Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

Albrecht Dürer – campeão dos camponeses

Jenny Farrel
Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

O gênio de Albrecht Dürer dominou de tal forma a arte da primeira revolução burguesa na Alemanha que foi chamada de época de Dürer.

Albrecht Dürer nasceu há 550 anos, em 21 de maio de 1471, durante a Renascença, um período de convulsões, que se estendeu na era moderna. Com os melhores métodos de produção, a indústria e o comércio cresceram rapidamente, trazendo consigo mais dinheiro e o fortalecimento de uma nova classe média. A ciência moderna se desenvolveu, as verdades herdadas foram chamadas em dúvida, e o povo trabalhador começou a desafiar seus lugares indicados nas hierarquias sociais, políticas e religiosas. Foi uma época, entre outras coisas, em que os camponeses se levantaram e exigiram ser tratados como iguais.

A Reforma na Alemanha foi uma expressão destas mudanças sociais no início do século 16. A crescente burguesia nos países ao norte dos Alpes, especialmente na Alemanha, sentiu a necessidade de romper com o papado. As forças da oposição ainda não possuíam o poder econômico e político que lhes teria permitido subjugar o papado aos seus próprios interesses, como na Itália. O movimento da Reforma começou com Wyclif na Inglaterra, continuou com Hus na Boêmia e culminou na Alemanha. A oposição social popular passou a fazer parte dela. Forças sociais disfarçadas de religião combateram as guerras Hussite na Boêmia.

Albrecht Dürer, Autoretrato

Na Alemanha, uma diferenciação dentro das forças que haviam iniciado a Reforma logo se tornou aparente. Quando os patrícios da classe média alta perceberam que a Reforma significava uma ruptura total com Roma, e que havia elementos dentro deste movimento que aspiravam além da sociedade de classe burguesa, eles voltaram ao seio do papado.

Como Engels descreve em “A Guerra dos Camponeses na Alemanha”, Lutero ficou com medo quando percebeu o efeito socialmente explosivo que seu desafio à hierarquia de Roma tinha sobre os camponeses, que entenderam isso para legitimar as aspirações de mudar seu próprio destino. Entretanto, a reforma teológica de Lutero não questionava os antagonismos de classe.

Thomas Müntzer tornou-se o líder da oposição popular. Ele liderou a Guerra Camponesa, que desafiou a velha ordem social, enquanto Lutero, juntamente com a burguesia, voltou-se contra os camponeses revolucionários, impedindo a unificação de todas as forças opositoras, retardando assim uma grande mudança social por séculos.  Os camponeses e seus aliados plebeus urbanos foram derrotados, Müntzer foi preso e decapitado.

A influência das classes trabalhadoras na arte alemã do período da Reforma é freqüentemente subestimada. Ela sobrevive em numerosas xilogravuras panfletárias do início do século 16, mas sobretudo em muitas gravuras de Dürer e seu círculo. A influência de Dürer pode ser vista na obra de Grünewald, Riemenschneider, Jörg Ratgeb e muitos outros artistas, e infunde a arte alemã do período da Reforma com um apelo popular assombroso.

Gravura: Albrecht Düre

O gênio de Albrecht Dürer dominou de tal forma a arte da primeira revolução burguesa na Alemanha que foi chamada de época de Dürer. Ele nasceu em Nuremberg como filho de um ourives, estudou por três anos na oficina de Michael Wolgemut, passou quatro anos como viajante em Basel e Estrasburgo, entre outros lugares, e finalmente se estabeleceu em Nuremberg. Duas vezes cruzou os Alpes para a Itália, primeiro em 1495, a segunda vez em 1505/06, cada vez passando um período prolongado em Veneza. Uma terceira viagem, levou-o a ver a Holanda em 1520/21, onde ele fez muitos conhecidos importantes.

Este retrato notável, criado durante a viagem à Holanda, baseia-se num encontro real e não foi o resultado da imaginação de Dürer. O desenho mostra o grande interesse do artista pelas pessoas que vieram para a Europa por causa do crescente comércio internacional, o que naturalmente incluiu o comércio de escravos. A mulher aqui retratada é Catherine, uma criada de 20 anos do agente comercial português João Brandão, que administrou o monopólio das especiarias portuguesas em Antuérpia. Dürer foi seu convidado quando ele viajou para Antuérpia em 1521. É provável que Brandão tenha adquirido esta mulher africana através de suas ligações comerciais. Seu nome sugere que ela havia se convertido ao cristianismo.

Gravura: Albrecht Dürer

O interesse óbvio de Dürer aqui é a pessoa individual. Seu profundo humanismo infunde o retrato dela com a mesma dignidade que ele proporciona ao camponês que ele retrata. Dürer foi o primeiro artista alemão a captar a autoconfiança dos camponeses que se agitava desde o final do século XV. Ele foi o primeiro a retratar os camponeses como sujeitos estéticos. Através de Dürer, as representações dos camponeses aparecem nos folhetos revolucionários da época.

Esta maravilhosa gravura de cobre mostra três camponeses armados em conversa séria. Eles são pessoas claramente inteligentes e dignas. Um dos camponeses carrega um espadim, outro tem uma faca no bolso e esporas em seus sapatos, todos apontando para os camponeses rebeldes. A terceira figura, chega ao seu colete, a partir do qual ele pode produzir um folheto.

Dürer também serviu de exemplo durante a Guerra dos Camponeses. Quando Lutero se voltou contra os camponeses e se tornou o vassalo dos príncipes, Dürer tomou uma posição contra ele. Lutero aconselhou que os príncipes massacrassem os camponeses rebeldes. Dürer, por outro lado, professou seu apoio ao exército dos camponeses rebeldes com seu Monumento aos Camponeses.

Em 1525, no terceiro livro de seu “Unterweisung der Messung” (Instrução em Medida), como modelo para a dosagem de um monumento, ele incluiu uma talha que defendia a causa dos camponeses.

Gravura: Albrecht Dürer

A coluna mostra o gado, os equipamentos domésticos e agrícolas de uma exploração camponesa, agora o espólio dos conquistadores. Ao invés do vitorioso conquistador coroando o pilar, há um camponês, trespassado por uma espada. Nós o vemos na postura de Cristo em repouso, o camponês assassinado como o verdadeiro seguidor de Cristo. A Guerra dos Camponeses tinha acabado e, ao lado dos camponeses revolucionários, estava longe de ser segura.

Muitos artistas sofreram perseguição. Matthias Grünewald participou de atos sediciosos, teve que fugir de Aschaffenburg para Frankfurt, e morreu como perseguido em Halle. A obra principal de Jörg Ratgeb, o Altar Herrenberg pintado em 1518/19, é inspirada por um espírito apaixonado e rebelde. Nele, ele retrata os representantes da igreja como carrascos gordos e arrogantes. Ratgeb juntou-se aos camponeses e tornou-se conselheiro militar. Após a derrota do exército camponês, ele foi esquartejado publicamente no mercado de Pforzheim em 1526. Tilman Riemenschneider, um dos maiores escultores do final do período gótico, um respeitado cidadão de Würzburg, membro do conselho e cerca de 60 anos de idade em 1525, foi preso, expulso do conselho e torturado. Ele cessou toda a atividade artística depois disso. Nos últimos anos de sua vida, Dürer se afastou da arte para mais preocupações científicas e morreu aos 57 anos de idade, em 6 de abril de 1528. Ele permaneceu próximo às pessoas comuns em seus pensamentos e ações. Ele ficou do lado do movimento democrático e lutou por ele com as armas de sua arte. Os maiores artistas daquela época na Alemanha estavam com o povo.


Traduzido com a versão gratuita do tradutor – www.DeepL.com/Translator


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -