Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

Não te escrevo texto nenhum raios me partam aos textos!

Vítor Burity da Silva, Angola
Ph.D em Filosofia das Ciências Políticas. Pós Doutorando em (Educação e Psicologia). Doutor Honorário em Literatura e Filosofia. Professor Honorário de Filosofia da Educação. Professor Universitário. Investigador. Membro da Sociedade Portuguesa de Filosofia. Membro da Associação Portuguesa de Escritores. Escritor.

Não te vou escrever texto nenhum, vou apenas dizer-te que te amo como as palavras levadas não explicam, fica o sabor nos poros o suor da saudade volta amor.

Hoje a bruma sorve e desce do céu aquele silêncio que me contavas quando cantavas alegrias lembras-te?, hoje, a minha orla é a imensidão do todo, essa viagem pelos tempos que florescem doçuras sabes, amo-te!

Não te vou escrever texto nenhum, vou apenas dizer-te que te amo como as palavras levadas não explicam, fica o sabor nos poros o suor da saudade volta amor.

Um dia como o de hoje é um dia como o de ontem, sei que amanhã será na mesma o mesmo e tu a minha na mesma, esse recado é cântico como um hino de vitória naquele dia sei lá,

“the winner!”

senti o abraço do teu beijo num navio lá pelos lados do mussúlo fomos lá?, que importa amor, não fui nem me lembro mas estou e fico, a tua pele é a saudade dos meus ranjos e grunhos secos desta loucura só minha naquele abraço que seca e mata a fome do soldado no campo das florestas sozinho e só, nada mais com ele a não ser o verde seco do quente neste calor só nosso, vens hoje amor?

Não gostas de textos quando o dia é de beijos e abraços e açoites e saudades que saudades?, julho quente na Lisboa que te viu num choro de bebe lindo

“olá mamã, cheguei!”

num embrulho da maternidade lá dos fundos do tempo em que te esperei um dia ser este, hoje.

“não te escrevo texto nenhum raios me partam aos textos!”

Sabes, aprendi tanto como amar existe e foi contigo, um dia serei apenas o teu sonho no nosso leito e nós de novo bebés abraçados.

Obrigado por teres nascido para mim.

Dezanove de julho de mil novecentos e setenta e cinco, portugal, lisboa, europa, mundo, és da nossa angola amor.

 

Mensagem de felicitação à Dra. Sônia Barreto Burity da Silva


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorA camelô do Rio
Próximo artigoTolerância zero
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -