Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Manifestações anti-Trump no Arizona e Nova York

antitrump
Dezenas de pessoas estão a bloquear o trânsito na cidade de Fountain Hills, estado norte-americano do Arizona, em protesto contra um evento com Donald Trump, candidato republicano às presidenciais do país. Foram já detidas três pessoas por corte do trânsito naquela cidade. A CNN revela que em simultâneo decorre uma marcha na cidade de Nova York contra o bilionário.

Os participantes no protesto no Arizona bloquearam a principal via da cidade com carros perto do local onde Donald Trump liderou um comício, de acordo com um membro do departamento da polícia da cidade.

O trânsito ficou congestionado, com filas de quilómetros, devido ao corte, o que causou problemas às autoridades. O representante da polícia local confirmou mais tarde à CNN que três manifestantes foram detidos e dois carros removidos da via em causa, enfatizando que as detenções se deveram ao facto dos manifestantes estarem a bloquear o trânsito.

Na noite de sexta-feira, manifestantes anti-Trump tentaram forçar as portas do local onde o candidato participava num evento, em Salt Lake City, estado do Utah; os agentes dos Serviços Secretos tiveram de intervir e fechá-las de forma abrupta enquanto o candidato discursava.

Na passada semana, conforme noticiado pelo Tornado, a tensão entre manifestantes anti-Trump e simpatizantes deste em Chicago levaram ao cancelamento de um comício que se realizaria naquela cidade.

Trump volta a jogar com os medos dos eleitores

Donald Trump fez-se acompanhar do ex-governador do Arizona, Jan Brewer e do xerife de Maricopa, Joe Arpaio, que declarou público o seu apoio ao candidato republicano à Casa Branca.

Arpaio, que já manifestou publicamente ser contra imigrantes ilegais, declarou à CNN que “as autoridades vão fazer tudo o que puderem para que o comício aconteça”, frisando que estão preparadas “para quaisquer problemas”.

O xerife invocou o direito de Trump à liberdade de expressão e o direito das pessoas em ouvirem-no. “Se certos grupos não gostam dele, tudo bem. Têm liberdade de expressão mas não vão violar quaisquer leis. Terão de sofrer as consequências”, disse.

No comício, o aspirante republicano a presidente dos EUA falou de temas que lhe são familiares, como críticas à política externa de Barack Obama e recuperar postos de trabalho para os EUA que foram para o estrangeiro, mas o enfoque particular foi para a imigração ilegal, um tema pertinente no Arizona.

“Querem saber? Vamos construir o muro e vamos parar isto ”, prometeu. “A menos que tenhamos uma fronteira não temos um país, lembrem-se disso”.

Não poupou também o seu principal rival, Ted Cruz, senador republicano do Texas, a quem chamou “Lyin’Ted” (“Ted Mentiroso”) nem Mitt Romney, que o criticou: chegou a dizer que Romney, candidato republicano às presidenciais de 2012, “sufocou que nem um cão”.

Enquanto isso, em Nova York, decorria uma marcha de Columbus Circle até à Trump Tower, na 5ª Avenida, de pessoas desagradadas com o candidato. Registaram-se pequenos incidentes quando alguns manifestantes começaram a atirar garrafas de água à polícia e outros usaram gás-pimenta.

Alguns destes foram detidos.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -