Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

Fahrenheit, de Michael Moore, investiga as causas dos atentados de 11/09

Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Pesquisadora, coordenadora do Centro de Memória Sindical e jornalista do site Radio Peão Brasil. Escreveu o livro "O mundo do trabalho no cinema", editou o livro de fotos "Arte de Rua" e, em 2017, a revista sobre os 100 anos da Greve Geral de 1917

Após o atentado de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gêmeas, em Nova Iorque (EUA), o documentarista Michael Moore buscou entender o motivo de o país ter se tornado alvo de terroristas e relacionou o fato ao comando das duas gerações da família Bush.

Fahrenheit 9/11 faz referência ao livro “Fahrenheit 451 – 233°C”, que representa a temperatura em que arde o papel, escrito em 1953 por Ray Bradbury. Com isto ele simboliza a relação explosiva entre a família Bush, e pessoas próximas a ela, com membros de eminentes famílias da Arábia Saudita (incluindo a família de Bin Laden).
Osama Bin Laden lutou pelos EUA, durante a guerra fria, para extirpar comunistas do Afeganistão. O ostensivo exército estadunidense foi, então, para ele, “escola” de guerra, de guerrilha e, principalmente, do terrorismo. Desta forma, Osama não passaria de um subproduto do terror promovido pelos EUA.

Mas quais seriam as causas dos atentados de 11 de setembro, que levou à posterior invasão do Iraque. Quais são os reais vínculos entre as famílias do presidente George W. Bush e de Osama bin Laden? São questões instigantes, para as quais provavelmente nunca teremos respostas claras. Mas que Michael Moore soube levantar com inteligência em um documentário revelador.

Um dos nós da questão, talvez o principal, é a busca dos EUA por energia fóssil (petróleo). Abundante no Afeganistão e no Iraque, o petróleo, e não a paz mundial, teria movido o exército de Bush a invadir tais países respectivamente em 2001 e em 2003.

Moore é incisivo em ressaltar que, ao contrário do que o governo americano alega, suas ações militares passam longe do interesse “humanitário” de disseminar a paz e a liberdade no mundo. O documentário defende que a guerra com o Afeganistão não teria como principal objetivo capturar os líderes da Al Qaeda, e sim favorecer a construção de um oleoduto, e que o Iraque não era, no momento da invasão, uma ameaça real para os Estados Unidos, senão uma fonte potencial de benefícios para as empresas norte-americanas.

Com sua costumeira ironia Moore mostra um George W. Bush ridículo, cínico, descomprometido com questões sociais ou com qualquer causa humanitária. Para ilustrar este descaso, o filme mostra o momento em que o ex-presidente americano é informado de que o país está prestes a ser atacado. Bush não sobressalta. Ele permanece lendo um livro infantil a um grupo de crianças.

Como contraponto o filme mostra o impasse e a realidade desoladora dos jovens “voluntários” que participaram na guerra do Iraque, persuadidos e recrutados por métodos curiosos, para não dizer “suspeitos”, usados pelas instituições militares dos EUA.

Este é mais um filme com o qual Michael Moore monta o lado B da história dos EUA. Tecendo, com linha de aço, o que há por trás dos contos de fadas que assistimos pela TV.

Fahrenheit 9/11 (Fahrenheit 9/11)

EUA, 2004

Direção: Michael Moore
Elenco: Michael Moore


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -