Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Janeiro 22, 2022

Infinito

Filipa Vera Jardim
Mantém o blogue literário “Chez George Sand” onde escreve regularmente.

Poema de Filipa Vera Jardim

Infinito

Não sei se quero tempo,
Se quero alma.
Se o meu passado me passa a cada dia,
Se o meu dia se passa com pouca,
Ou nenhuma calma.
Não sei se quero tempo e trovas de tempo,
E o momento amedrontado às costas.
No ventre o lastro desmedido e perdido dos dias,
E o que resta do nada,
E de mim.

Se morrer serei infinito
E o infinito não é senão,
O nunca mais, eu ter fim.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorIncógnito
Próximo artigoAs cores da pobreza
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -