Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Cobre-me

Poema inédito de Alice Coelho

Cobre-me

Um véu de névoa
Partem-se
As asas num voo
Caem gotas
De água salgadas
Ensopam os lenços
Encharcam almofadas
Ouve-se
Um pássaro a chorar
Bocas a sussurrar
Mãos que seguram
Dedos que ondulam
Corpos a naufragar
E estrelas a cintilar
Cobre-me
Um manto de ternura
Na loucura que perdura.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorTristeza
Próximo artigoMonólogo de um mestiço
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -