Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

Nazaré. Pessoas

José Alberto Pereira
José Alberto Pereira
Professor Universitário, Formador Consultor e Mestre em Gestão

Dizer que a Nazaré é um santuário é um lugar comum.

Dizer que a Nazaré é um santuário é um lugar comum. Mas quem lá for vê que é a realidade. Já lá conheci brasileiros (imensos), espanhóis (às carradas), catalães (nada de misturas), franceses, belgas, suíços, irlandeses, ingleses, escoceses (divinais), italianos, austríacos, polacos, suecos, dinamarqueses, russos (muitos, jovens e a adorar), chineses, japoneses, indianos, argentinos, americanos, havaianos, australianos e eu sei lá que mais. Na Nazaré junta-se um melting pot de nacionalidades e culturas, idades e estratos sociais. O objetivo é sempre o mesmo: ver as ondas, aquela maravilha da natureza, e os surfistas, aqueles mosquitos tontos. E celebrar. A vida, o sol, o mar, a natureza. Celebrar.

 

 

 

 

 

 

 

 


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorConte-nos sobre você!
Próximo artigoTroco todo o mundo!
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Caminhar

Boa pergunta

VER…

- Publicidade -