Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Maio 23, 2022

Explorando crianças: nove músicas que denunciam o trabalho infantil

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Nesta quarta-feira (12), Dia Mundial contra o Trabalho Infantil e Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, apresentamos nove canções da música popular brasileira (MPB) que tratam, direta ou indiretamente, do tema. São músicas sobre a exploração do trabalho de crianças e adolescentes, bem como os males que essa prática causa ao desenvolvimento da infância e da juventude.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) – que em 2002 instituiu 12 de junho como Dia Mundial contra o Trabalho Infantil –, mais de 150 milhões de crianças são exploradas pelo trabalho no mundo. No Brasil, cerca de 2,5 milhões de pessoas de 5 a 17 anos trabalham em condições ilegais.

Como de costume, o cancioneiro popular brasileiro, sempre antenado à busca de soluções para os dilemas sociais que afligem a maioria da população, flagrou o problema. nestes tempos sombrios, vale a reflexão sobre o que estamos fazendo com as nossas crianças.

Nossa luta contra o fascismo e contra os retrocessos trazidos pelo governo Bolsonaro, pela educação e saúde públicas e pelos direitos de quem produz a riqueza da nação, passa também pelo combate ao trabalho infantil”.

O Meu Guri

de Chico Buarque

“Chega suado
E veloz do batente
E traz sempre um presente
Pra me encabular”

 

Garoto do Amendoim

de Ary Lobo

“Compra dois que vai gostar
Vai gostar vai gostar
É gostoso até o fim
Pra minha mãe sustentar
Seu moço, eu vendo amendoim”

 

Sou Boy, de Kid Vinil

grupo Magazine

“Acordo sete horas tomo ônibus lotado
Entro oito e meia eu chego sempre atrasado
Sou boy, eu sou boy, sou boy, boy, sou boy”

 

Filho de Carpinteiro

de Tonico e Zé Paioça

“Quando amanhece o dia
O coitadinho saía
Com o frio da madrugada
Anunciando a novidade”

 

Relampiano

Lenine

“Tá relampiano
Cadê neném?
Tá vendendo drops
No sinal pra alguém”

 

Subirusdoistiozin

de Criolo

“Licença aqui patrão, eu cresci no mundão, onde o filho chora e a mãe não vê
E covarde são, quem tem tudo de bom, e fornece o mal, pra favela morrer”

 

Pivete

de Chico Buarque e Francis Hime

“Zanza na sarjeta
Fatura uma besteira
E tem as pernas tortas
E se chama Mané
Arromba uma porta
Faz ligação direta
Engata uma primeira
E até”

 

Mágico de Oz

do grupo Racionais MC’s

“Aquele moleque sobrevive como manda o dia a dia
Tá na correria, como vive a maioria
Preto desde nascença escuro de sol
Eu tô pra ver ali igual no futebol
Sair um dia das ruas é a meta final”

 

Criança Não Trabalha

de Arnaldo Antunes e Paulo Tatit

“Giz, mertiolate, band-aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão
Pega-pega, papel, papelão

Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha”


Texto em português do Brasil


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -