Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Estruturas do Parque Verde ao abandono

… numa altura em que muita gente procura o local para escapar ao calor.

As duas grandes cheias do Inverno foram decisivas para o encerramento destas estruturas de apoio ao Parque Verde do Mondego – uma larga e agradável zona verde ribeirinha que foi edificada graças ao Programa Polis.

As esplanadas estão vazias, enquanto os bares e restaurantes estão completamente encerrados e com claros sinais de abandono. Mas também os wcs e o parque infantil estão fechados ao público.

Os concessionários desistiram do negócio — ainda recentemente florescente e cheio de clientes –, após as águas do Mondego terem invadido o local por duas vezes no último Inverno.

A Câmara Municipal de Coimbra está a preparar novo concurso para a exploração dos bares e restaurantes do Parque Verde, mas o Verão está a decorrer sem que haja qualquer estrutura de apoio a funcionar. Comprar um simples gelado ou uma água fresca, ou mesmo ir ao wc, tornou-se missão impossível no parque da margem direita do Mondego.

Até o parque infantil se encontra encerrado para surpresa de pais e crianças que procuram na frescura do rio combater o calor que se tem sentido na cidade.

Desassoreamento do Mondego

O assoreamento do leito do Rio Mondego é apontado como uma das principais causas que tem contribuído fortemente para as grandes cheias do rio. Mas, finalmente, autarquia e governo chegaram a acordo para as muito desejadas obras de desassoreamento do Rio Mondego.

Uma obra que está orçada em 4,6 milhões de Euros. Contudo, a APA (Agência Portuguesa do Ambiente) veio colocar algumas dúvidas sobre a obra, pondo em dúvida o procedimento e os prazos de conclusão da mesma, que a autarquia considera prioritária para Coimbra.

Com a dúvida instalada quanto à intervenção, o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, veio, contudo, reafirmar que a obra é mesmo para avançar com o calendário e orçamento previstos. Note-se que a Câmara Municipal de Coimbra para comemorar o acordo entre autarquia e governo instalou mesmo um repuxo luminoso em pleno rio. Uma decisão que está a dividir os munícipes quanto à beleza (e necessidade) deste adorno, que custou cerca de 160 mil euros, mas que se está a revelar um novo atractivo, sobretudo nocturno, do Rio Mondego.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -