Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

O porquinho Reboredo queria uma vida nova

José Carlos S. de Almeida
José Carlos S. de Almeida
Professor de Filosofia do ensino secundário. Licenciado em Filosofia e em Direito.

Reboredo

 

Até se podia dizer que era diferente da maioria dos porquinhos da sua idade.Desde muito novo que fazia perguntas à mãe porca sobre a sua origem. Queria saber donde vínhamos e por mais que mãe porca lhe dissesse que cada filho vem da sua mãe e cada mãe vem da sua mãe e que é assim e sempre assim, recuando cada vez mais, Reboredo não ficava contente com a resposta.

Reboredo sabia que isso levava-nos a um primeiro porco, um porco que teria começado tudo, um porco pai e mãe de todos os porcos do mundo. Aí, a mãe de Reboredo era levada a reconhecer que era incapaz de lhe responder e satisfazer a sua curiosidade sempre insatisfeita.

Mas seria curiosidade ou ambição, interrogava-se o pai de Reboredo, quando reparava no olhar e comportamento do filho.

Com efeito, havia outras questões que preocupavam o nosso herói e que o distinguiam dos demais. Reboredo olhava em seu redor e não se conformava com o que via: os seus irmãos chafurdavam na pocilga, disputando entre si as maminhas da mãe que, todos os dias, à hora certa, ficavam disponíveis para o pequeno-almoço dos porquinhos. Quem não as alcançasse ficava sem pequeno-almoço. Esta luta na lama acontecia todos os dias. E só a fome e o desejo muito forte de alcançar o alimento os levava a esquecer, por momentos, a compostura e cheiro imundo da pocilga. Não, não era este o futuro que Reboredo desejava para si.

E o pior aconteceu quando no espírito de Reboredo deflagraram interrogações sobre o futuro, sobre o seu futuro. Reboredo tinha visto imagens perturbantes numa enciclopédia juvenil. Eram imagens do interior duma charcutaria. Por detrás do balcão, o gorducho dono, careca, envergando uma bata branca, cofiava os seus longos bigodes com uma mão, enquanto a outra empunhava um chouriço; com um sorriso a toda a largura da sua redonda e vermelhusca cara anunciava a qualidade dos seus produtos.

Os seus, ou melhor, os do porco. E enumerava a longa lista do que ele apelidava de iguarias divinas: presunto, fiambre da perna, paio, salpicão, lombo fumado, mortadela com e sem azeitonas e por aí fora. Reboredo desconhecia aqueles produtos, mas estava horrorizado: algo lhe dizia que estava ali, em destaque, o seu destino!

Em vão Reboredo interrogou os seus pais sobre o real significado de tudo aquilo. Era assim o seu futuro, nada mais que o desfile de iguarias divinas, perguntava. Mas do outro não lhe surgiam respostas. Tudo aquilo causava-lhe uma enorme angústia. Angústia e revolta com aqueles enchidos apresentados como iguarias divinas! O que é que Deus tinha a ver com tudo aquilo? Seria que Deus não só concordava com tudo aquilo como apoiava e sancionava todo o fabrico de derivados de porco? Será que Deus também colaborava com o dono da charcutaria a fazer a montra do estabelecimento?

Ao mesmo tempo, Reboredo não compreendia os seus irmãos. Como era possível continuarem indiferentes a tudo? Como era possível continuarem sem preocupações?

Mesmo não passando de um pequeno porquinho, que também era, no meio, designado por leitão, Reboredo não se conformava com a sua situação; Reboredo era um ser insatisfeito, queria uma vida mais digna que a que lhe tinham dado. Por isso, podia-se dizer que Reboredo era um ser insatisfeito e revoltado. Era por isso que não respondia quando os seus irmãos o convidavam para brincar.

«Quem? Eu?… Eu, Reboredo, a brincar nessa imundície?… Vocês estão-me a ver nessas brincadeiras estúpidas e, ainda por cima, a ficar a cheirar pessimamente, a ficar mais porco do que era?» E abanava a cabeça, desinteressado.

O irmão mais velho, Rómulo de seu nome, tentava convencê-lo. «Olha lá, Reboredo, o que é que tem vires brincar connosco aqui na pocilga? Qual é o problema de ficares sujo e porco, se mesmo que venhas a ser, como todos, um grande porco não passas de um pequeno porco, dalguém que não passa de um porco?»

Reboredo erguia os seus olhos sonhadores em direção ao céu, como se o irmão não estivesse ali. E respondia-lhe de forma intrigante. «Eu não sou um porco como vocês… Eu estou destinado a outros voos…»

Rómulo não estava a perceber muito bem. Seria que tinha ouvido bem? «Tu queres voar? Queres ser um porco voador? Achas que as tuas grandes orelhas poderão alguma vez funcionar como se fossem asas dum avião?…»

Reboredo encarou o irmão. «Não percebeste mesmo nada! Pobre irmão… A tua vidinha na pocilga impede-te de ver mais longe e mais alto. É evidente que não pretendo ser voador ou piloto de aviões. Quando falo de outros voos, estou a falar dum destino diferente, dum futuro longe daqui. Eu não vou ser como vocês. Um dia, no futuro, perceberás melhor. Nessa altura invejarás a minha situação, oh, se invejarás!…» E despediu-se com uma gargalhada que deixou o irmão boquiaberto.

Os pais de Reboredo também não escondiam a sua preocupação com o seu filhote, mas não sabiam o que fazer. A única possibilidade era consultarem Sócrates, o mocho, de quem se dizia que era muito inteligente, sagaz e capaz de encontrar qualquer resposta para qualquer problema. Expuseram-lhe a situação.

«O nosso filho é um ser revoltado, percebes, mocho?»

«Claro que percebo. Por quem me tomam?… Há muitos assim. É bom querer ser diferente, mas não é isso que se passa com o vosso filho. Não admite ser como é, mas quer ser o que nunca poderá ser.»

Os pais de Reboredo trocaram olhares entre si. «E então?…», quiseram saber.

Sócrates, fechou os olhos e concentrou-se. Por fim, proferiu a sua sentença.

«Prevejo um fim trágico para o vosso filho. A sua ambição desmedida vai-lhe sair muito caro, quer dizer, muito barato…»

«Bem, vai-lhe sair caro ou barato?», perguntou a mãe porca.

«Vai-lhe sair barato. Mas caro…» E voltou a fechar os olhos, como que adormecendo profundamente. Era o sinal que a consulta tinha chegado ao fim. Os pais de Reboredo afastaram-se do mocho, desconsolados. Já lhe tinham dito que o mocho se pronunciava por enigmas, que só mais tarde é que revelavam o seu verdadeiro significado. Não valia a pena quererem uma resposta imediata.

Continuavam sem saber o que fazer. Na história da pocilga não havia nenhuma história semelhante. Todos os jovens porquinhos tinham aceite pacificamente a sua situação e o seu destino.

Quando chegaram a casa, ao fim do dia, os pais porcos ficaram alarmados. O porquinho Reboredo tinha saído logo de manhã e ainda não regressara! Será que lhe tinha acontecido alguma coisa?… Por onde é que ele andaria?… Já era tão tarde…

E mais preocupados ficaram quando descobriram que Reboredo tinha feito uma mala de roupa e pegado no mealheiro com as economias de todos os irmãos porquinhos. Remo, o irmão do meio, estava desconsolado, ao encontrar os cacos do mealheiro espalhados no chão. «O Reboredo levou todos os nossos trocos!… Não é justo, as moedas também nos pertenciam!…»

Os pais porcos não sabiam o que dizer. Já tinham percebido tudo ou quase tudo. Reboredo tinha ido embora. Deixara-lhes um papel, explicando isso mesmo.

«Queridos Pais e Irmãos: vou-me embora! Não suporto mais viver assim, na pocilga suja e mal-cheirosa. Quero outra vida, mesmo que isso signifique outra casa e outra gente à minha volta. Estou a pensar num futuro nas telenovelas ou na política. Talvez regresse um dia, a conduzir um Mercedes ou mesmo com motorista. Para já imagino-me a ser levado em ombros, a ser servido e aclamado..»

*

Uma das vantagens das histórias é que o leitor sabe sempre mais cedo que os personagens. Neste caso, vamos ficar a saber o que é que aconteceu a Reboredo, o que é que ele foi fazer durante o dia, enquanto os seus pais e irmãos choram a sua partida. Mal eles saberiam que nunca mais veriam o irmão. Mas isso só nós saberemos no fim da história e se aqui levantamos a pontinha do véu é apenas para acalmar a ansiedade dos leitores e atenuar o choque dos mais sensíveis. Adiante.

Pois, foi adiante, caminhando estrada fora e, precisamente mais adiante, que se deu o encontro que iria mudar a sua vida.

Reboredo ía seguindo a estrada. Não conhecia aquela estrada, mas sabia, pelo menos, que todas as estradas vão dar a Roma. Por ele, Roma estava bem. Sendo lá que ficava o Vaticano, podia até esclarecer essa coisa das iguarias divinas que não lhe saía da cabeça.

Com o pensamento fixo no seu objectivo, passo acelerado, Reboredo não perdia tempo a olhar para a paisagem. Aliás, até a achava um pouco monótona. Não fosse uma jovem e bela senhora colocar-se diante dele e Reboredo passaria indiferente à senhora. Mesmo o facto de envergar um vestido de seda azul claro até aos pés (teria pés?…), nem mesmo o facto de se desprender um estranho brilho do seu longo cabelo louro, nem o facto do seu brilho irradiar pequenos reflexos como se os dentes tivessem sido substituídos por diamantes (e não teriam?…), nada disso o teria feito parar. Mas, ao chocar com a senhora, não teve outro remédio senão parar e erguer a cabeça diante do imprevisto obstáculo.

Ficou hipnotizado com o que viu. O sorriso da senhora revelava que esta já estava habituada a provocar esse efeito estonteante nos outros. Era um sorriso confiante, próprio de quem sabia de antemão que conseguia alcançar tudo o que desejava (estaria à beira do primeiro fracasso?).

«Desculpe, não tinha reparado na sua presença…», balbuciou Reboredo, estranhando o facto de não ter conseguido falar sem gaguejar. Nunca lhe tinha acontecido.

«E agora, já reparou?», perguntou a jovem senhora, exibindo um prolongado sorriso. Reboredo tentou recompor-se. Afinal, o mundo para além da pocilga devia ser assim mesmo, habitado por seres belos e extraordinários. Começou a achar que aquele era um bom começo e que devia aproveitar aquela oportunidade. Armou uma resposta condizente com a situação.

«E era possível não reparar?»

«Não sei… foi o jovem que disse que não tinha reparado e que por isso pedia desculpa.» Continuou com o sorriso afivelado. Reboredo percebeu que além de muito bela era esperta. Beleza e inteligência era uma combinação explosiva, concluiu, mas era isso mesmo que procurava. Estava ali a chave para um novo mundo. Não podia desperdiçar a oportunidade que lhe era assim servida. A senhora continuou. «Eu até fiquei, como dizer, um pouco atingida pela sua indiferença.»

Reboredo sacou aquela janela de oportunidade. Tinha atingido a jovem senhora no seu amor próprio, talvez fosse a altura certa para se aproveitar da fragilidade momentânea daquele ser celestial que lhe calhara em sortes. Justificou-se. Apresentou-se. Ganhou terreno.

«Ora, sou apenas um jovem distraído. Ía metido nas minhas reflexões. Um porco também está habilitado para a metafísica…»

A jovem senhora soltou um pequeno grito. Um voluptuoso gritinho, que quase assustava o jovem Reboredo. «Oh!… Ah!… Temos um filósofo!» Parecia deliciada com a ideia. Reboredo não desarmou. Era um filão que fazia parte do seu repertório. Mas convinha ser modesto.

«Um filósofo?… Não! Digamos antes, uma alma inquieta, atormentada…» Reboredo apelava aos instintos maternais da senhora. De facto, nem se importava de ter tido uma mãe assim. Mas repeliu este pensamento. Ainda não tinha passado um dia que se afastara da família e já estava, em pensamento, a trocar de família!… De qualquer modo, no íntimo, era isso mesmo que pretendia.

«Uma alma atormentada? Ouvi bem?…»

«Ouviu bem, sim. Sou uma alma atormentada. Mas o meu nome é Reboredo.»

A senhora aproximou-se, agora que estavam quase apresentados. Com cautela, poisou a mão na cabeça de Reboredo. Este sentiu um arrepio pelo corpo todo. Tinha a certeza que os pelos do corpo se tinham eriçado, mas não tinha como comprovar isso. Do que tinha a certeza era que o seu coração batera descompassado. Estaria já apaixonado?

«Reboredo é um bonito nome. Um nome romântico.» (Novo arrepio; Reboredo não podia perder a cabeça; vamos torcer para que mantenha alguma compostura para que a coisa não lhe corra mal). Felizmente que Reboredo já não sabia o que dizer e a senhora continuou a falar. «Só não percebo é como um jovem já arrasta consigo uma alma atormentada… Será que poderei fazer alguma coisa?»

Neste momento, passou pela cabeça de Reboredo muitas imagens. Havia muito que a jovem senhora poderia fazer por Reboredo, de tal maneira que o nosso herói até estava com dúvidas sobre o que escolher. Afastou as ideias mais pecaminosas e optou por lhe contar o seu verdadeiro problema.

«O que se passa é que não me conformo com a minha situação de porco. Nem com a situação, nem com o presumível destino. Almejo para mim outra coisa…»

«Al… quê?…?», interrompeu a senhora, aparentemente confusa. (com… quê?…)

«Almejo!», esclareceu Reboredo. E retomou o discurso. «Não quero continuar na imunda pocilga, no meio da minha imunda família de porcos!»

A senhora voltou a sorrir. Reboredo devia confessar que não percebia como é que a sua história e aquela revelação sobre a sua imunda família poderia despertar aquele sorriso. Estaria a gozar com ele? A senhora adivinhou-lhe os pensamentos.

«Estás com sorte, Reboredo. Eu sou uma fada madrinha e posso realizar todos os teus sonhos…»

Reboredo nem queria acreditar no que tinha ouvido. Seria possível que aquela mulher deslumbrante, cativante, radiante e assim adiante, pudesse realizar todos os seus desejos?… Reboredo chegou a querer dar um pulo de alegria e beijar a senhora, mas pensou que era melhor refrear os seus gestos. Alguma sobriedade e contenção estavam de acordo com o futuro que desejava. De qualquer modo, era visível o seu contentamento. Recordou ainda os pobres dos seus irmãos a chafurdar na pocilga imunda… Como ele já se sentia tão longe dessa miséria… Como estava prestes a dar o salto, o salto para uma nova vida!…

«E o que é que eu devo fazer, jovem senhora e fada madrinha? O que é que posso ir adiantando?», perguntou o ansioso Reboredo.

A fada madrinha sorriu. Mantinha-se calma, como era próprio duma fada tão poderosa. «Ora, Reboredo, só terás que formular três desejos…»

Reboredo começou imediatamente a pensar nos três desejos. Tinha que os formular de maneira abrangente. Porém, para ele, era tudo muito claro. «O que eu desejo é viver numa casa a sério, entre gente a sério, que reconheça as minhas qualidades e, sobretudo, gostaria de ser servido e aclamado…»

A fada madrinha puxou duma varinha mágica e volteou-a no ar, descrevendo vários arcos, como se desenhasse no ar. Reboredo estava fascinado, pois sabia que as fadas realizavam os desejos com as suas varinhas. Tudo aquilo estava de acordo com o que sabia sobre fadas, sobre fadas boas, isto é, madrinhas.

«Fecha os olhos, Reboredo. Serás servido da melhor maneira e aclamado entre pessoas que gritarão por ti, recebendo-te na sua casa. Assim desejas, pois assim será!» Reboredo, ainda de olhos fechados, antevendo o seu novo futuro, ainda escutou as palavras mágicas da fada, palavras ditas numa língua desconhecida. E não ouviu mais nada. Era a sua entrada no futuro, num amanhã que cantaria, se fosse caso disso. Mas não era. Como veremos.

*

Era uma casa portuguesa, normalíssima. Os seus ocupantes preparavam-se para jantar. Porém, naquela noite tudo seria diferente.

E era por isso que se ouviram gritos de crianças festejando ruidosamente o início da refeição. Como não era hábito. As aclamações de contentamento dos dois irmãos não abafaram as exclamações de satisfação dos adultos. A mãe, à mesa, não escondeu também o seu espanto perante o que estava a acontecer.

Com efeito, o homem da casa, o chefe de família, acabara de entrar na sala erguendo uma enorme travessa fumegante. Pelo aroma que daí se libertava, já todos tinham adivinhado quem enchia a travessa. O seu ocupante, luzidio e estaladiço, vinha enfeitado com uma laranja na boca e ladeado de raminhos de salsa.

A mãe, trinchando a carne e distribuindo generosos nacos pela família, quis saber como é que tudo aquilo tinha sido possível. Numa época de aperto e permanente controlo das despesas, parecia que o marido tinha perdido a cabeça. Eles não tinham dinheiro para um manjar daqueles.

O pai, de garfo e faca em riste, antes de se atirar à vianda, forneceu as explicações devidas.

«Talvez não acreditem, mas quando vinha para casa, ao atravessar o parque, dei de caras com uma jovem e deslumbrante senhora, toda vestida de seda azul claro, de sorriso esplendoroso… Era uma imagem fascinante…»

« Uma jovem senhora?… No parque?…», inquiriu a esposa, desconfiada.

«Ela apresentou-se como sendo uma fada madrinha, pronta para satisfazer-me um desejo. Como estava cheio de fome, o que me ocorreu imediatamente, foi a imagem dum grande jantar à minha espera. E, de facto, a fada realizou o meu desejo!»

«A fada dos dentes?…», quis saber o filho mais novo.

O pai riu-se. «Não. Neste caso, quando muito, seria a fada dos leitões!»

E todos se riram, atirando-se a um Reboredo que, longe da vida de pocilga, realizara, finalmente, o seu objectivo de mudar de vida, instalado entre gente a sério, numa casa a sério, servido e aclamado. Como desejara e só um deus bom e atento pode concretizar.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -