Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Sopro de sal

Poema inédito de Alice Coelho

Sopro de sal

Salga-me a pele crestada
Com o sêmen dos beijos
Molhados na madrugada
No fogo dos teus desejos
E na mentira do teu olhar
No silêncio do teu querer
Na tua boca um despertar
Em teu peito o amanhecer
Se a saudade é o veneno
Que nos mata sem querer
Neste Mundo tão pequeno
Devagar eu aprendo a viver
Sopra-me um vento salgado
Vento suave duma mudança
Entre nossas bocas fatigado
E nossos corpos numa dança
Sopro de vento aragem de sal
Tempestade solta e vendaval


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorSomos
Próximo artigoO Cântico de Cybele
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -