Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Evidências sugerem vários saltos do coronavírus de animais a humanos

Segundo especialista australiano, esta é mais uma evidência de que um vazamento de laboratório é muito improvável.

por Hamish McCallum, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A origem do vírus SARS-CoV-2, que causou a pandemia de COVID-19, tem sido calorosamente debatida.

Este debate causou dificuldades substanciais na relação Austrália-China, com um apelo da Ministra das Relações Exteriores, Marise Payne, para que outro inquérito sobre sua origem fosse considerado pela China como um ato hostil.

O que não está em dúvida é que os parentes mais próximos do vírus são encontrados em morcegos. Como, onde e quando o vírus se espalhou para os humanos é a questão controversa.

Uma hipótese amplamente suportada é o transbordamento ocorrido nos “mercados molhados” de Wuhan, onde muitas espécies de vida selvagem de toda a China são mantidas em condições de superlotação.

No entanto, não há evidências de que as espécies de morcegos em que os parentes mais próximos do SARS-CoV-2 foram encontrados foram vendidas nos mercados molhados de Wuhan em qualquer momento nos dois anos anteriores à pandemia. Essa hipótese requer a existência de um “hospedeiro-ponte”, outra espécie que é infectada por transbordamento dos morcegos hospedeiros originais e, em seguida, passa o vírus para os humanos.

Os hospedeiros-ponte são bem conhecidos em muitas doenças humanas emergentes. Por exemplo, o vírus Hendra, que meu grupo estuda, tem raposas voadoras como seu reservatório. Hendra transborda para os cavalos com alguma frequência. Os cavalos então amplificam o vírus como um hospedeiro-ponte e podem infectar humanos.

Felizmente, isso é extremamente raro, com apenas sete casos conhecidos. Tragicamente, quatro dessas pessoas morreram. Hendra nunca foi conhecida por se espalhar diretamente de raposas voadoras para humanos.

Mais evidências de que um vazamento de laboratório é muito improvável

Uma segunda hipótese, muito mais controversa, é a de que a origem da pandemia foi resultado de um “vazamento de laboratório”.

Wuhan tem um dos laboratórios virológicos mais sofisticados da China, e o laboratório trabalha com vírus de morcego. A sugestão é que o vírus pode ter sido inadvertidamente liberado na comunidade em geral por meio de um dos trabalhadores. Nenhuma evidência direta apóia essa hipótese.

Um novo estudo pré-impresso, lançado online este mês, fornece fortes evidências para apoiar a hipótese de “transbordamento natural”, com resultados que são difíceis de conciliar com a hipótese de “vazamento de laboratório”.

O estudo ainda não foi avaliado por pares. Mas é baseado em um exame detalhado das sequências genéticas de duas linhagens anteriores obtidas de pessoas infectadas no final de 2019 e início de 2020.

Por conveniência, essas duas linhagens são chamadas de A e B. As duas linhagens diferem por apenas dois nucleotídeos (letras no código genético) em dois locais-chave diferentes na sequência genética.

Se houve um único evento de fuga do laboratório, a separação nas linhagens A e B deve ter acontecido após a fuga do laboratório. Esperaríamos, portanto, ver um número substancial de linhagens intermediárias, com o nucleotídeo da linhagem A em um local e o nucleotídeo da linhagem B no outro local.

No entanto, se quase todas as sequências genéticas obtidas de humanos são de linhagem A “pura” ou linhagem B pura, isso sugere que houve pelo menos dois eventos de transbordamento diferentes, diretamente de morcegos ou via hospedeiros-ponte.

E a evolução das duas linhagens ocorreu antes de os humanos serem infectados.

Os pesquisadores baixaram todas as sequências genéticas completas do SARS-CoV-2 que haviam sido armazenadas em um banco de dados genômico amplamente utilizado. Dessas sequências, 369 eram da linhagem A, 1.297 eram da linhagem B e apenas 38 eram intermediárias.

O sequenciamento genético não é perfeito. Um exame atento dos 38 intermediários sugeriu fortemente que eles eram mais prováveis ​​de serem erros de sequenciamento da linhagem A pura ou linhagem B do que intermediários verdadeiros.

A evidência genética, portanto, sugere fortemente que houve pelo menos dois eventos de transbordamento separados em populações humanas, um sendo da linhagem A e outro sendo da linhagem B.

Um humano trouxe o SARS-CoV-2 para os mercados de molhados?

Os dados não nos dizem que houve apenas dois eventos de transbordamento – pode ter havido mais. Nem nos dizem se esses transbordamentos aconteceram diretamente dos morcegos ou se alguns ou todos aconteceram por meio de uma ponte hospedeira intermediária.

Um artigo de notícias da Nature sugere que essa evidência aponta para o transbordo ter acontecido por meio do comércio de vida selvagem, mas acho que isso está indo longe demais.

Embora algumas das espécies de vida selvagem vendidas no mercado de molhados de Wuhan possam de fato ser infectadas com SARS-CoV-2 (por exemplo, cães-guaxinim e visons), não há evidências de que qualquer um vendido no mercado tenha sido infectado.

Muitas das primeiras sequências virais humanas (todas da linhagem B) foram recuperadas do mercado de frutos do mar de Wuhan, mas os mercados molhados e matadouros são bem conhecidos por serem lugares onde o vírus SARS-CoV-2 se espalha muito bem de humano para humano.

Portanto, pode ter sido um ser humano que trouxe o vírus para o mercado de frutos do mar de Wuhan, em vez de uma espécie de vida selvagem.

Uma coisa que sabemos é que essa pandemia teve origem no contato de um humano com outra espécie infectada com o vírus.

Não se sabe se foi um morcego ou um hospedeiro de ponte e se esse contato ocorreu em um mercado de vida selvagem, ou em uma caverna de morcegos, ou em algum outro lugar totalmente diferente.

No entanto, à medida que os humanos invadem cada vez mais os habitats dos animais selvagens e os animais selvagens são colocados com mais frequência em contato próximo com os humanos, podemos esperar que mais transbordamentos e pandemias ocorram.


por Hamish McCallum, Diretor do Centro de Saúde e Segurança Alimentar Planetária, da Universidade Griffith em Queensland (Austrália)  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -