Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Novembro 30, 2021

EUA: um trabalhador morre a cada 99 minutos por acidente de trabalho

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Dados para 2020 poderiam ser ainda piores, se não deixassem de as mortes de trabalhadores diretamente relacionadas à pandemia.

por Press Associates Union News Service, em People´s World  | Tradução de José Carlos Ruy

Um trabalhador morreu a cada 99 minutos, em 2019, por acidente de trabalho nos Estados Unidos, revelou o Departamento do Trabalho norte-americano, em 16 de dezembro, em seu relatório anual sobre os dados do ano anterior. E este não foi o único recorde duvidoso de segurança no trabalho estabelecido no ano passado.

O relatório, do Bureau of Labor Statistics (BLS), disse que 5.333 trabalhadores morreram de acidentes de trabalho, 83 (2%) a mais do que em 2018, e o número mais alto desde 2007. Houve 5.147 mortes em 2017, o primeiro ano do regime antitrabalhador do Partido Republicano e Donald Trump.

E os dados para 2020 poderiam ser ainda piores, diz o BLS – e não será por causa da Covid-19, pelo menos não oficialmente. Isso porque os dados de mortalidade de 2020, a serem divulgados em dezembro próximo, deixarão de fora as mortes de trabalhadores diretamente relacionadas à pandemia do coronavírus.

“Doenças ocupacionais fatais, incluindo Covid-19, estão fora do escopo do Censo de Lesões Ocupacionais Fatais, a menos que sejam precipitadas por uma lesão aguda. É possível que uma fatalidade relacionada ao covid-19 resultante de uma lesão aguda esteja no escopo e apareça no arquivo CFOI “, disse o BLS.

Quanto à taxa de acidentes de trabalho fatais em 2019, foi de 3,5 por 100 mil trabalhadores – uma estagnação após quedas anteriores, desde que Trump assumiu o cargo. Mas era muito maior em ocupações selecionadas, notadamente, pesca e agricultura.

O reinado de Trump apresentou o declínio da aplicação da segurança no trabalho pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional da DOL e a revogação das regras anteriores da Osha que protegiam os trabalhadores. O presidente eleito, democrata Joe Biden, diz que planeja reverter as duas tendências.

“Ninguém deve ficar doente, ferido ou morrer simplesmente porque foi trabalhar. Todo trabalhador tem o direito de voltar do trabalho para casa com segurança. Mas Trump tentou enfraquecer vários regulamentos ocupacionais e de segurança estabelecidos durante a administração Obama-Biden”, disse o presidente eleito em sua plataforma “Build Back Better”.

Trump reverteu, por exemplo, regulamentações que exigiam que as empresas relatassem seus acidentes de trabalho, para que fossem divulgados ao público. Removeu as restrições às velocidades de linha em frigoríficos, tornando o trabalho ainda mais perigoso. Reduziu o número de investigadores da Osha e os esforços de fiscalização da segurança, apesar do fato de as inspeções da Osha reduzirem os ferimentos.

Como presidente, Biden diz que “vai restabelecer essas proteções críticas de segurança e garantir que todas as nomeações para comitês e conselhos consultivos sob a Osha compreendam intimamente as consequências de não ter padrões de segurança funcionais em vigor”. Ele também anunciou sua intenção de direcionar a Osha para expandir substancialmente seus esforços de fiscalização, aumentar o número de investigadores e ordenar que a Osha desenvolva – e não descarte – novos padrões de segurança no local de trabalho.

Gail Williams abraça um familiar de um trabalhador da construção civil morto em 7 de outubro de 2020, no prédio da Marathon Oil em Houston (Jon Shapley / Houston Chronicle, via AP)

Os dados do DOL mostram que essas mudanças são necessárias. Além do aumento de acidentes de trabalho fatais, mesmo antes de a pandemia do coronavírus atingir, um novo recorde duvidoso foi estabelecido em acidentes de trabalho fatais entre jardineiros (229). Construção e transporte rodoviário novamente tiveram o maior número de lesões ocupacionais fatais no ano passado, disse o relatório. Houve 1.005 mortes entre caminhoneiros e motoristas relacionados, um novo recorde desde que o DOL começou a coletar esses dados em 2003. E 1.061 trabalhadores da construção civil foram fatalmente feridos no trabalho, um aumento de 5% e o maior número desde 2007.

Mudanças demográficas dentro da força de trabalho também se refletiram nos dados, já que tanto os trabalhadores da Latinx quanto os mais velhos tiveram grandes aumentos em acidentes fatais no trabalho. O BLS disse que 2.005 trabalhadores com 55 anos ou mais morreram no ano passado, um aumento de 8% de 1.863 em 2018 – e um novo recorde em números absolutos.

E 1.088 trabalhadores da Latinx morreram devido a acidentes de trabalho no ano passado, um aumento de 18% em relação ao número de 961 em 2018, o maior número de mortes desde 1992. Os acidentes de trabalho fatais entre asiático-americanos também aumentaram 18%, de 153 em 2018 para 181 ano passado. O BLS alertou que alguns números no próximo ano podem piorar, mas não os dados de mortalidade de 2020, a serem divulgados em dezembro próximo, devido à pandemia do novo coronavírus.

“Doenças ocupacionais fatais, incluindo a Covid-19, estão fora do escopo do Censo de Lesões Ocupacionais Fatais, a menos que sejam precipitadas por uma lesão aguda. É possível que uma fatalidade relacionada à Covid-19 resultante de uma lesão aguda esteja no escopo e apareça no arquivo CFOI”, disse.

Mas sua pesquisa anterior sobre lesões e doenças ocupacionais – sem as mortes –, também a ser lançada no próximo ano, pode contar uma história diferente. Essa pesquisa “pode capturar alguns casos de covid-19 registráveis ​​relatados por empregadores”, mas nenhuma “estimativa cobrindo especificamente a doença Covid-19. Os casos de Covid serão codificados como ‘Outras doenças decorrentes de vírus, não classificadas em outro lugar’”, disse o BLS.


PAI (Press Associates Union News Service), via People’s World   |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV  / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -