Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Madrid recebe 300 casas de bancos resgatados para famílias em risco de exclusão

Despejos em EspanhaA Sociedad de Gestión de Activos procedentes de la Reestructuración Bancaria (Sareb), sociedade que gere os activos dos bancos resgatados pelo Estado espanhol, firmou um acordo com o Ayuntamiento (câmara municipal) de Madrid para a transferência de 300 habitações, que vão ser as novas casas de famílias madrilenas em perigo de exclusão social.

O acordo, formalizado pelo presidente da Sareb, também apelidado de «Banco Mau» em Espanha, Jaime Echegoyen, e pela conselheira delegada da Empresa Municipal de la Vivienda, Maria Serrano, será hoje assinado em Madrid.

 

Alcaide de Madrid tem tomado medidas para evitar os despejos

 

A alcaide de Madrid, Manuela Carmena, sempre defendeu a importância de tomar medidas que solucionem o problema do acesso à habitação. Este protocolo surge na sequência de outras iniciativas tomadas neste sentido, como o Departamento de Intermediação Hipotecária ou os acordos com as instituições financeiras para parar os despejos.

Com contrapartida pelas 300 habitações cedidas, a edilidade madrilena pagará ao «Banco Mau» 75 euros mensais por cada habitação ocupada e 125 por cada imóvel vazio. O Ayuntamiento e a Sareb ficarão responsáveis por 50 por cento dos custos das casas. A primeira pagará o imposto correspondente ao IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), enquanto a segunda vai custear o pagamento das respectivas quotas dos condomínios.

As famílias que receberão as casas vão formalizar um acordo, ao abrigo do qual o preço das rendas nunca será superior a 30 por cento do rendimento do agregado familiar. O acesso às habitações será intermediado pelos serviços sociais da capital espanhola.

 

Bancos penalizados em Espanha por manterem casas vazias

 

A alcaide de Barcelona, Ada Colau, já havia firmado, em Dezembro passado, um acordo com o «Banco Mau», para a cedência de 200 casas para famílias necessitadas da «cidade condal», 50 das quais foram entregues de imediato, na sequência das sanções aplicadas pela autarquia às entidades bancárias que mantinham casas vazias.

Refira-se que a Sareb é uma sociedade anónima de gestão de activos transferidos dos quatro bancos espanhóis nacionalizados (BFA – Bankia, Catalunya Banc, NCG Banco – Banco Gallego e Banco de Valência) e das entidades bancárias em processo de reestruturação (Banco Mare Nostrum, CEISS, Caja3 e Liberbank). A Sareb, mais conhecida em Espanha como «Banco Mau», é participada em 55 por cento por capital privado e em 45 por cento por dinheiros públicos.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -