Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Abril 20, 2024

Porque dizem que os filósofos acabam loucos?

Vitor Burity da Silva
Vitor Burity da Silva
Professor Doutor Catedrático, Ph.D em Filosofia das Ciências Políticas Pós-Doutorado em Filosofia, Sociologia e Literatura (UR) Pós-Doutorado em Ciências da Educação e Psicologia (PT) Investigador - Universidade de Évora Membro associação portuguesa de Filosofia Membro da associação portuguesa de Escritores

Uma delas é que os filósofos se dedicam a questionar e a criticar as ideias e as crenças dominantes em sua época, o que pode gerar conflitos, perseguições e incompreensões por parte da sociedade. Além disso, os filósofos buscam compreender a realidade em sua profundidade e em sua totalidade, o que pode exigir um esforço intelectual e emocional muito grande, às vezes além dos limites da razão humana. Esses fatores podem contribuir para o isolamento, o sofrimento e a angústia dos filósofos, que podem afetar sua saúde mental.

Outra possibilidade é que os filósofos já tenham uma predisposição ou uma vulnerabilidade para desenvolver algum tipo de transtorno mental, que pode ser desencadeado ou agravado pelo exercício da filosofia. Nesse caso, a filosofia não seria a causa, mas sim um sintoma ou uma expressão da loucura.

Nesse caso, a filosofia não seria a causa, mas sim um sintoma ou uma expressão da loucura.

Uma terceira possibilidade é que os filósofos não sejam mais loucos do que qualquer outra pessoa, mas que a sua loucura seja mais visível e mais comentada por causa da sua fama e da sua influência. A filosofia é uma atividade que desperta a curiosidade e o interesse de muitas pessoas, que podem ter uma imagem idealizada ou distorcida dos filósofos. Assim, qualquer comportamento ou pensamento fora do padrão pode ser interpretado como uma prova de genialidade ou de loucura, dependendo do ponto de vista.

Essas são apenas algumas hipóteses, que não esgotam o assunto. A relação entre filosofia e loucura é um tema fascinante, que pode ser explorado de diversas perspectivas e abordagens. Se você quiser saber mais sobre isso, eu recomendo que você leia alguns livros ou artigos que tratam do assunto, como por exemplo:

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -