticos condensados e da colisão de opostos.

Ao entrelaçar o destino pessoal das pessoas com convulsões históricas, a narrativa de Scott nunca é abstrata. As rupturas acontecem entre gerações, entre amigos e os afetam profundamente em suas vidas pessoais. A grande força de Scott está na narrativa credível das relações humanas na era histórica retratada.

 

Ivanhoe

Com Ivanhoe, Scott volta à história. O romance se passa por volta de 1194, quando o Normando Ricardo Coração de Leão, Rei da Inglaterra, Duque da Normandia e Conde de Anjou, retorna à Inglaterra de suas várias aventuras nas Cruzadas e das prisões na Áustria e na Alemanha. O anglo-saxão Ivanhoe, fiel cavaleiro do exército de Ricardo, também aparece na Inglaterra disfarçado. O conflito histórico central do romance é entre os anglo-saxões da Inglaterra e os conquistadores normandos. O povo é em grande parte anglo-saxão, a classe alta feudal normanda. Partes da nobreza anglo-saxônica, privadas de poder político e material, ainda retêm alguns privilégios aristocráticos e formam o centro ideológico e político da resistência nacional anglo-saxônica contra os normandos. Contudo, Scott mostra como partes da nobreza anglo-saxônica afundam em apatia, enquanto outras esperam a oportunidade de chegar a um compromisso com os setores mais moderados da nobreza normanda, que Richard, o Coração de Leão, representa. Quando Ivanhoe, o personagem título e também apoiador deste compromisso, desaparece da trama do romance por um bom tempo e é ofuscado por personagens secundários, esta estrutura formal ilumina a referência histórico-política a um compromisso ausente. Os personagens que ofuscam Ivanhoe incluem seu pai, o nobre anglo-saxão Cedric, insistindo incansavelmente nas posições anti-normandas, que até deserdam Ivanhoe por causa de sua lealdade ao exército de Richard, assim como seus servos, Gurth e Wamba.

Ilustração do livro Ivanhoé, de Walter Scott

Acima de tudo, porém, isto inclui o líder da resistência armada contra o domínio normando, o lendário Robin Hood. O verdadeiro heroísmo com o qual os antagonismos históricos são contestados vem, com poucas exceções, de “baixo”.

As figuras populares são retratadas com grande vitalidade e nuance, enquanto os antagonistas tendem a ser estereótipos com pouco desenvolvimento. Mas Ivanhoe também não muda. Isaac, o judeu, também é estereotipado, embora o mesmo não se possa dizer de sua filha Rebecca, que capta o coração do leitor. Cartas a Scott reclamavam que Ivanhoe não se casa com Rebecca no final, mas com a relativamente pálida Rowenta anglo-saxônica. O autor rejeitou tal final por ser historicamente indefensável.

Scott se mostra aqui mais uma vez como um defensor do caminho do meio. O futuro pertence a Ivanhoe, cavaleiro ao serviço do moderado Norman Richard o Coração de Leão e filho do anti-normandês anglo-saxão Cedric. Seu casamento com Rowenta aponta para este meio-termo.

Scott, ao retratar o conflito histórico na vida do povo, mostra as energias acendidas no povo por tais crises. Consciente ou inconscientemente, como observa Georg Lukács, a experiência da Revolução Francesa está em segundo plano.

 

Rob Roy

Publicado em 1817, este romance está, junto com Ivanhoe, entre os mais famosos de Scott. Escrito em 1816, praticamente 100 anos após os eventos que descreve – a primeira revolta Jacobita de 1715 – o objetivo da revolta Jacobita era restaurar a dinastia Católica Stuart e a independência escocesa. Ao mesmo tempo, Scott esboça os escoceses das Highlands de língua gaélica que ainda vivem em clãs, especialmente no personagem de Rob Roy Mac Gregor. Neste personagem, Scott cria um verdadeiro herói popular com uma humanidade apaixonada que empresta traços heroicos a esta sociedade de clãs. No entanto, Rob Roy é um personagem individualizado, inicialmente disfarçado, uma presença constante e também uma referência de heroísmo neste romance.  Ele não é apenas um centro de paixão no romance, sua linguagem é profundamente poética. Por isso, o leitor experimenta o fracasso da ascensão e a derrota da sociedade clã como um evento trágico.

Ilustração do livro Rob Roy, de Walter Scott

Tipicamente para Scott, Rob Roy não é o personagem principal do romance. É o narrador Frank Osbaldistone, filho de um comerciante londrino que se recusa a se juntar aos negócios bem-sucedidos de seu pai e é enviado para viver com seu tio em Northumberland, na fronteira com a Escócia. Em vez dele, o primo Rashleigh entra no negócio. Quando este último rouba dinheiro e desaparece com ele para a Escócia, Frank o segue e assim conhece Mac Gregor.

Este narrador inglês toma o lugar neutro, o terreno comum; a família de Osbaldistone vive na fronteira com a Escócia. No final da trama ele se casa com sua prima católica, Diana Vernon, que está intimamente associada aos jacobinos, conseguindo assim uma união entre presbiterianos e católicos prevista por Scott. Vernon é uma mulher confiante, assim como a indomável Helen Mac Gregor. Ambos são pessoas altamente inteligentes que estão no comando completo de suas cenas.

Também é importante que Scott escreva suas extensas cenas de diálogo no dialeto escocês. Isto estabelece uma ligação entre os personagens e os leitores escoceses. Antes dele, Robert Burns também tinha escrito no vernáculo. Até hoje, este dialeto estabelece a identificação com os escoceses comuns, como sublinhado pelos dois vencedores do prêmio Scottish Man Booker (James Kelman e Douglas Stuart). Scott até se aventura em gaélico, traduzindo estas curtas expressões para o leitor. As numerosas anotações de Scott são cultural e historicamente esclarecedoras.

 

O Coração de Midlothian

O romance seguinte a Rob Roy, O Coração de Midlothian, é ambientado mais de 20 anos depois, em 1736/37. Midlothian é um condado histórico com Edimburgo como sua capital; o Coração de Midlothian, no entanto, é sua prisão. O romance abre com os tumultos de Porteous. Porteous, o capitão da City Watch ordenou a seus homens que reprimissem sangrentamente um motim durante uma execução pública no Grassmarket, em Edimburgo, em abril de 1736. Ele foi linchado pela multidão enfurecida por matar civis inocentes.

Como Arnold Kettle observou, Scott desdobra aqui um grande espectro social, que vai desde o submundo urbano até a rainha. No centro está Jeanie Deans, de origem rural e puritana, que fala na Escócia de Lowland. Esta jovem camponesa é talvez a maior personagem feminina de Scott. Sua irmã não casada, Effie, é acusada de infanticídio. Meramente manter uma gravidez em segredo era punível com a morte sob a lei escocesa na época. Forçada a ocultar o nascimento para proteger seu pai, Effie insiste que ela não prejudicou o recém-nascido.  Apesar da grande empatia pelo destino de sua irmã, a consciência puritana de Jeanie a proíbe de cometer perjúrio que poderia salvar sua irmã. Isto é simplesmente historicamente verdade e não modernizado. A Effie é condenada à morte e Jeanie, sem um tostão, parte para Londres para pedir perdão à rainha.

O julgamento é o evento central, revelando valores e mundos em conflito, o conflito entre o antigo mundo rural de David Dean e o mundo da cidade moderna centrada no dinheiro. A luta de Jeanie para salvar sua irmã revela sua profunda humanidade e coragem. Ela mostra que em situações de crise um heroísmo pode irromper em pessoas comuns que não é visível na vida cotidiana e do qual as próprias pessoas muitas vezes nem mesmo estão conscientes. Ela prova a força e o heroísmo que há no povo quando a situação o exige, como acontece repetidamente na história. Scott dá vida à história com tal retrato da resiliência humana em uma situação histórica específica.

A marca registrada de Scott é retratar a experiência pessoal como parte da história. Os leitores encontram um povo ultrajado nos Porteous Riots. Scott transmite o conflito genuíno entre o povo e os guardas, bem como a hostilidade amarga dos escoceses em relação ao estado inglês. Os eventos envolvem claramente mais do que sedução e resgate.

A segunda metade do romance é menos bem sucedida, pois Scott retrata o mundo não do ponto de vista dos camponeses, mas do ponto de vista do proprietário de terras romantizado, impedindo o realismo.

Paralelamente ao conflito central entre a cidade e o campo, existe o conflito entre a Escócia e a Inglaterra. A Edimburgo de Scott não é um cenário aleatório, mas uma cidade escocesa em uma situação histórica concreta.

Os personagens de Scott nunca estão fora de seu tempo. Ele reflete a complexa relação entre as forças pessoais e sociais na vida de uma pessoa. Com seu retrato de circunstâncias historicamente específicas e a vitalidade de seu povo comum, Scott prepara o terreno para Dickens. Dickens, que veio da pequena burguesia empobrecida, pouco depois faria das pessoas comuns de Londres os heróis e heroínas de seus romances.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -