Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Junho 24, 2024

Não se cutuca onça com vara curta impunemente

Christiane Brito, em São Paulo
Christiane Brito, em São Paulo
Jornalista, escritora e eterna militante pelos direitos humanos; criou a “Biografia do Idoso” contra o ageísmo.  É adepta do Hip-Hop (Rap) como legítima e uma das mais belas expressões culturais da resistência dos povos.

Mais do que nunca é preciso enfrentar o golpe nas ruas!

Brasília, Maíra Streit
Foto: Brasília, Maíra Streit

A tática de sair às ruas em massa e em paz abalou o inimigo. Os 1,35 milhão de manifestantes em todo o Brasil e cerca de 500 mil pessoas na manifestação da avenida Paulista, dia 18, ouvindo Lula como um líder que seguirão às últimas consequências na tentativa de resguardar a democracia no país, ameaçou o golpe institucional que, para muitos, já está em andamento. Gerou reações sucessivas e imediatas da oposição, em todos os seus flancos.

Começando pela imprensa, a Folha de S. Paulo deu em manchete de primeira página: “Apoio a impeachment chega a 68%, mostra Datafolha”.

O mesmo instituto diz que a reprovação ao governo Dilma retorna ao seu patamar recorde: 69% avaliam sua administração como ruim ou péssima. E divulgou agora à noite (19) uma pesquisa que, se estiver correta, mostra o risco do momento em que vivemos: 80% dos brasileiros apoiam a medida de condução coercitiva adotada contra Lula pelo juiz da Lava-Jato, Sergio Moro.

 

Rodrigo Vianna, do Escrevinhador, avalia

Não importa que seja ilegal, abusiva, não importa que signifique a utilização do aparato de Estado para intimidar uma (e apenas uma) das forças políticas em disputa. Contra o PT, vale-tudo, parece dizer a Lava-Jato, com apoio da Globo, e sob os aplausos de uma maioria entorpecida pelo clima de prende e arrebenta. A tradição justiceira do Brasil mostra as caras. A Constituição é jogada no lixo”.

onça 2Vianna mostra o risco dos que não se alinham à luta pela democracia por ódio ao PT: “Moro deixou de ser um juiz, e virou um projeto de ditador. Moro deixou de ser um juiz, e virou um baderneiro das leis.

Ao dizer isso, não protejo o PT, nem Lula, nem Dilma – em quem votei nas últimas eleições. Não.

Protejo meus adversários, protejo o futuro, protejo a democracia. Protejo meus filhos, e os filhos de meus adversários. Protejo até o Moro, ainda que não mereça.”

Para o jornalista Luís Nassif, no entanto, o instituto deixou de ser confiável: “A estimativa de público de 90 mil pessoas na Paulista ontem, pelo DataFolha, infelizmente destrói a reputação do instituto”. (Jornal GGN)

É fácil concordar com Nassif comparando-se as fotos do dia 13 (primeira à direita) e do dia 18 (noturna).

onça 3

Além de manipulação de números, os que articulam o golpe contra as instituições também fazem contas para menos no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff: o líder da Força Sindical, Paulinho da Força, prevê que até dia 5 ou 10 de abril a presidente Dilma Rousseff será deposta.

O discurso atribuído a ele está sendo distribuído através de grupos do WhatsApp.

Paulinho é réu no Supremo Tribunal Federal acusado de desviar dinheiro do BNDES.

onça 4

Na fala, ele diz que o impeachment é de Eduardo Cunha. Cunha, presidente da Câmara, que é réu na Operação Lava Jato.

Em viagens internacionais durante dois anos, Cunha, a mulher e a filha gastaram R$ 880 mil, provenientes de contas secretas na Suiça, segundo a Procuradoria Geral da República.

A presidente Dilma Rousseff, que Cunha e Paulinho prometem derrubar, não é acusada no âmbito da Operação Lava Jato.

Em sua fala, Paulinho da Força diz que está tratando de imprimir adesivos e botons pelo impeachment de Dilma e que “tem muita gente querendo financiar esse negócio”, sem identificar quem seja essa “muita gente”.

Enquanto Paulinho da Força e Cunha comem pastel, o senador José Serra, o Juiz Gilmar Mendes e Armínio Fraga, almoçam em um restaurante elegante. Sobre o que conversaram? Serra tem todo o estilo de ilustre senhor candidato, caso, entre as muitas soluções que estão sendo “pensadas” para o Brasil, opte-se pela eleição de novo presidente e vice.

O golpismo repete a fórmula do grande expoente do fascismo nacional, Carlos Lacerda: como não conseguiram derrotar Dilma nas urnas em 2014, tentaram impedir sua posse colocando em dúvida a votação eletrônica; uma vez empossada no cargo, tentaram evitar que assumisse, questionando as contas da campanha; e, uma vez assumindo o governo, sabotam o país e fazem de tudo para inviabilizar seu governo” (Jeferson Miola)

Forças mais agressivas também agiram neste dia 19, invadindo e depredando a sede do PT em Belo Horizonte (nesta madrugada, 19) e tirando do ar a página de Facebook do professor e filósofo Renato Janine Ribeiro (que tem mais de 35 mil seguidores na rede).

Por falar em redes, o tal ódio que domina a cena no Brasil vem majoritariamente dos que querem derrubar o regime a qualquer custo, o que é fácil de conferir no Twitter, para dar um exemplo, segue enquete sobre o dia 18.

onça 5

O sobe e desce de Lula ministro

O jurista Wálter Maierovitch avalia que a decisão liminar do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, contrária à posse de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil, “está maculada pelo vício da suspeição”. A decisão foi divulgada na noite desta sexta-feira (18).

Segundo Maierovitch, a suspeição se deve ao fato de Gilmar Mendes “ter antecipado o julgamento”: “Ele adiantou o que pensava da ida de Lula para o governo e não se pode dar um juízo de valor fora do devido processo”, apontou o jurista.

A decisão liminar de Mendes agora terá de ser analisada pela segunda turma do STF, à qual ele pertence, junto com os ministros Dias Toffoli, Celso de Mello, Carmen Lúcia e Teori Zavascki. Mendes será o relator natural da matéria.

Ainda não há uma data para que isso aconteça, mas, como se trata de matéria de cunho urgente, deverá ter prioridade na pauta do STF.

Fontes: Escrevinhador, Fórum, Carta Maior, Folha, UOL, Operamundi e agências
Nota: A autora escreve em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -