Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Janeiro 26, 2022

A Ceia em Emaús, Caravaggio

Guilherme Antunes
Licenciado em História de Arte | UNL

“A Ceia em Emaús”, de Caravaggio. Não se compreenderia a História da Pintura (ou compreender-se-ia mal) sem a obra referencial de Caravaggio.

O pintor bolonhês Albani terá dito que a pintura de Caravaggio era a destruição dela própria, longe de perceber, o pobre homem, que era contemporâneo de uma Revolução pictórica e não deu por ela.

A genialidade do tratamento da luz (chiaroscuro), que no caso mais parece um trabalho de luminotecnia teatral, tal a incidência luminosa de diferentes tonalidades, centra o observador no essencial. Mas, igualmente, pormenoriza outros aspectos, como seja o rasgão da manga do homem da esquerda, que permite um foco iluminado da camisa, que harmoniza, julgo eu, um pouco mais esta afirmação técnica. Ou a mão do homem da direita que quase vai sair do quadro.

O simbolismo está bem vincado pela vieira que o mesmo homem ostenta no peito, indicando tratar-se de um peregrino. A romã virtuosa sobre o pecado, a modernidade da representação de Cristo de cara lisa anunciando um novo tempo (que afinal falharia…).

Não se compreenderia a História da Pintura (ou compreender-se-ia mal) sem a obra referencial de Caravaggio.

Informação adicional

Artista: Caravaggio
Título: A Ceia em Emaús
Suporte: Lona
Criação: 1601
Local: National Gallery, Londres

 

Nota da Edição

Caravaggio 1903-1962

Sobre Caravaggio foi dito que foi um revolucionário, quer pela sua vida turbulenta, quer pelo facto da sua pintura ter proposto uma oposição consciente ao Renascimento e ao Maneirismo.

Procurou, sempre, a intensidade de efeitos através de veementes contrastes entre o claro e o escuro que modelam as figuras e objectos, e através de uma presença física de um vigor incomparável. Ao evitar qualquer vestígio de idealização e fazer do realismo a sua bandeira, Caravaggio pretendia que nenhum espectador ficasse indiferente aos seus quadros.

Considerado o maior pintor italiano de seu tempo, aprendeu a pintar com Simone Peterzano e, sobretudo, a partir do estudo das obras de alguns artistas venezianos. Algumas de suas obras são rejeitadas pelo naturalismo com o qual aborda as paisagens bíblicas, mas não faltaram mecenas dispostos a adquirir de bom grado aqueles quadros que o clero não via com bons olhos.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorStreet art em Sampa
Próximo artigoStreet art em Sampa
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -