Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 24, 2024

Angola e outros países da CPLP estão preparados para acções humanitárias

Militares da CPLP na Base Aérea de São Jacinto – Aveiro
Militares da CPLP na Base Aérea de São Jacinto – Aveiro

 

No âmbito da componente de defesa e cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizou-se em Portugal, o exercício com Forças no Terreno (FT) Felino 2015.

O exercício atrás referenciado decorreu de 9 a 18 de Setembro de 2015, na Área Militar de São Jacinto (Regimento de Infantaria N.º 10), em Aveiro e no aeródromo de manobra N.º 1, em Macedo, Ovar.

Os exercícios militares da série “Felino” surgem no quadro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e têm como objectivo treinar uma Força Tarefa Conjunta e Combinada, permitindo aumentar a interoperabilidade e incrementar o treino das Forças Armadas dos Estados-Membros em Operações de Apoio à Paz e de Ajuda Humanitária, conduzidas sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU).

Delegações de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, participaram no “Felino 2015”, através da integração dos seus militares na estrutura de direcção do Exercício e no Estado-Maior da Força Tarefa Conjunta e Combinada.

Para o “Felino 2015” foi criado um cenário fictício para simular uma situação de crise num país com contornos políticos, económicos, humanitários e de segurança interna muito complexos, permitindo treinar a Força Tarefa Conjunta e Combinada, gerada no âmbito da CPLP, no planeamento e condução de uma Operação de Apoio à Paz e outra de Apoio Humanitário.

As tropas portuguesas gozam de uma excelente reputação internacional
As tropas portuguesas gozam de uma excelente reputação internacional

Ou seja, esta operação visou preparar alguns países da CPLP, como Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Brasil e Guiné-Equatorial a estarem preparados do ponto de vista militar, para acolher refugiados provenientes de outros estados africanos como a Nigéria ou o Chade, onde se têm verificado vários ataques terroristas levados a cabo pelo grupo extremista Boko Haram.

Azeredo Lopes, actual Ministro da Defesa Nacional, tem vindo a destacar as missões militares portuguesas como prestigiantes para Portugal. E tudo leva a crer que no primeiro trimestre de 2016 as tropas especiais portuguesas sejam chamadas a actuar em lugares de conflito como a Síria e o Iraque. E talvez para coordenarem algumas acções humanitárias no continente africano, que nos últimos meses, tem acolhido alguns jihadistas fanáticos.

O próximo exercício “Felino 2016” terá lugar em Cabo Verde.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -