Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Quando o silêncio

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Poemas de Delmar Maia Gonçalves

I

Quando o silêncio
faz silêncio
vejo o silêncio
gritar no silêncio.

 

II

Há silêncio
do silêncio
nas entranhas
do meu silêncio.

 

III

Viver no exílio
atormenta-me
o coração
Oxalá meu Deus,
me devolvas
às planícies sagradas
do meu solo
pátrio.

 

IV

Todos conhecemos
a razão
do pranto e do grito
Mas estranhamente
recusamos
confrontar a lei do silêncio.

 

V

“Chuabo”

Em Quelimane
Abutres de mau agoiro
semearam tempestades de vazio
para que lá
apenas se colhessem
ventos de nada!

 


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorEnquanto isso milhares morrem…
Próximo artigoLevo….
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -