Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Fevereiro 6, 2023

Artistas britânicos acusam premiação de macarthismo moderno

Jenny Farrel
Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

Em uma carta aberta, 170 artistas britânicos reagiram com raiva à retirada do Prêmio Drama Europeu de Caryl Churchill:

“Estamos chocados que o Prêmio Lifetime Achievement concedido à dramaturga Caryl Churchill para o Prêmio Dramático Europeu 2022 tenha sido rescindido pelo júri do Schauspiel Stuttgart, com o argumento de que Churchill apoia o movimento não violento de boicote, desinvestimento e sanções (BDS) contra o sistema de apartheid de Israel. (…) Este ataque à liberdade de consciência é nada menos que o McCarthyismo moderno, e levanta questões urgentes sobre um padrão de intimidação e silenciamento na Alemanha, e além. (…) A repressão e o silenciamento a que estamos assistindo sugerem um racismo anti-Palestina profundamente enraizado, e colocam em questão a integridade e a independência das instituições culturais. (…) Se as únicas formas de arte consideradas ‘seguras’ para as instituições são aquelas que nada têm a dizer aos despossuídos e oprimidos desta terra e que estão em silêncio diante da repressão sancionada pelo Estado, então a arte e a cultura são esvaziadas de sentido e valor”.

Em sua declaração, o júri tinha justificado a retirada do prêmio não apenas com o apoio de Churchill à BDS, mas também com sua peça “Seven Jewish Children”: Uma peça de teatro para Gaza”. O dramaturgo escreveu este pequeno texto em 2009 após o ataque de Israel a Gaza, no qual, segundo a Anistia, “1.400 palestinos haviam sido mortos, incluindo cerca de 300 crianças e centenas de outros civis desarmados, e grandes áreas de Gaza haviam sido arrasadas”.

Do que se trata esta peça não convencional, que parece um poema em verso livre? Em sete seções de vários comprimentos, ouve-se vozes de adultos aconselhando o que pode ou não ser dito a uma filha jovem.

Estas respostas às perguntas não ouvidas de uma criança fazem lembrar o ritual de perguntas e respostas do ritual da Páscoa, no qual o mito fundador dos judeus é transmitido às novas gerações. Um arco irônico é criado aqui entre isto, a perseguição dos judeus durante a Shoah e a expulsão dos palestinos de sua pátria. Um mito de fundação adicional é escrito.

Quase todas as frases da peça começam com “Conte para ela” ou “Não conte para ela”. Sete seções iluminam o período desde a Shoah até o presente. O público compreende rapidamente qual é a situação histórica a que se refere. A primeira seção começa: “Diga-lhe que é um jogo/ Diga-lhe que é sério/ Mas não a assuste/ Não lhe diga que eles vão matá-la”. Estas linhas falam da maior terna preocupação com o bem-estar psicológico e físico da criança durante o fascismo. Depois do Shoah, a preocupação move-se para como contar à criança o que aconteceu: “Diga-lhe que esta é uma fotografia de sua avó, de seus tios e de mim/ Diga-lhe que seus tios morreram/ Não lhe diga que foram mortos/ Diga-lhe que foram mortos/ Não a assuste”. A terceira seção se concentra na mudança para Israel (sem nome) pré-estatal: “Diga-lhe que está sol lá/ Diga-lhe que vamos para casa/ Diga-lhe que é a terra que Deus nos deu”. A quarta seção passa para a expulsão dos (anônimos) palestinos: “Não diga a ela que está em casa, não em casa, diga-lhe que eles vão embora/ Não diga a ela que eles não gostam dela/ Diga-lhe para ter cuidado/ Não diga a ela quem costumava viver nesta casa”. Enquanto um tom incerto prevaleceu nestas primeiras quatro seções, na muito curta quinta seção há um novo tom, uma mudança de atitude mesmo para a história que está sendo contada (ou não contada): a invasão de Gaza: “Diga-lhe que ganhamos/ Diga-lhe que seu irmão é um herói/ Diga-lhe o tamanho de seus exércitos/ Diga-lhe que os devolvemos/ Diga-lhe que somos combatentes/ Diga-lhe que temos novas terras”. Uma maior consciência de uma injustiça retorna na seção seis. Aqui, inicialmente, dominam as sentenças “Não conte a ela” sobre água, bulldozers (destruição), oliveiras, um menino morto a tiros, que também expressam uma violência crescente contra os palestinos. As sentenças “Conte-lhe” da segunda metade da sexta seção aprofundam as mentiras que a criança é servida como sua identidade: “Diga-lhe que somos mais fortes/ Diga-lhe que temos direito/ Diga-lhe que eles não entendem nada exceto violência/ Diga-lhe que queremos a paz/ Diga-lhe que vamos nadar”.

A sétima e última seção é a mais longa e surpreendente com sua transição de verso livre para prosa, após a expressão de dúvidas e medos, pela primeira vez até mesmo de resistência passiva, para posições sionistas militantes: “Não diga a seu primo que seu primo se recusou a servir no exército./ Não diga a ela quantos deles foram mortos”. (…) “Diga-lhe que agora somos o punho de ferro, diga-lhe que é o nevoeiro da guerra, diga-lhe que não vamos parar de matá-los até estarmos seguros, diga-lhe que ri quando vi os policiais mortos, diga-lhe que agora são animais vivendo nos escombros, diga-lhe que não me importaria se os aniquilássemos”. Aqui, a desumanização das vozes dos adultos e a destruição da inocência da criança atinge seu clímax. Isto é um pouco relativizado nas três últimas linhas da peça: “Não lhe diga isso./ Diga-lhe que a amamos./ Não a assuste”. Assustar os adultos? O próprio fato de a menina estar fazendo estas perguntas – e de ter um primo cujas dúvidas sobreviveram até a idade adulta – é encorajador. Há esperança.

Esta peça, escrita por Churchill por ocasião de um dos mais notórios ataques israelenses a Gaza, obviamente não se limita a Israel, mas pode ser aplicada a todas as situações em que pais (ou o Estado, ou a mídia estatal), agressores, belicistas, colonizadores, escravizadores, criam uma narrativa para seus filhos ou seu povo, escondem e transfiguram, inventam uma nova história. O que é relatado? O que você pode pensar, dizer? Como se escreve a história, como se escreve uma lenda? Por que a verdade é tão insuportável? Mesmo para os opressores, que sabem a verdade?

Escondendo realidades, não aprendendo com a história, a opressão e a crueldade nascem de novo e de novo. No meio da sexta seção, uma voz diz: “Não lhe diga nada”. A retirada do Prêmio Drama Europeu para Caryl Churchill é um desses esforços.

Caryl Churchill liberou “Sete Crianças Judias” para download gratuito (em inglês) e direitos de desempenho, com o pedido de que sejam feitas coletas para o povo de Gaza e que as receitas sejam destinadas à Ajuda Médica para a Palestina.

Assista aqui um vídeo sobre o texto Sete Crianças Judias


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -