Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Outubro 25, 2021

Projeto neoliberal esmaga a indústria e o consumo

A informação de que o Brasil perdeu 17 fábricas por dia entre 2015 e 2018 diz muita coisa. Como resultado do projeto de poder que se instalou após o rompimento golpista com o resultado das eleições de 2014, bem demarcado temporalmente, esses números explicam a explosão do desemprego no período e indicam que a desindustrialização está na sua base estrutural.

Os primeiros sinais das causas desse resultado apareceram ainda no segundo governo Dilma Rousseff, quando a economia enfrentou um ciclo de desaceleração puxado pela queda na taxa de investimento. A presidenta estava sob ataque frontal da direita, que não aceitou o resultado das eleições, inclusive com a agenda da chamada “pauta bomba”, um conjunto de projetos com o declarado intuito de inviabilizar o seu governo.

Pesou também muito os fatores internacionais e os primeiros efeitos do desgaste das empresas nacionais de infraestrutura pela Operação Lava Jato, mas não se pode ignorar os erros na condução da política econômica.

A recessão iniciada no primeiro trimestre de 2015 se agravou com o conjunto de políticas de “austeridade” adotado pelo então ministro da Fazenda, Joaquim Levy. O programa do golpe consolidou essa tendência, radicalizada após a eleição da extrema direita em 2018. Toda essa trajetória foi guiada pelo manual do circuito financeiro, que prescreve a destruição das bases da economia nacional.

A consequência é o arrocho no consumo de massas e a queda da produção industrial, um efeito gerando outro; uma roda-viva que mergulhou o país na crise, sem perspectiva de recuperação. Ao esmagar o consumo, esse modelo econômico inibe o crescimento das forças produtivas e limita a divisão social do trabalho, o mecanismo detonador do desemprego em massa.

É preciso constatar que os consumidores não são apenas, nem principalmente, os que compram gêneros de primeira necessidade e bens de consumo, mas também, e sobretudo, os que compram matérias-primas e máquinas. Ou seja: além dos efeitos imediatos, essa política atravanca o futuro.

Uma política industrial e tecnológica firmemente instalada e um processo de distribuição de renda são a base para transformar muitas brasileiras e muitos brasileiros em cidadãs e cidadãos.

Essa é a questão: o Estado deve gerenciar a produção, não o circuito financeiro. Aqui está a essência de um projeto voltado para o sagrado direito de um país se desenvolver com soberania e democracia. No Brasil, a estrutura oligárquica, que ainda pesa sobre o país como um fardo insuportável, esmaga o consumo de massas, que funciona como estopim econômico de transformações sociais.

A síntese é regulação da economia pelo Estado e criação de um forte mercado interno. Regulação significa, em poucas palavras, retomar o planejamento, usar o Estado como elemento de coordenação e indução do processo de desenvolvimento. No Brasil já existem experiências suficientes para se saber que o livre funcionamento dos “mercados” não leva ao desenvolvimento.

Mais Estado na economia e mais mercado interno são variáveis proscritas do projeto neoliberal. O desafio histórico tem sido construir um conceito de soberania nacional costurando um projeto de desenvolvimento.

A questão nacional sempre esteve em pauta em boa parte dos séculos XX e XXI, e chegou a ser a base da plataforma política de alguns governos, mas nunca foi um valor cravado fundo no país. Exatamente pela predominância de projetos entreguistas e neocoloniais como o do governo Bolsonaro.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -