Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 24, 2024

45 Anos: a estreia da semana (do Ano!)

Key_4_45 YEARS_copyright Agatha A Nitecka

45 Anos – O ciúme de meio século

*****

Um casal prestes a celebrar 45 anos de casados é acordado para a dúvida do que sucedera antes do seu matrimónio. A notícia informa que um anterior amor do marido é resgatado do passado e mantido no congelador da forma mais inesperada fazendo pairar o fantasma e o veneno do ciúme.

É este o retrato de um melodrama romântico com tons clássicos a devolver-nos magistrais interpretações do par Charlotte Rampling (justamente coroada com o prémio do Cinema Europeu para a Melhor Actriz do ano) e Tom Courtenay (que deveria também ter sido reconhecido, pois ela não existe sem ele), eles que já haviam ganho o prémio de interpretação no Festival de Berlim.

agatha a. nitecka-000032420032O resultado é uma peça refinada por um sofrimento ligeiro, mas arrasador onde se sente a proximidade de estilo de Breve Encontro, de David Lean, bem como os peculiares ensaios familiares de Bergman.

45 Anos é o nosso filme do ano. Porquê!? Não por ser dos últimos a estrear, evidentemente, até porque foi um dos primeiros que vimos em 2015, em Fevereiro passado no Festival de Berlim. E já na altura ficáramos comovidos pela forma como Andrew Haigh tratou o tema presente na short story de David Constantine sobre um romance que enfrenta o crivo do tempo.

Revisto há dias percebemos como se manteve intacto a esse brilho no olhar que levanta interrogações sobre o passado e põe em causa o amor de meio século.

agatha a. nitecka_DSF0783Durante a semana de preparativos para a festa dos 45 anos de casados, Kate (Ramplig) e Geoff (Courtenay) são visitados por uma notícia do passado que vem perturbar este casal habituado a viver de mútuos afectos. É que, aparentemente, aparecera o corpo ainda congelado de um anterior romance de Geoff que morrera durante uma expedição nos Alpes. O facto do corpo estar intacto acorda nele a paixão por aquela com quem pensara casar. Incomodada, Kate lida como pode com a notícia ousando imaginar até onde poderia ter ido essa aventura que daria azo a um romance, e uma vida, do seu marido com outra pessoa. No meio deste turbilhão de emoções, tem de escolher o local para a sua festa e as músicas que testemunharam a história romântica de ambos. Tudo com assinalável candura, carinho e uma calma que chega a ser comovente.

O filme vive dessa narrativa cuidada, mas assente num par de actores que se funde numa cumplicidade difícil de igualar e onde a idade não tem peso. Eles dançam na sala, fazem amor e mantém a serenidade no olhar. Contudo, pressente-se na expressão como teria sido a sua vida com outra pessoa, à medida que um véu de tristeza se abate nos seus rostos. É nestes cambiantes que Andrew Haigh se mostra consistente em fazer com que ambos os actores dêem o melhor de si. E será até (quase) injusto favorecer Charlotte quando Tom acaba até por lidar com uma paleta mais rica de emoções.

É essa dúvida, essa ambiguidade que nos permite um final de emoções entrelaçadas, em que o discurso da afirmação de um amor de vida convive com um certo temor de tudo aquilo parecer uma segunda escolha. Magnífico este turbilhão de amor-desamor ao som de Smoke gets in your Eyes, dos Platters.

Trailer:

 

Menções anteriores ao filme 45 anos

Prémios do Cinema Europeu 2015 – Juventude e Victoria contra o Pombo

Academia decepciona e escolhe A Juventude e Sorrentino

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -