Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024

Quem é Isabel Monteiro, a empresária das “listas” e fonte do Jornal I?

João de Sousa
João de Sousa
Jornalista, Director do Jornal Tornado

A empresária endividada e, a avaliar pelos vídeos abaixo, pouco escrupulosa, da área dos Media, é o instrumento do PSD / CDS para lançar mais uma campanha de mentiras e difamação em tudo semelhante à que antecedeu as eleições que deram a primeira maioria a Passos Coelho. Já na campanha que lhe deu a primeira vitória eleitoral a direita não hesitou em sacrificar a reputação do País no exterior e tudo fazendo para afundar ainda mais a economia já depauperada pela crise internacional. Dessa feita o PSD / CDS recorreram a tudo quanto tinham à mão, pagando a pessoas deste tipo e inventando personagens nas redes sociais destinados a servir de “fonte” a jornalistas preguiçosos e ideologicamente orientados, tal como agora. Vejamos o Curriculum, que é cadastro, da senhora.

Trabalhadores da Dialectus exigem pagamento de salários e subsídios em atraso

O CENA – Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual – denunciou publicamente, numa acção de protesto em frente à sede da Dialectus, o não pagamento de salários e subsídios a dezenas de ex-trabalhadores.A empresa é conhecida pela produção de diversos programa televisivos como Toda a verdade”, “60 minutos”, “Masterchef”, “Kitchen Nightmares”, “No Reservations”, “Doctor Phill”, “Naruto”, entre outros.

A Dialectus teve como principal cliente o canal SIC em simultâneo com AXN, Lusomundo, MEO Kids, Canal Panda, BBC Brasil e Fox. A empresa chegou inclusivamente a ser inspecionada e sancionada pela Autoridade das Condições de Trabalho. Os ex-trabalhadores, vários deles com muitos anos de casa, recorreram inicialmente ao diálogo com a sócia-gerente da empresa, Isabel Monteiro, procurando chegar a acordos de pagamento que evitassem processos judiciais. Mas a Dialectus não cumpriu acordos, nem prestou quaisquer esclarecimentos ou satisfações aos ex-trabalhadores que não tiveram outra alternativa senão recorrer a tribunal.

Nenhum representante da empresa compareceu às convocatórias do Tribunal do Trabalho. Nesse seguimento, “ao tomar conhecimento da situação, e a pedido de vários sócios e não sócios do Sindicato, o CENA viu-se obrigado a realizar uma acção pública. Alguns ex-trabalhadores desta empresa, após terem rompido os contratos de trabalho, vieram a descobrir mais tarde, que ainda estavam a ser declarados pela empresa nas finanças e na segurança social, significando enormes benefícios fiscais para a figura do empregador.

A Dialectus teve a cargo traduções e dobragens de séries bem conhecidas do grande público. Teve como principal cliente o canal SIC em simultâneo com AXN, Lusomundo, MEO Kids, Canal Panda, BBC Brasil e Fox. A maioria destes ex-trabalhadores da Dialectus – tradutores, dobradores, técnicos de som, etc – encontra-se no desemprego e continua sem receber o que lhes é devido.

A empresa lucrou com o trabalho por eles efectuado, uma vez que chegaram a ser emitidos programas como “Toda a verdade”, “60 minutos”, “Masterchef”, “Kitchen Nightmares”, “No Reservations”, “Doctor Phill”, “Naruto”, entre outros.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -