Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Exposição Feminino Plural une arte, moda, sindicalismo e luta social

Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Pesquisadora, coordenadora do Centro de Memória Sindical e jornalista do site Radio Peão Brasil. Escreveu o livro "O mundo do trabalho no cinema", editou o livro de fotos "Arte de Rua" e, em 2017, a revista sobre os 100 anos da Greve Geral de 1917

O clima na inauguração, sempre respeitando os protocolos de contenção do coronavírus, era de acolhimento e convergência. Convergência em torno de uma pauta humanitária e de um debate atual.

Desta forma o sindicalismo, mais uma vez, usa a criatividade para manifestar suas bandeiras. Estavam por ali jornalistas, pessoas das artes e da moda, curiosos e interessados, o idealizador do projeto, André Guimarães, além de sindicalistas como Ricardo Patah, presidente da UGT, Chiquinho Pereira, o Chiquinho dos Padeiros, Atnágoras Lopes, do Conlutas, e João Carlos Juruna, da Força Sindical.

Desde 2015 a UGT promove grandes exposições no canteiro central da Av. Paulista para apreciação de todos e todas. As edições anteriores apresentaram os temas “30 Anos de Redemocratização do Brasil” (2015); “100 Anos do Samba” (2016); “17 Objetivos para Transformar o Mundo” (2017); “A Quarta Revolução Industrial” (2018); “Direito do avesso/Avesso do direito” (2019) e “Liberdade e Democracia” (2020). O evento era tradicionalmente realizado em maio, mês do trabalhador. Devido à pandemia e ao 1º de Maio virtual realizado pelas centrais sindicais, desde 2020 a exposição passou para junho.

Neste ano a central convidou a jornalista Lillian Pacce, um nome conhecido do mundo da moda, para a curadoria. Foi ela quem selecionou as duas artistas Criola, apelido da grafiteira e ativista Tainá Lima, e Cláudia Liz, ex-modelo, artista e ilustradora, que representariam experiências diversas.

Ao portal São Paulo São Ricardo Patah declarou:

Feminino plural, esse tema sempre foi muito caro à UGT. Essas bandeiras nos acompanham desde a nossa fundação, em 2007. Agora, estamos fazendo essa exposição, homenageando as mulheres. Todas elas, brancas ou pretas, são muito importantes nessa luta pela igualdade de direitos.

Ricardo Patah (Wesdra)

Já André Guimarães chamou a atenção para o alcance das obras:

A Exposição em formato virtual amplia para todo o Brasil e para fora também o alcance da Exposição para além dos 5 milhões de pessoas diferentes que passam em um mês pela Paulista. As ações digitais de lançamento, como podcasts e lives com curadoria e artistas, aumentam a eficiência das contrapartidas aos patrocinadores e massifica ainda mais a discussão de temas tão fundamentais como etnia e gênero.

Cláudia Liz fala sobre a exposição

As artistas, por sua vez, declararam:

“Homenageio aqui mulheres que tem muito a nos ensinar e convido vocês a ouvirem suas vozes, convido vocês também a refletirem sobre padrões de beleza que encarceram o feminino e sobre o desejo de liberdade e de segurança para simplesmente ser mulher e exercer uma cidadania plena e equitativa. Não há espaço na Paulista para todas nos entrarmos, então selecionei algumas mulheres que foram importantes nessa reflexão: Djamila Ribeiro, Tomie Ohtake, Sonia Guajajara, Marielle Franco, entre outras” disse Cláudia Liz. E Criola emenda: “Fico muito feliz e honrada com o convite para participar desse projeto, principalmente pela importância em abordar temas urgentes e necessários exatamente nesse momento histórico que estamos atravessando.”

As artistas posam com representantes do governo paulista. Ao fundo, os painéis.

Estive lá e vi a força das obras. Das pinturas da Cláudia senti um DNA do modernismo. Um modernismo atualizado. E nas da Criola, uma Pop Art bem brasileira, politizada e com temas de hoje. Ambas com mensagens que nos inspiram para a luta e para a vida.

O sindicalismo é sim moderno e antenado!

Visite lá a exposição Feminino Plural até o dia 30 de junho

Ciclovia da Av. Paulista, da Rua Augusta até a Alameda Campinas

  • Realização: UGT – União Geral dos Trabalhadores
  • Coordenação Artística: Mônica Maia e Fernando Costa Netto – DOC Galeria
  • Curadoria: Lillian Pacce
  • Artistas: Criola e Claudia Liz
  • Exposição virtual: Daniel Kfouri

Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -