Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Nina Simone faria hoje 83 anos

nina
Cantora e pianista de jazz e blues morreu em 2003, vítima de cancro

Nina Simone é um nome maior da música negra norte-americana, do jazz, dos blues. Nina Simone (nome artístico de Eunice Wayman) nasceu em Tryon, nos EUA, a 21 de Fevereiro de 1933, pelo que, se fosse viva, festejaria hoje o seu 83º aniversário, mas morreu vítima de cancro a 21 de Abril de 2003.

ninasimone 1Cantora, pianista e compositora, Nina Simone teve uma vida dedicada à música, mas também à luta pelos direitos civis dos afro-americanos.

Inspirada pianista, compositora, e genial cantora cedo trilhou os caminhos musicais da música negra norte-americana com relevantes contributos no jazz e blues, mas também com abordagens a outros estilos como o gospel, o rhythm & blues, a folk e mesmo a pop.

O seu primeiro êxito discográfico surgiu em 1959, com a canção “I Love You, Porgy” a chegar ao 18º lugar do top dos EUA.

nina-simone-3Em 1968, uma das suas mais emblemáticas canções, “Ain’t Got No I Got Life” (ver vídeo), chegou à segunda posição do TopTen britânico, confirmando o reconhecimento do talento de Nina Simone nos dois lados do Atlântico.

Eunice Wayman escolheu o seu nome artístico de Nina Simone aos 20 anos, de forma a poder cantar os blues em bares de Nova Iorque, Filadélfia e Atlantic City sem que os seus pais soubessem. E ao mesmo tempo treinava para se tornar uma pianista clássica.

Mas por ser negra foi impedida de ingressar no Instituto Curtis de Música, em Filadélfia, apesar de já apresentar no seu currículo académico um curso de piano na conceituada e conservadora Juilliard School, de Nova Iorque.

Nesta América marcada pela segregação racial e pela luta dos negros pelos seus direitos civis, a jovem Nina cedo despertou para a luta anti-racismo.

Uma posição que lhe valeu ter sido convidada para cantar no funeral de Martin Luther King.

Tempos conturbados que levaram Nina Simone a desistir da carreira de pianista clássica, para optar pelo de cantora de jazz, blues e R&B. E em boa hora o fez, pois surgia assim uma das mais relevantes intérpretes da música popular. Cantando originais ou versões de temas famosos dos blues e R&B, Nina Simone foi coleccionando hits, com cancões como “Feeling Good”, “Don’t Let Me Be Misunderstood”, “Aint Got No – I Got Life”, “I Wisch I Knew How It Would Feel To Be Free”, “Here Comes The Sun” e “My Baby Just Cares For Me”.

nina 4Com uma carreira discográfica de sucesso, Nina Simone era, sobretudo, reconhecida como uma performer de excelência que nos seus concertos não se limitava a cantar os conhecidos hits, mas antes dava espectáculos de grande qualidade, abordando os vários estilos da música negra norte-americana de forma sempre apaixonada e militante.

Mas como não há bela sem senão, Nina Simone, que era medicada desde os anos 60 por distúrbios psicológicos, tinha também um feitio instável, capaz de reacções violentas e inesperadas – sobretudo quando envolveram armas de fogo.

Em 1985, disparou sobre um executivo de uma companhia discográfica, acusando-o de lhe roubar royalties. A artista disse mesmo depois deste acto que “tentei matá-lo, mas errei o alvo!”. E em 1995 disparou uma pistola pneumática, ferindo o filho de um vizinho, simplesmente porque os risos do miúdo impediam a sua concentração.

Nina, que escolheu o seu nome Simone em homenagem à actriz francesa Simone Signoret, sempre conheceu grande reconhecimento na Europa, sobretudo em França – país onde a artista estabeleceu a sua residência em 1993, na cidade de Aix-en-Provence.

Doente com cancro da mama durante vários anos, a grande cantora e pianista morreu durante o sono a 21 de Abril de 2003 em Carry-le-Rouet, no departamento de Bouches-du-Rhône.

Foi-se a mulher, ficou a excelência da sua obra para sempre…

https://www.youtube.com/watch?v=GUcXI2BIUOQ

 

Leia outros artigos de Américo Sarmento Mascarenhas

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -