Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Pedro e o Lobo, a mais famosa peça musical de Sergei Prokofiev

Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

Os ouvintes aprendem que a música pode contar sua própria história, uma vez que se compreende que os temas podem representar personagens que se repetem inicialmente até que você os conheça.

Sergei Sergeyevich Prokofiev está entre os grandes compositores do século XX. Ele nasceu há 130 anos, em 23 de abril de 1891, em Sontsovka, na Ucrânia, em uma família rural. A vida na aldeia, com suas canções camponesas, o marcou para toda vida. Sua mãe gostava de música e organizou viagens para a ópera em Moscou quando ele era criança. Os subsequentes dez anos de estudo de Prokofiev (1904-1914) no Conservatório de Petersburg, sob Rimsky-Korsakov, entre outros, foram uma época de grande crescimento artístico.

Quando o czar foi derrubado em 1917, Prokofiev entendeu que um novo amanhecer havia se rompido e escreveu uma grande quantidade de músicas novas. No verão de 1917, ele entrou para o Conselho dos Trabalhadores das Artes, uma organização significativa na luta artística de esquerda da Rússia. Preso por nove meses no Cáucaso devido à guerra civil, ele só pôde retornar a Petrogrado no início de 1918. Acreditando que a música não estava na vanguarda das atividades do Conselho, Prokofiev obteve a sanção oficial para empreender uma turnê de concertos no exterior.

Sergei Sergeyevich Prokofiev

A partir de 1918, ele começou a fazer turnês pelos EUA e Europa como pianista e maestro e permaneceu fora do país por mais tempo do que originalmente previsto, em grande parte devido ao bloqueio da URSS. Ele permaneceu nos EUA por quase dois anos e voltou para lá em várias ocasiões para fazer turnês de concertos. Na França, Prokofiev entrou em contato com os desenvolvimentos musicais de vanguarda, um interesse que ele tinha desde cedo. Ele já havia apresentado peças de Schönberg na Rússia. O talento musical de Prokofiev se desenvolveu rapidamente. Ele estudou as obras de Stravinsky, particularmente os primeiros balés, mas manteve uma atitude crítica em relação às inovações de seu compatriota, com o qual tinha uma relação pessoal tensa. A partir de 1922, Prokofiev passou mais de um ano e meio em Ettal, Baviera, antes de retornar a Paris. Na Alemanha, Prokofiev casou-se com a cantora espanhola Carolina Codina, que havia conhecido nos Estados Unidos e com quem teve dois filhos.

Sergei, Sviatoslav, Oleg e Lina Prokofiev em 1936

Prokofiev percorreu a URSS várias vezes no final dos anos 1920 e início dos anos 1930. Em 1936 ele finalmente retornou à sua terra natal com sua família, onde se tornou ativo no Sindicato dos Compositores. Tendo conhecido a escritora e tradutora Mira Mendelson em 1938, ele deixou Carolina em 1941 e se casou com Mira em 1948. Carolina Codina foi presa por ‘espionagem’ pouco depois disso, condenada a 20 anos em campos de trabalho e libertada em 1956. Yuri Andropov facilitou sua saída da União Soviética em 1974.

Prokofiev foi atraído pelo trabalho de poetas modernistas russos, pelas pinturas dos seguidores russos de Cézanne e Picasso, as idéias teatrais de Meyerhold. Em 1914, Prokofiev havia conhecido o grande empresário do balé Diaghilev, que se tornou seu mentor para a década e meia seguinte. Todas estas influências tiveram impacto sobre as composições de Prokofiev enquanto ele vivia no exterior. No entanto, Prokofiev não havia perdido o contato com a música de sua terra natal e seus laços com ela nunca haviam sido rompidos. Este retorno a casa resultou em sua composição em numerosas obras-primas.

 

Pedro e o Lobo

Um deles, o mais famoso de todos, é Pedro e o Lobo. Natalya Sats, então diretora do Teatro Musical para Crianças de Moscou, encomendou esta peça para apresentar às crianças alguns dos instrumentos da orquestra, e música clássica. Prokofiev tinha conhecido Sats enquanto levava seus filhos ao teatro dela em 1936. Prokofiev escreveu um rascunho para o piano em poucos dias, terminando a orquestração 9 dias depois, em 24 de abril. A peça foi apresentada com grande aclamação, com Sats narrando, no Palácio dos Pioneiros em Moscou. Prokofiev disse mais tarde: “Na Rússia hoje em dia, há uma grande ênfase na educação musical das crianças. Uma de minhas peças orquestrais (Peter and the Wolf, Pedro e o Lobo) foi uma experiência. As crianças têm uma impressão de vários instrumentos da orquestra só de ouvir a peça executada”.

O próprio Prokofiev escreveu a história, que é narrada por um orador. Primeiro, o narrador apresenta os personagens com seus motivos musicais. No decorrer da história, o narrador explica o que está acontecendo. Se você sabe qual instrumento pertence a qual animal, a música fala por si mesma.

Todas as pessoas e animais da história são tocados em diferentes instrumentos:

  • Pedro é representado por cordas (incluindo violinos, violas e violoncelos), som doce e claro. Seu som leve e alto o descreve como um menino alegre e extrovertido.
  • Os caçadores confiantes e vigorosos são tocados pelos timpanos e trombetas, com os timpanos e as batidas dos tambores de baixo a emitirem tiros de espingarda.
  • O pássaro se caracteriza pela flauta, pelo esvoaçar, pelo chilro alegre.
  • O som levemente nasal do oboé sugere o pato que toca a balançar, agitando.
  • O som suave e quente do clarineta evoca o gato aveludado, elegante e sorrateiro.
  • Nenhum instrumento é mais adequado para o avô lento do que o registro baixo, escuro e grosso do fagote.
  • O lobo é conjurado por três trompas, também chamadas de chifres franceses. Ele é perigoso e vive na floresta; o chifre francês com seu som grande e profundo sugere isso perfeitamente.

Pedro que vive com seu avô na beira de uma floresta, entende a língua do gato, do pássaro e do pato. Os animais são seus amigos. Um dia, o lobo emerge da floresta e devora o pato em um só gole. Pedro elabora um plano para capturar o lobo com a ajuda da ave.

Ouvimos falar do amor de Pedro pelos animais, das preocupações do avô, das aves discutindo se deveriam nadar ou voar, da perseguição mal sucedida do gato à ave, da chegada do lobo mau e, finalmente, de como a ave e Pedro pegam o lobo, e da procissão triunfal de todos ao zoológico.

A história começa pela manhã, calma e ensolarada, saltos ascendentes na melodia, as cordas de Pedro tocam uma melodia feliz, há saltos ascendentes, as flautas (pássaros) trill. Quando os pássaros discutem, o clima se torna mais alto e discordante, com um para frente e para trás entre os instrumentos. Quando o lobo aparece, persegue e captura o pato, o humor transmitido pela música torna-se alarmante, ameaçador, o ritmo torna-se mais rápido e o oboé (pato) sobe no passo com ansiedade, a discórdia termina em alarme alto. Após esta crise, Pedro e a ave tentam capturar o lobo com um laço. O humor se torna ansioso, uma sensação de respiração sendo mantida à medida que a música desce em tom de voz. Cordas macias fazem uma pausa antes que o latão bata alto. Quando o lobo é pego, ele é levado ao zoológico em uma procissão jubilosa com todos os envolvidos. O clima é alegre e ouvimos trills, arpejos rápidos em clarinete, cordas, flautas e há uma sensação de saltar feliz.

Este conto de fadas musical é um exemplo de realismo socialista. Ele apresenta um “grupo de heróis”, não um grupo individual. Pedro e o pássaro precisam um do outro para derrotar o lobo. É profundamente humanista: o adversário, o lobo, não é morto, mas posto de lado por ações perigosas e disponibilizado para fins educacionais. Há um final otimista em que o lobo mau é derrotado, mas também em que o pato parece ter sobrevivido no estômago do lobo. E tudo isso é expresso na música: A ideia do grupo herói enquanto o lobo é capturado, assim como nos tutti de todos os temas da procissão até o zoológico. E a sobrevivência do pato em soar um tema de pato muito mudo no final – da barriga do lobo, por assim dizer.

É de fato um final feliz, celebrando a amizade, a coragem e a cooperação na derrota do perigo e do mal.

Mesmo que as melodias assombrosas pareçam simples à primeira vista, elas não são. A história musical é vívida e belamente entrelaçada, em palavra e som, ação e gesto musical, incluindo muitas pinturas de tom magistral. Os ouvintes aprendem que a música pode contar sua própria história, uma vez que se compreende que os temas podem representar personagens que se repetem inicialmente até que você os conheça. Em seguida, eles se desenvolvem em variações. Eles podem interagir, podem lutar, podem harmonizar. Esta maravilhosa introdução à compreensão da música clássica não é didática e não é apenas para crianças. Ela é completamente memorável e agradável.

“Pedro e o Lobo” continua sendo a composição mais conhecida de Sergei Prokofiev até os dias de hoje.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -