Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Setembro 25, 2022

Zelensky trava guerra da comunicação como influencer nas redes sociais

Usando de estratégias retóricas bem sucedidas, o ucraniano sai da liderança omissa antes da guerra, para um personagem heroico, fomentado pelas redes sociais ocidentais contra a Rússia.

por Luis Ángel Diaz Robredo, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

São muitos os comentários de admiração gerados pelo comportamento de Volodymyr Zelensky após mais de seis semanas de invasão à frente do governo ucraniano. Mídias como TIME ou Forbes o descrevem como um verdadeiro modelo de liderança do século 21 e até políticos propuseram ele e o povo ucraniano como candidatos ao Prêmio Nobel da Paz deste ano de 2022.

Por que Zelensky é visto como especial e diferente de outros políticos? Existem muitas definições de liderança, mas a seguinte reflete bem algumas ideias comumente aceitas na Psicologia. Peter G. Northouse observa:

“Liderança é um processo de influência entre o líder e os seguidores que visa atingir os objetivos de um grupo, organização ou sociedade.”

Esta definição é ampla e permite incluir um conjunto de estilos de liderança muito diversos, desde os mais autoritários e hierárquicos aos mais democráticos e flexíveis.

Vamos analisar alguns momentos esclarecedores da vida política do presidente ucraniano para entender seu estilo.

Ascensão ao poder

O início da escassa vida política de Volodimir Zelensky está intimamente relacionado à sua carreira de ator. Depois de se formar em direito em 2000, dedicou-se exclusivamente à atuação e direção de peças e filmes.

Cartaz da série de televisão ucraniana Servant of the People, estrelada pelo atual presidente Volodymyr Zelensky

Depois de vários sucessos e fracassos, em 2015 ele se tornou uma estrela da televisão ucraniana graças ao seu papel de liderança como presidente da Ucrânia na série Servant of the people (Servo do povo).

Inesperadamente – não há evidências de experiência anterior na política – em 2018 fundou um partido com o mesmo nome da série de televisão, que também incluiu muitos membros de sua produtora Kvartal-95 na equipe política.

No réveillon de 2018, em horário nobre, Zelensky apareceu na televisão anunciando sua candidatura e usando descaradamente o nome da série que o tornou tão famoso.

Meses depois, Zelensky obteve vitória esmagadora em uma campanha virtual, por meio das redes sociais e do YouTube, sem reuniões públicas ou coletivas de imprensa.

Desde então, e até a data do conflito, o novo presidente tentou implementar algumas políticas reformistas no país em relação à administração interna, ao conflito de Donbas e às relações exteriores.

Na fase pré-invasão, sua atitude em relação à mobilização das tropas russas perto da fronteira foi notavelmente indiferente, a ponto de em 28 de janeiro de 2022, apenas um mês antes da invasão, Zelensky pedir aos Estados Unidos e ao Reino Unido que não criassem alarme em relação aos anúncios de invasão da Rússia porque estavam prejudicando a economia de seu país.

O líder emocional

Uma vez iniciada a invasão russa, o comportamento de Zelensky sofreu uma reviravolta radical no cenário internacional.

Da tímida atividade diplomática anterior, passou-se uma frenética presença virtual nos parlamentos de diferentes países (até 12 parlamentos em duas semanas), que ainda continua.

Zelensky procura persuadir a opinião pública internacional com palavras sugestivas e emocionais que geram empatia para com sua causa: antes da Alemanha ele citou o muro de Berlim; antes do Japão, ele lembrou o incidente nuclear de Fukushima e sua semelhança com a usina de Chernobyl tomada pelos russos; perante o parlamento norte-americano recordou Pearl Harbor e os ataques de 11 de Setembro; perante o parlamento inglês ele citou a famosa frase de W. Churchill “ Defenderemos nossa ilha, custe o que custar, lutaremos nas praias, lutaremos nos campos de desembarque, lutaremos nos campos e nos campos ruas, lutaremos nas colinas; nunca nos renderemos” e perante os franceses do Eliseu nomeou o lema “liberdade, igualdade e fraternidade”. Em todos eles há um objetivo claro de apelar à empatia, à solidariedade e aos valores compartilhados dos líderes políticos.

Zelensky durante visita a feridos de guerra em 3 de abril de 2022. Presidência da Ucrânia

Uma imagem em perfeita transformação

A imagem do presidente também evoluiu desde os primeiros dias da invasão: ele abandonou rapidamente as formas institucionais e, vestindo a conhecida camisa verde militar, a barba por fazer de vários dias e uma aparência despenteada, saiu para as trincheiras , aos locais mais conhecidos da cidade ou aos hospitais para tirar fotos com a população, apoiar as tropas ou mostrar resistência e proximidade face à adversidade e ao medo.

Mais uma vez, o uso das redes sociais deu-lhe uma vantagem fantástica para chegar ao povo.

É verdade que Zelensky não tinha experiência política suficiente até o momento e certamente cometeu erros iniciais, na opinião de analistas do ocidente. Mas também é verdade que ele soube usar o valor da liderança carismática/emocional.

Graças à sua habilidade com as redes sociais e os meios de comunicação, soube apelar à força moral e à confiança e conquistar a admiração de muitos: da população civil, das tropas ucranianas e dos milhares de voluntários internacionais que se juntaram às suas fileiras num esforço heróico.

Além disso, conseguiu mobilizar líderes políticos internacionais que não hesitaram em doar grandes quantidades de material militar. Provavelmente, sem essas características que mostrou nestas últimas semanas de guerra, a situação na Ucrânia hoje seria muito diferente.

Será necessário ver se no futuro o personagem do líder criado por Zelensky é capaz de resistir ao terrível roteiro da guerra.


por Luis Ángel Diaz Robredo, Professor da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade de Navarra  |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -