Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Setembro 26, 2021

Retrato de uma experiência escolar durante mais de um ano de pandemia

Para entender melhor como o ano acadêmico de 2020-21 funcionou na Europa, no inverno passado foi lançado um estudo do Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia (JRC) em 5 países: Espanha, Dinamarca, Estônia, Hungria e Romênia.

por Fernando Trujillo Sáez, Jonatan Castaño Muñoz, Riina vuorikari e Romina Cachia, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Se perguntarmos a qualquer professor, aluno ou família, é fácil perceber o quão difícil e intensa foi a experiência escolar durante o último ano e meio. O fechamento de centros educacionais causado pela Covid-19 e as condições excepcionais em que o período 2020-21 foi realizado colocaram desafios fundamentais para os sistemas educacionais em todo o mundo.

Para entender melhor como o ano acadêmico de 2020-21 funcionou na Europa, no inverno passado foi lançado um estudo do Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia (JRC) em 5 países: Espanha, Dinamarca, Estônia, Hungria e Romênia.

No âmbito deste estudo qualitativo, foram entrevistadas autoridades educacionais, diretores de escolas, professores, famílias e ONGs envolvidas na área educacional. A premissa do estudo é que os processos de adaptação, mudança e inovação implementados ao longo deste curso não só respondem a uma situação excepcional, mas também podem permitir tirar lições para o futuro da educação.

Antes deste estudo, os investigadores educacionais já tinham analisado exaustivamente a resposta de emergência dada durante a primavera de 2020. A nível europeu, o JRC promoveu uma linha de investigação centrada na estimativa do possível impacto do encerramento de escolas na educação, incluindo variações por contexto socioeconómico e o país do corpo discente.

Tecnologias digitais, muitos passos atrás

Além disso, também foi realizada uma investigação para compreender em tempo real qual era a situação da educação a distância e da utilização das tecnologias digitais pelos alunos para aprendizagem, lazer e socialização e como as famílias administravam a educação a distância.

Mas saber como foi a resposta durante o fechamento das escolas na primavera de 2020 não foi suficiente. O novo curso 20-21 estava chegando e a resposta de emergência não poderia mais ser a norma. Todos nós conhecíamos melhor o inimigo e os países tiveram tempo para aprender com a experiência e planejar melhor o curso. Espanha também.

Os resultados do estudo espanhol derivam de entrevistas em profundidade com 34 participantes (6 mães ou pais, 9 membros de equipas de gestão, 4 alunos e 15 professores) e mostram-nos uma grande preocupação em como evitar perdas de aprendizagem garantindo as medidas de contenção do vírus.

Espanha, um caso excepcional

De facto, o caso espanhol é, no panorama internacional, bastante excepcional, e a análise da situação durante o ano lectivo 20-21 permite-nos aprender mais sobre como combater a pandemia e melhorar os nossos sistemas educativos em toda a Europa.

A excepcionalidade espanhola começa no final de agosto, quando as autoridades educacionais finalmente e por consenso tomaram a decisão de manter os centros educacionais abertos e de ensino presencial, pelo menos até o segundo ano do Ensino Médio Obrigatório.

Para tal, os centros tiveram que definir o seu protocolo Covid, que incluiu a coordenação destes com os centros de saúde, bem como diferentes medidas de segurança e higiene que afectaram o funcionamento em toda a escola (distância interpessoal, mobilidade interior, limpeza reforçada das instalações , medição de temperatura, protocolo de ação em caso de contágio, etc.).

Esses protocolos da Covid determinaram o desenvolvimento do ano letivo em cada centro educacional. Como conclusão geral, os centros parecem ter sido espaços seguros que não têm contribuído significativamente para a disseminação do vírus, ao mesmo tempo em que tem sido possível avançar com bastante normalidade no processo de ensino e aprendizagem.

Para isso, tem sido necessário um compromisso estrito dos professores, alunos e funcionários do centro com o protocolo, que hoje podemos afirmar que tem sido verdadeiramente exemplar.

O protocolo da Covid: vantagens e desvantagens

Por outro lado, o cumprimento do protocolo da Covid também gerou dificuldades e problemas. Em primeiro lugar, a distância interpessoal forçada e a mobilidade reduzida em sala de aula têm favorecido estratégias metodológicas mais focadas em palestras do que em estratégias inovadoras como a aprendizagem cooperativa ou a aprendizagem baseada em projetos, que este ano parecem ter ficado em espera.

No entanto, a divisão dos grupos de alunos e a presença de mais professores (graças ao chamado “corpo docente Covid”) têm permitido trabalhar com um rácio inferior. Por unanimidade, o corpo docente e os alunos participantes da pesquisa apontam que a proporção reduzida, bem como a adequação do currículo aos seus elementos mais centrais, dadas as circunstâncias de tempo e espaços disponíveis, têm permitido compensar alguns dos as dificuldades geradas pela pandemia e o protocolo Covid.

No entanto, os problemas estruturais anteriores à pandemia e a necessidade de os professores assistirem ao desdobramento da sala de aula fizeram com que aqueles que mais sofreram educacionalmente durante este ano letivo de 20-21 tenham sido precisamente aqueles que mais precisam de ajuda e apoio: os alunos em situação de vulnerabilidade e alunos com necessidades educacionais específicas.

Nesse sentido, é necessária uma avaliação aprofundada das estruturas e recursos para a atenção à diversidade na Espanha. O compromisso com a inclusão educacional e a equidade são essenciais para garantir também a qualidade do sistema educacional e, para isso, são necessárias ações alinhadas ao programa PROA +, bem valorizadas pelos participantes da pesquisa.

A menção separada requer a situação do terceiro ano do ESO. Nos centros que não contavam com vagas ou professores para atender os alunos mais velhos seguindo recomendações de saúde, as autoridades educacionais abriram a possibilidade de ensino não presencial. Por esse motivo, em muitos centros optou-se por um ensino semipresencial para esses alunos, com dias ou horários alternados, o que em muitos casos gerou situações de ensino presencial para um grupo de alunos em sala de aula e virtual para outro grupo de alunos. alunos que permaneceram em casa.

Críticas a alunos, professores e famílias

Em geral, professores e alunos e suas famílias são muito críticos dessa organização de ensino. Eles entendem que a alternância não tem funcionado satisfatoriamente e há queixas sobre as dificuldades dos alunos em manter suas rotinas e seu ritmo de trabalho, contribuindo para gerar ansiedade e dificuldades de aprendizagem entre os alunos dos últimos anos do Ensino Médio e do Bacharelado.

Por outro lado, tanto a experiência da “escola confinada” do ano letivo 19-20 e o desenvolvimento do ano letivo 20-21 contribuíram para aumentar a consciência sobre a importância da competência digital para toda a comunidade educacional. Além disso, serviram também para rever as infraestruturas tecnológicas de muitos centros e a utilização de plataformas virtuais de aprendizagem tem sido valorizada como complemento do ensino presencial.

De acordo com os dados da pesquisa, falta dar mais um passo com a tecnologia para que ela contribua, não só para o envio e recebimento de tarefas por meio de uma plataforma, mas também para um aprendizado mais significativo, profundo e memorável.

De qualquer forma, o ano letivo se encerra com a sensação de que valeu a pena o enorme esforço da comunidade educativa. Os centros educacionais têm sido seguros e se tornaram fiadores da igualdade e do direito à educação, apesar dos problemas e dificuldades estruturais.

Precisamente ter uma imagem tão clara dos problemas e dificuldades vividos pode permitir-nos, a poucas semanas do novo ano letivo, tentar empreender reformas e planos de ação para enfrentar estes desafios e melhorar o sistema educativo, tanto para garantir uma educação de qualidade a todos. os alunos estão preparados para a eventualidade de novas situações de crise que possam ocorrer no futuro.


por Fernando Trujillo Sáez, Jonatan Castaño Muñoz, Riina vuorikari e Romina Cachia |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Fernando Trujillo Sáez, Professor universitário na Faculdade de Educação, Economia e Tecnologia de Ceuta, Universidade de Granada
  • Jonatan Castaño Muñoz, Pesquisador da Unidade de Capital Humano e Emprego do Joint Research Centre, Comissão Europeia, Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia
  • Riina vuorikari, Bolsista de investigação, Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia
  • Romina Cachia, Pesquisadora científica, Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -