Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

Alma Molhada

Poema inédito de Alice Coelho

Alma Molhada

Encharco o corpo de beijos
Bebo em goles teu silêncio
Ensopo a alma de desejos
E engulo o teu poema vazio
Os dedos tocam nas cordas
Os afagos dos meus cantos
Na almofada em que acordas
No lençol em que me sonhas
Nas ruas onde nunca estive
Nas lágrimas que me contive
Encharco o corpo de beijos
E da chuva que me consola
Versos para ti foram feitos
Metidos no fundo da sacola


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -