Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

A Sun, um filme de família de Taiwan

Entre as produções asiáticas, filme de Chung Mong-hong se compara a Parasita e Assuntos de Família.

A moda de filmes sobre família continua no Oriente. Este A Sun, da China Nacionalista (pois antes a conheci com esse nome, já que se trata de uma dissidência da China Comunista – e Taiwan era só a capital), foi produzido em 2019, com direção do cineasta Chung Mong-hong. A produção já recebeu prêmios importantes em seu país, inclusive o de melhor filme. Entre as produções asiáticas, sem dúvida se compara com os filmes mais famosos “de família”, como Parasita (da Coreia do Sul) e Assuntos de Família (do Japão).

É interessante notar como esses “filmes de família” são diferentes na estrutura conteudística. Em Taiwan, a sociedade e a cultura são diretamente próximas da cultura norte-americana – e certamente por isso temos um filme com uma marca muito presente do cinema de Hollywood. Sentimos que a narrativa se alonga, como é próprio de um cinema oriental – mas, ao mesmo tempo, formas especiais de continuidade, como a do filme policial, se mantêm presentes. Os outros dois filmes citados são mais distantes de Hollywood.

Nem por isso o cineasta Chung Mong-hong deixa de ser e se mostrar um artista de grande autonomia. Ele consegue numa produção de duas horas e meia manter a leveza da narrativa e chegar bem a atingir o agrado do espectador – e continuando a mostrar sua origem cultural do Oriente.

A estória mesmo abriga uma grande densidade policial, e não de cinema dramático, mas ele ou o roteirista cria um ritmo que se sobrepõe ao simplesmente gênero e, então, atinge a grandeza de uma quase tragédia social. Nesse filme, embora o social consiga ser menos importante que o puro psicológico, são os dramas pessoais do pai, da mãe e dos dois filhos que se mantêm com mais força de presença.

A equipe de atores – todos me parecem chineses de Taiwan – se mostra composta de intérpretes experientes e com muita desenvoltura. Nesse aspecto, penso que se trata de um filme mais maduro do que Parasita e Assuntos de Família. Está em exibição na Netflix.


por Celso Marconi, Crítico de cinema mais longevo em atividade no Brasil. Referência para os estudantes do Recife na ditadura e para o cinema Super-8  |   Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -