Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 7, 2022

Crianças separadas dos pais e enjauladas nos EUA

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Mais de 2000 crianças e bebés foram separados à força dos seus pais quando chegaram à fronteira dos EUA quando estes procuravam refugio, asilo ou trabalho. Isso tem sido descrito como uma clara violação dos valores democráticos e americanos, das normas cristãs e outras normas morais e éticas, dos direitos constitucionais dos EUA e do direito internacional. 80% dos casos estão a ser recusados, incluindo casos que podem levar à morte no regresso. Alegadamente, os pais são informados de que seus filhos serão levados para banhos, apenas para nunca serem devolvidos. O governo dos EUA está a usar de mentiras e crueldade como dissuasores da imigração, de formas que estão a ser comparadas com as praticas usadas pela Gestapo e nazistas.

Pela primeira vez, ouvimos gravações do lamento e choro de crianças pequenas – implorando para serem reunidas com as suas famílias – implorando para serem autorizadas a pedir ajuda a alguém – depois de terem sido separadas à força na fronteira entre os EUA e o México. Cidadãos, organizações religiosas e de liberdades civis e políticos democratas estão denunciar isto como uma violação extrema dos direitos humanos. Funcionários eleitos, incluindo senadores dos EUA, estão, em muitos casos, a ser impedidos de entrar para inspeccionar as instalações que abrigam estas crianças.

Os republicanos controlam todos os três ramos do governo, mas culpam os democratas por esta política. Eles não tiveram nenhum problema apressando mudanças radicais na política fiscal para beneficiar os ultra ricos.

O presidente Trump e sua administração têm nos últimos dias: negado que a política exista; culpou a política sobre os democratas; sugeriu que ele age como um impedimento; que é biblicamente aceitável; afirmou que eles odeiam o que está acontecendo com as crianças; que as crianças tenham as melhores condições.

A Secretária de Segurança Interna Kirstjen Nielsen está agora defendendo o programa de separação de famílias do governo Trump, alegando que as crianças têm acesso à televisão. Essas crianças inocentes estão a ser arrancadas de seus pais por agentes de patrulha de fronteira, apenas para serem mantidas em jaulas. Alguns ainda são bebés. Psicólogos alertam que eles podem sofrer traumas ao longo da vida que também podem afectar as futuras gerações. Também serão mais vulneráveis ​​ao abuso e violência. A Secretária de Segurança Interna Kirstjen NielsenEla deve terminar a política ou renunciar.

Os médicos dizem que danos irreparáveis ​​estão a ser feitos a estas as crianças ao serem separadas dos seus pais. Um membro da equipe de um centro de detenção disse que ele desistiu, atingindo um ponto de ruptura, quando dois irmãos, de 6 e 8 anos de idade, foram proibidos de se abraçarem.

Foi revelado que Trump estabeleceu três centros de detenção para bebés que foram tirados à força de seus pais – um quarto centro está em andamento.

Michelle Brane, directora dos direitos dos migrantes na Comissão de Refugiados Femininos, encontrou uma garota de 16 anos num centro de detenção que cuidava de um bebê que ela não conhecia dentro de uma cela há três dias. O bebê havia sido retirado de sua mãe. Ela teve que ensinar outras crianças na cela a trocar a fralda. Uma criança com Síndrome de Down foi separada de sua mãe grávida.

A prática de afastar os solicitantes de asilo na fronteira tornou-se repentinamente rotineira, desafiando as leis americanas e internacionais. Desperate Asylum-Seekers Are Being Turned Away by U.S. Border Agents Claiming There’s “No Room”

De acordo com a Lei de Imigração e Nacionalidade, os imigrantes dentro dos EUA que dizem às autoridades que temem retornar aos seus países têm o direito de solicitar asilo e de serem imediatamente processados. Não deveriam ser devolvidos em pontes. Não deveriam ser banidos para a vida nas calçadas mexicanas, por banheiros públicos, implorando por comida para os seus filhos.

No entanto, isso tem acontecido nos portos de entrada ao longo da fronteira sul. Os defensores dos direitos de imigração notaram primeiro que os requerentes de asilo estavam sendo rejeitados em algumas pontes logo após a eleição de Donald Trump.

Ao impedir que os requerentes de asilo atravessem legalmente, a Alfândega e Protecção de Fronteiras dos EUA está a pressionando-los a atravessar ilegalmente. Essa nova prática dá ao governo uma desculpa para dividir ainda mais famílias.

Trump planeia anunciar que irá retirar os Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Ontem, a ONU convocou os Estados Unidos por violarem os direitos humanos das crianças na fronteira. O presidente fez várias observações elogiosas sobre ditadores e foi menos simpático aos tradicionais aliados democráticos. Isso ocorre quando o governo dos EUA está a ser rebaixado de uma república democrática completa para uma democracia defeituosa, mas a democracia é um meio de controle.

 

The children caged and separated from their parents on the US border

Children as young as 18 months are separated from their families and held in cages. Toddlers scream for their parents and are only given foil blankets for comfort. This is what the US separation policy looks and sounds like

Publicado por The Guardian em Terça-feira, 19 de Junho de 2018

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -