Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Impasse político e violência nas ruas continua no Paraguai

Abdo nomeará novos ministros na segunda-feira, oposição e manifestações querem renúncia e repressão violenta continua.

O Departamento Jurídico da Presidência do Paraguai informou que nesta segunda-feira (8), as novas nomeações de ministros serão homologadas em portarias. As mudanças no gabinete buscam apaziguar as intenções de diversos setores, principalmente do Cartismo, de impugnar Mário Abdo.

Em mensagem gravada, o presidente informou que os ministros da Educação Eduardo Petta, o Chefe da Casa Civil Juan Ernesto Villamayor e a Ministra da Mulher Nilda Romero foram afastados de seus cargos.

As mudanças de gabinete respondem à crise política que atravessa o Governo, gerada a partir do colapso do sistema de saúde. A escassez de medicamentos, a falta de leitos terapêuticos, os custos altíssimos para os familiares de pacientes com Covid-19 e uma má gestão na compra de vacinas levaram à demissão do ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, na última sexta-feira.

Desde sexta-feira, muitos manifestantes protestam contra o governo com o slogan “Que se vão todos”. Por sua vez, vários setores da oposição já apoiaram um eventual impeachment de Abdo e do vice-Presidente da República, Hugo Velázquez.

O impeachment novamente dependerá em grande parte do movimento Honor Colorado, liderado pelo ex-presidente Horacio Cartes.

 

Mudanças insuficientes

Os paraguaios protestaram contra a classe política, em especial o presidente Mario Abdo Benítez, em outra manifestação massiva no centro da capital, Assunção. Milhares de cidadãos convocados novamente se reuniram ontem nas proximidades do Congresso Nacional e da Associação Nacional Republicana (ANR), exigindo o fim da corrupção e da má gestão governamental.Os manifestantes não se conformaram com as declarações mornas do presidente Mario Abdo Benítez. Solicitaram “que todos saiam”, questionando a grave crise sanitária, social e econômica em meio à pandemia.

A manifestação, que é uma tendência nas redes sociais sob as hashtag #EstoyParaElMarzo2021 e #QueSeVayanTodos, observou o desgosto dos cidadãos com a incapacidade do governo de resolver problemas como a falta de medicamentos nos hospitais, colapso da saúde e corrupção.

Gritando “Fuera Marito”, milhares de pessoas marcharam para expressar sua indignação com os escândalos de corrupção do governo Abdo. Slogans como “Unidos contra a corrupção”, “Fora com todos os corruptos”, foram lidos nos cartazes dos manifestantes. Também foi possível ler a demanda de saída da Procuradora Geral do Estado, Sandra Quiñónez, a quem acusam de encobertar corrupção do chefe do Ministério Público.

O principal motivo das manifestações foi a reclamação generalizada sobre a falta de medicamentos que obriga os familiares dos pacientes de Covid a venderem tudo o que podem para evitar que morram da doença.

Abdo foi criticado por não fazer um pronunciamento ao vivo e pela falta de comoção com o desespero da população. Sua reação foi considerada tardia.

Oposição exige nova eleição

Alguns líderes da oposição, incluindo liberais, febreristas, luguistas e pemasistas concordaram em exigir a saída do presidente da República, Mario Abdo Benítez, e de seu vice-presidente Hugo Velázquez do governo.A intenção é que uma nova convocação possa ser feita para nova eleição ao Executivo, o que é justamente uma demanda da população mobilizada.

A oposição critica o autoritarismo no governo durante a pandemia e também contra as manifestações. A crise crônica de tráfico de drogas, violência urbana, corrução e crime organizado são motivos que acirram a crise política.

Após a reunião da mesa de presidentes dos partidos de oposição, na qual foi determinada essa posição.

O senador Fernando Lugo, do grupo Frente Guasu, pediu neste sábado a mobilização permanente e a adesão aos protestos contra a corrupção e a ineficiência governamental, após a manifestação de ontem. “Não concordamos com a mudança de pessoas, pedimos uma mudança na cara do país”, afirmou, após reunião com legisladores do acordo.

“Responsabilizamos a má gestão do presidente Mario Abdo Benítez pela crise sanitária, econômica e social que atravessa nosso país. Essa responsabilidade política também recai sobre o partido do governo e quem tem colaborado com esse projeto político”, diz o comunicado divulgado hoje. por meio do Partido da Participação Cidadã (PCC), integrante da Frente Guasú.

“Repudiamos a brutal repressão policial contra os manifestantes, exercida pelas forças policiais sob a liderança deste Governo. Exigimos a renúncia do Presidente da República, Mario Abdo Benítez, e do Vice-Presidente Hugo Velázquez. Caso não possam tomar esta decisão, apoiamos a realização de julgamentos políticos, com todas as garantias constitucionais, contra ambos os governantes, por mau desempenho nas suas funções que deram origem a esta crise política e social ”, continua o manifesto político.

“Chamamos a mobilização permanente em todo o país, para buscar as mudanças necessárias que melhorem a qualidade de vida dos paraguaios, sob a convicção de que é imperativo transformar o modelo econômico que exclui, gera miséria e não permite que o Estado possa proporcionar políticas públicas eficazes ”, acrescenta.

“Por fim, exigimos que as instituições e seus responsáveis ​​dêem respostas eficazes à grave crise sanitária, social, política e econômica e tomem as medidas necessárias para garantir o bem-estar da população. Exigimos vacinas, medicamentos e insumos! Chega de repressão contra o povo! Chega de governo incapaz e corrupto! ”, conclui.

No entanto, Patria Querida continua a insistir na sua proposta de apelo ao diálogo entre os três poderes do Estado, para que possam ser tomadas decisões e respostas concretas.

Nas últimas três semanas, a taxa de transmissibilidade da Covid-19 entrou em uma curva ascendente, sem nenhum sinal de que vai diminuir.

Cada semana epidemiológica (SE) supera a outra em número de infectados, taxa de positividade e número de internados, como revela a tabela acima.

Portanto, como nunca antes, o Paraguai está chegando ao auge da pandemia, sem nenhuma possibilidade de saber ainda qual será o pico da curva.

“São mais de 3.000 mortos e as pessoas continuam não cumprindo os protocolos. Estamos no pior momento, mas desta vez não haverá mais leitos esperando, ficaremos saturados ”, avisa a Dra. Yolanda González, diretora do Hospital Nacional de Itauguá (HNI), em entrevista ao jornal Ultima Hora.

“Em uma pandemia, você não pode ver quando o pior momento é porque você não sabe o que pode acontecer no futuro. Estamos sim, desde o início da pandemia, com o maior índice de transmissão e com hospitais em alerta com falta de suprimentos e provavelmente com várias cepas mutagênicas devido à importação do vírus brasileiro”, diz o infectologista Tomás Mateo Balmelli, referindo-se aos milhares de paraguaios que foram ao Brasil passar o verão.

“Hoje estamos em déjà vu, à espera do avião chinês – como foi em abril passado – e agora aguardamos os medicamentos e as vacinas. Ou seja, perdemos o timing”, questiona o especialista.


por Cezar Xavier  | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -