Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

“Flutuando nos Pensamentos” de Manuel Chionga

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

“Somos todos filhos da mesma história.”
DMG

De Moçambique surge-nos uma voz literária humilde, fresca, intensa, jovem, nova, apaixonada e promissora, que promete agitar e sublimar o microcosmo moçambicano da palavra: Manuel Chionga. É abençoado por Mandimba na província do Niassa.

Um vate inconformado da nova geração que nasceu na novel nação moçambicana em construção, onde campeiam ninhos de corrupção num processo complexo que em pirâmide começam muitas vezes nas cúpulas e terminam nas bases. Daí o apelo desafiador, perturbador, esclarecido e sereno de Chionga quando diz:

Tu que dormes alma inábil
colocada à sombra da corrupção,
Acorda ! Perante este tempo útil
Já é a altura de estares em acção.”

Até porque…, acrescenta luminoso:

…Ninguém é dono de tudo…”.Ele que sonha pacificamente mundos novos“…com um país sem distinção social,

onde o povo possa ser colocado em primeiro lugar

onde a riqueza possa ser distribuída pedaço por pedaço.”

E os gritos e prantos de revolta ecoam e ecoam sem fim , mas sempre com  um inconformismo sereno e  deveras sábio, não vá o diabo tecê-las! Sim, porque é possível a mudança, é possível cantar a beleza da mulher, da cidade, do campo, das árvores, das flores, do mar, dos peixes,  do verde da paisagem, dos rios, dos vales, dos mangais e de tudo o que na poesia habita e  que é livre, desejável  e possível de ser cantado.

Para que o discurso de um país tão jovem em crise (ainda que momentaneamente),  possa  ter de facto retrocesso e se passe a cantar a esperança e a crença num novo homem que precede o homem novo prometido e conspurcado e ainda o antigo homem colonizado.

Moçambique, mais do que nunca , precisa fatalmente deste inconformismo, desta inquietude dos poetas para sair do marasmo em que caiu, apesar da ilusão da riqueza aparente ,dos mercados, das gigantescas pontes, das estradas circulares  e dos arranha-céus. Não nos esqueçamos que são os homens que fazem uma nação grande ou pequena, independentemente do seu tamanho territorial ou da sua riqueza em recursos naturais. Como diz Delmar Maia Gonçalves “A inteligência dos poetas e escritores precisa de viver num mundo mais amplo do que esse a que as sociedades em que vivemos traçaram tão mesquinhos limites.”

Só poetas “descomprometidos” com os poderes vigentes e “comprometidos” com o povo anónimo, com a pátria, podem denunciar e alertar consciências distraídas e desalmadas de prosseguirem por estes caminhos obscuros e desviantes da viagem da vida. Poesia é vida! Mas que seja vida com esperança; sempre com esperança!

Bem haja poeta Manuel Chionga, pela coragem, pela poesia que nos impele e incita.

Bayete também pela opção do porvir contra o medo e a cobardia que nos domina!

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -