Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

O glifosato mata plantas – E o nosso Sistema Imunitário

Em Março de 2016, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou o glifosato como “provavelmente cancerígeno para os seres humanos”.

Assim como o glifosato é excelente para matar plantas, ele pode ser eficaz para matar o seu sistema imunitário.

Embora o glifosato seja propriedade da Monsanto, é usado por outros gigantes da biotecnologia, incluindo a Dow, na composição do pesticida Durango.

Além disso, a empresa Bayer oficializou, no início deste ano, uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a Monsanto, o que tornaria o glifosato ainda mais generalizado. Embora a companhia tenha rejeitado a OPA, a empresa alemã acredita que essa recusa possa ser repensada.

Apesar do impacto adverso do glifosato sobre a saúde humana e o ambiente, o produto continua a ser usado em escala maciça.

monsanto-toxic-sea

De que forma o glifosato destrói o sistema imunitário

Mas como é que o glifosato mata as plantas e, por sua vez, as pessoas? O glifosato mata as plantas, impedindo-as de absorver nutrientes essenciais tais como, cálcio, zinco, magnésio e mais. Em particular, o glifosato afecta a via do chiquimato, uma via metabólica em plantas que lhes permite produzir aminoácidos essenciais e proteínas. Sempre que o caminho é bloqueado, a planta é incapaz de sobreviver.

Mesmo que os animais e os seres humanos não tenham uma via do chiquimato, as bactérias presentes no intestino humano têm, e somos dependentes delas para manter a boa saúde. Sempre que o glifosato entra no corpo humano, destrói as bactérias no intestino, o que, por sua vez, danifica o nosso sistema imunitário.

Além disso, o glifosato espelha a estrutura da glicina, o menor dos 20 aminoácidos normalmente encontrados em proteínas. Consequentemente, o corpo humano pode ser “enganado” ao receber glifosato como um substituto para a glicina.

”Fingindo ser o aminoácido glicina, o glifosato pode atravessar a barreira sangue-cérebro e começar a interferir na química do cérebro. Pode duplicar as proteínas e levá-las a um comportamento estranho, a realizar tarefas não intencionais com os potenciais efeitos negativos para nós. Além disso, pode e entra na medula óssea e começa a produzir células T e células auxiliares com este produto químico rebelde instalado no lugar da glicina. Pode, ainda, entrar no nosso DNA e RNA e ser responsável pela produção de transgénicos mutantes potencialmente perigosos para os nossos descendentes.”

E uma vez presente na nossa biologia, não há nenhuma maneira eficaz de o sistema imunológico, ou o homem, se livrar dele e substituí-lo, molécula por molécula, pela glicina original.

A associação com o autismo

O glifosato também afecta a produção de sangue, interferindo no heme, um composto que contém ferro responsável pela parte não proteica da hemoglobina.

Como o artigo Monsanto – Autismo – A ligação parasita explica:

”Embora se acredite que o heme seja sintetizado em todas as células do corpo, a sua localização primária de síntese é o fígado e a medula óssea. Curiosamente, um local privilegiado onde o glifosato é conhecido por se acumular dentro do corpo é na medula óssea.

Devido à semelhança, em termos de estrutura molecular, entre o glifosato e o aminoácido glicina, uma molécula necessária como um substrato para a produção do heme, é muito plausível que o glifosato possa prejudicar directamente a síntese do heme, e, por conseguinte, a criação de uma cascata de problemas que resultam em níveis sub-óptimos de heme.”

Para agravar a situação, a Monsanto estava ciente dos problemas de saúde associados ao glifosato. Em 2015, Anthony Samsel e Stephanie Seneff reviram 15.000 páginas de documentos científicos sobre a investigação do glifosato da Monsanto.

Concluíram que a afirmação da Monsanto de que o glifosato era seguro era mentira. A empresa de biotecnologia sabia que o glifosato foi responsável por casos de falência de órgãos e casos de cancro, mas ocultaram os dados para evitar prejuízos.

Embora seja praticamente impossível evitar o glifosato, é possível reduzir o grau de exposição. Certifique-se de que opta por alimentos orgânicos e evite o uso de herbicidas Roundup.

Fontes:
– Glyphosate News: How Glyphosate Kills Plants – And Your Immune System
– Waking Times: Houston, We Have a Glyphosate Problem
– Nature: Widely used herbicide linked to cancer
– Science Natural News: immune-system

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -