Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

A Manta de retalhos

Beatriz Lamas Oliveira
Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Estas memórias são uma manta de retalhos, um apertado colorido.

Chegam-me como postais, este hoje de Odemira. Foi o ano de 75, da reforma agrária, das Unidades Coletivas de Produção, do Serviço Médico à Periferia.

Um dia, fins de Novembro, corremos a Beja, ao Sindicato dos Trabalhadores Agrícolas. Havia perigo no ar.

No carro íamos cinco. Dois éramos médicos e levávamos connosco três camaradas que trabalhavam em UCP’s da Reforma Agrária. Iam para uma reunião, na nossa boleia, na nossa companhia e na nossa solidariedade ativa.

Na volta já escurecia e eu tinha fome. Ingenuamente pensei que depois da reunião poderíamos jantar numa tasquinha em Beja. Mas os camaradas queriam lá saber de jantares. Não havia tempo a perder. Tínhamos de voltar.

– Deixa, camarada Beatriz. Aí a meio do caminho temos de parar no Xico da Portelinha. Ele alguma coisa nos há-de arranjar para cearmos.

Lá fui eu, embalada no carro, na esperança de ceia que o meu estômago reclamava. Discutia-se a orgânica das UCP’s, as táticas da reação,o destempero dos agrários,os caminhos trilhados pelo MFA. Eu com um pé na Revolução e um aperto no peito habituado a horas certas de almoço e de jantar. O meu filho tinha ficado na vila. Tinha quatro meses e quem dele cuidava nestas noites de vida noturna complicada era a freira responsável pelo infantário!

A Irmã adorava o meu filho. Quando eu lho deixava lá a dormir, o que era um segredo nosso, pois tal despautério a Ordem não permitia, ao passar-lho do meu colo apressado para o dela a Irmã sorria, sorria enlevada como uma Mãe e dizia:

-É o único homem que pode dormir connosco aqui!!

E eu seguia descansada! O meu filho protegido!

Paramos no Xico da Portelinha: o camarada surpreso, encantado de nos ver, a puxar o boné para trás, atarantado nas voltas da ceia que lhe pedimos. Tinha saído da cama, pois não tinha eletricidade e a candeia ainda estava acesa.

Havia lume de chão,uma panelinha de ferro. Sentámos a discutir à volta da mesa que de tão baixinha parecia de brincar. O nosso anfitrião tirou meio pão de centeio de um saquita de pano. O meu estômago parou de doer e o coração começou-me a apertar ainda mais. Aquilo era o pão que ele tinha para a semana, e nós íamos comê-lo!

Estava tanto frio! Ele destapou a panela e cheirava bem. Os fajanitos lá estavam. Saborosos. Deu assim a modos que uma colher de sopa a cada um de nós. Mais a fatia do pão. Um canequito de água. E mais nada. Eu a esconder a lágrima.

Chegamos a Odemira – tudo fechado.

Lá em cima o meu filho dormia regalado.

E eu fui para a cama sem saber se estava triste ou se a missão cumprida naquele dia me dava direito a pelo menos dormir descansada.

Ilustração: Congregação Oblatas Divino Coração (Santa Maria) de Odemira, de Beatriz Lamas Oliveira


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorAs donas de casa
Próximo artigoSincronicidade
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -