Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Preservo no fundo de mim própria um calor tipicamente português

Carlos Fragateiro
Professor Universitário

Sylvie de Morais

Uma cidade que cruza mundos, onde o melhor da realidade americana e anglófona se encontra com as raízes europeias e francófonas a que tem de estar intimamente ligada para defender a sua identidade e a sua língua, com um espírito de pertença e não pertença que a torna disponível para uma abertura única a todo mundo e a todas as culturas.

Em Montréal está efectivamente todo o mundo, e todo o mundo em diálogo, e é essa vitalidade e efervescência que lhe permite produzir projectos como o do Cirque du Soleil, e ter criadores de referência como Robert Lepage ou Céline Dion. Uma cidade que tem como coração o bairro das artes ou dos espectáculos, estruturado de forma a suportar e exprimir uma vocação cultural própria e permitir um modo de vida convivial, equilibrado e atraente como só as artes podem conseguir.

Sylvie, também ela entre mundos, o canadiano/quebécois e o português, que melhor lugar poderia ter escolhido para nascer e afirmar-se como uma das fazedoras de futuros que pensamos que é.

“Sempre quis ser actriz”

Tornado: Quando é que começaste a pensar estudares teatro?

E fui vê-lo também porque ela se chamava de Vasconcelos e eu estava excitada pela ideia de admirar o trabalho de uma mulher de origem portuguesa que trabalhava e era reconhecida no Québec

Sylvie de Morais: Sinto que sempre quis ser actriz. Mas foi no secundário que ouvi falar das escolas de teatro, da dificuldade para lá entrar, dos muitos candidatos e dos poucos que conseguiam entrar. Deveria ter-me inscrito aos 16 anos, mas estava muito insegura. Era um mundo com que sonhava, mas de que só conhecia o grupo de que fazia parte e os quatro espectáculos profissionais a que assistia anualmente… Foi depois dos estudos em ciências puras, completamente esgotada por estar numa área que não me dizia nada, que dei o salto para uma escola de teatro. Tinha 20 anos.

Quais são as tuas figuras de referência ao nível do teatro?
A Companhia que marcou a minha iniciação no teatro foi a da Paula Vasconcelos: Pigeons International[1]. Descobri-a quando tinha 16 anos, e recordo esse encontro como se fosse hoje. Tinham em cena o espectáculo Cruising Paradise e fui vê-lo porque a crítica era muito boa e porque o espectáculo anterior, Savage Love, tinha tido referências excelentes e toda a gente falava dele. E fui vê-lo também porque ela se chamava de Vasconcelos e eu estava excitada pela ideia de admirar o trabalho de uma mulher de origem portuguesa que trabalhava e era reconhecida no Québec. Queria gostar dela e tê-la como modelo, o que acabou por acontecer ao longo de muitos anos.

Um dia Béland chegou com uma resma de livros nos braços e disse que íamos trabalhar o Desassossego de Fernando Pessoa. Nem imaginam como fiquei feliz…

Porque é que o teu exercício final na escola de teatro foi sobre ou a partir do Livro do Desassossego de Fernando Pessoa/Bernardo Soares?

No terceiro ano da escola tivemos a felicidade de ter Marc Béland, um actor fabuloso, como encenador. Era a sua primeira encenação e quando nos encontrámos toda a gente falou dos autores que gostavam de abordar, e o nome de Pessoa acabou por se perder no meio de nomes como Philipe Minhana ou Peter Handke. Um dia Béland chegou com uma resma de livros nos braços e disse que íamos trabalhar o Desassossego de Fernando Pessoa. Nem imaginam como fiquei feliz…

Carreira preenchida em teatro, televisão e cinema

Hoje trabalhas em teatro, televisão, cinema, tens uma carreira preenchida. Podemos dizer que és uma actriz de sucesso. Quais foram até agora os projectos que te deram maior prazer e o que vais fazer nos próximos tempos?

A expressão actriz de sucesso faz-me sempre franzir o sobrolho. Não me considero como tal, pois tenho períodos em que os projectos se encadeiam uns nos outros e períodos onde acontece exactamente o contrário, períodos duma inquietante tranquilidade. Penso que é o que acontece com a maior parte das actrizes.

Acabei há pouco as filmagens duma série de televisão que durou 7 anos, Yamaska, e que foi para mim o ponto de viragem na minha carreira. A actriz que era no início e a que sou hoje são completamente diferentes. A confiança que adquiri torna-me muito mais livre, mais instintiva, mais matizada. Yamaska foi, para mim, uma escola importante. No teatro Je voudrais me déposer la tête de Jonathan Harnois foi um projecto marcante. A encenação desse espectáculo foi de Claude Poissant, o homem que admiro mais no nosso meio, o maior director de actores que conheço. Tive a sorte de trabalhar três vezes com ele e foram três grandes momentos do meu percurso.

Quanto aos projectos futuros não sei nada. Tenho duas crianças com 1 e 2 anos, e com o meu marido, também actor, decidimos desacelerar para deixarmos lugar nas nossas vidas para o projecto familiar. Retomo tranquilamente o trabalho, vou a audições e tento a minha chance, De momento sinto-me seduzida por belos papéis sem, no entanto, me deixar apanhar. Ganho a minha vida fazendo publicidade e aproveito para seguir as digressões do meu companheiro e para consumir o máximo de cultura.

Portugal vs Canadá?

Se pudesses entrar ou realizar um projecto artístico entre Portugal e o Canadá, ou entre o Canadá e os diferentes países de Língua portuguesa, que tema escolherias?

Faria sem hesitação um projecto com Portugal. Sou fascinada pela ideia de saber o que teria podido ser se os meus pais não tivessem deixado Portugal no início dos anos 70. Não teria sido o que sou, bem entendido, mas o que teria podido ser? E esta língua portuguesa que amo, que quero ensinar aos meus filhos, mas que verdadeiramente não é a minha… São questões identitárias que me inquietam e me intrigam. E este questionamento em relação aos jovens da minha idade, meus primos/primas, que cresceram em Portugal e nunca manifestaram interesse em vir a este novo continente que agora é o meu, como se os laços afectivos fossem só num sentido…

Eu nasci em Montréal, a minha cidade, a minha ilha, e, contudo, sinto-me portuguesa. Esta identidade, esta procura de identidade, esta necessidade de pertencer a um povo sem ser nem daqui, nem de lá…

Como se ao deixar o Velho Mundo tivesse virado as costas a toda uma cultura. Eu nasci em Montréal, a minha cidade, a minha ilha, e, contudo, sinto-me portuguesa. Esta identidade, esta procura de identidade, esta necessidade de pertencer a um povo sem ser nem daqui, nem de lá… Eis o tema que aprofundaria se pudesse fazer um espectáculo em colaboração com Portugal.

Como é que a língua portuguesa e este modo tão especial de estar em português no mundo influencia ou influenciou a tua forma de ser?

É uma questão que me coloco todos os dias. O facto de ter raízes portuguesas e de crescer com a cultura portuguesa vivendo fora, noutro lugar, cria necessariamente uma abertura ao diferente, ao outro. Tenho facilidade, curiosidade e orgulho em ir ter com as pessoas que veem de fora. Em Montréal a diversidade cultural é enorme, é a beleza desta cidade, e os portugueses são conhecidos aqui pelo seu calor, o seu frango com piri piri e a facilidade para se integrarem. Eu penso que sou assim: uma pessoa que abraçou completamente a cultura quebécois, mas que preserva no fundo de si própria um calor tipicamente português.

[1] A companhia que produziu o espectáculo Boa Goa de que falámos no número anterior.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -