Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 4, 2022

Ouço a minha voz

Poema inédito de Alice Coelho

Ouço a minha voz

No silêncio que a noite traz
Num suspiro que se acende
Na escuridão que me prende
Num sonho que me satisfaz
Ouço a minha voz
Trémula de lua e ávida de sol
Chuva e vento em descontrolo
Coberta com ponta dum lençol
Na pele molhada que desenrolo.
Ouço a minha voz
No búzio que segreda ao ouvido
As promessas e juras dissolvidas
No sopro de beijo vivo e atrevido
Nas palavras escritas e devolvidas.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorPorvir
Próximo artigoO amor o anjo e o cão
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

A impostora

Titãs cantam: “Comida”

UNITA desmente MPLA

Além Tejo (1)

- Publicidade -