Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

Sahara Ocidental e Marrocos – negociações?

Isabel Lourenço
Isabel Lourenço
Observadora Internacional e colaboradora de porunsaharalibre.org

Em 1975, Marrocos invadiu o Sahara Ocidental e até hoje é o ocupante. Até 1991, foi travada uma guerra entre Marrocos e a Frente Polisario, que defendia o direito do povo saharaui ao seu país e à sua independência.

Em 1991, um acordo de cessar-fogo foi assinado sob os auspícios das Nações Unidas e da União Africana, com a promessa de realização de um referendo para a autodeterminação. 29 anos  passaram e Marrocos nunca cumpriu a sua parte do acordo, dificultando todos os esforços para implementar o referendo que sabe que perderia.

A população saharaui está sob ocupação nos territórios ocupados e exilada nos campos de refugiados e na diáspora, deixando um pequeno grupo nas áreas libertadas da RASD (República Árabe Saharaui Democrática).

A ONU e a comunidade internacional parecem incapazes  e não querem forçar  Marrocos a respeitar o que assinou, ignorando a situação de centenas de milhares de saharauis que sofrem terríveis violações dos direitos humanos nas mãos do ocupante ou vivem no meio de um inóspito deserto à mercê da ajuda humanitária.

Alguns europeus, ao ouvir sobre o conflito saharaui, perguntam se não há partido ou movimento político marroquino que possa defender a causa saharaui e que se manifestam contra esta ocupação ilegal e brutal. De facto, Marrocos é muito hábil ao transmitir uma imagem completamente falsa ao mundo exterior, que acredita que a democracia em Marrocos é uma realidade.

Para que essa imagem seja “credível”, Marrocos conta com o seu aliado de longa data, a França, mas também a Espanha, país que é a fonte do conflito saharaui, desde que se retirou de sua colónia (Sahara espanhol como era chamado na época) sem concluir o processo de descolonização. e entregando os civis saharauis para serem chacinados pelo ocupante marroquino.

O apoio não termina aqui, os EUA com uma abordagem diferente, sempre viabilizaram e apoiaram a ocupação com ajuda e aconselhamento militar. Marrocos não possui recursos naturais dignos de menção e depende dos recursos ilegalmente explorados nos territórios ocupados, mas o seu verdadeiro poder de negociação está nas alianças que possui com os países que têm interesses geopolíticos e que Marrocos está disposto a defender, como por exemplo, a ocupação da Palestina. Marrocos também é o aliado-cão da NATO e o “influencer” em África para os seus amigos ocidentais.

Subornos, chantagens e todos os tipos de “serviços” fornecidos por Marrocos, como a oferta de utilização de locais de operações negras e prisões para países terceiros, tornam-o o aliado perfeito para quem tem actividades ilegais. A ideia de que Marrocos representa a estabilidade da região do Magreb-Sahel não poderia estar mais longe da verdade. O apoio financeiro e logístico de muitas das “células terroristas” da região vem directamente de Marrocos, assim como a produção e o contrabando de drogas.

 

É possível ter uma negociação eficaz entre os saharauis e Marrocos?

Não parece ser possível. Ao nível institucional das Nações Unidas, a série sucessiva de enviados pessoais dos vários Secretário-Gerais não avançou nem um centímetro para encontrar uma solução.

Mas porquê é que as negociações são necessárias? Negociações sobre o que exactamente? As negociações ocorreram em 1991, quando o cessar-fogo foi assinado e as bases do acordo são claras.

O referendo foi aceito por ambas as partes; no entanto, Marrocos nunca realmente aceitou realizar o referendo e levou a situação a este nível a um impasse.

O que tem que ser negociado? Como se pode negociar com alguém que roubou a sua casa, violou e matou a sua mãe, esposa e filhas, e ainda vive dentro dessa mesma casa sem nenhuma acção legal contra ele e ainda por cima continua a abusar das pessoas que roubou, violou a seu belo prazer? Como pode haver negociações com um ocupante que mantém reféns dezenas de presos políticos, torturados e sequestrados, apesar das decisões dos mecanismos das Nações Unidas?

 

Qual é a lógica em tudo isto?

Ao longo dos anos, a desconfiança da população saharaui passou de desconfiança para total e completa descrença na Comunidade Internacional e nos seus mecanismos. Não é possível esperar que haja  confiança num sistema que o enganou repetidamente enquanto o criminoso recebe respeito, continua a ter posse do fruto dos seus roubos e fica impune, independentemente da acção psicopática que possa executa.

Assim, temos, por um lado, o apoio da Comunidade Internacional por meio de sua inacção e, por outro, o povo marroquino que também vive sob um regime de ferro.

O que esperamos que o povo saharaui faça? Esperamos que eles continuem a sofrer para que possamos escrever “textos inteligentes com muita terminologia inútil e sem valor”, lembrando a realpolitik e inserindo muitas expressões como “deveria, poderia, etc” sem nunca serem tomadas medidas concretas para advogar e implementar verdadeiramente o direito internacional?

Negociações? Para negociar, são necessárias  duas partes dispostas a fazê-lo, o que não é o caso.

Mas, como dito anteriormente, as negociações não são necessárias, pois a solução política já foi encontrada, mas infelizmente nunca foi implementada.

Em vídeos publicados recentemente no Facebook, o grupo saharaui “Equipe Media” lançou a pergunta: Pode o diálogo entre a sociedade civil de Marrocos e do Sahara Ocidental servir para resolver o conflito sobre a última colónia de África e estabelecer paz e estabilidade em toda a região?

Hamad Hammad, vice-presidente da CODAPSO e o blogueiro Moulay Lehssan Duihi deram a sua opinião sobre esse assunto, deixando claro que eles não vêem essa possibilidade devido ao controle total da monarquia marroquina e do Mahzen (o estado profundo ou estado sombra) sobre a questão: a população marroquina e os movimentos políticos. A ausência de uma verdadeira democracia, a falta de direitos fundamentais nunca permitirão um diálogo.

 

 

Primeiro, têm que entender que Marrocos é um país do terceiro mundo. Uma ditadura feudal, onde não há sequer o mínimo de uma democracia em que possa haver um diálogo com os partidos políticos marroquinos sobre esse assunto ou negociação com o povo saharaui

Digo isto muito claramente

Não é possível negociar nem dialogar com a ditadura feudal marroquina

Por ser um país que não tem e não respeita os direitos fundamentais, os direitos humanos.

Não existem direitos nos territórios ocupados que poderiam permitir, pelo menos, encontrar uma forma de negociar com Marrocos sobre a situação atual nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

Marrocos é uma força de invasão que ocupou o território, o que significa que violou claramente o Direito Internacional e pisou. Portanto, a única solução é a sua retirada total e absoluta.

Can dialogue end Moroccan illegal occupation and ensure the right to self-determination?

Could dialogue between civil society in both Morocco and Western Sahara served to resolve the conflict over Africa’s last colony and establish peace and stability in the whole region?

Hamad Hammad, Saharawi independence activist co-founder of CODAPSO

Saharawi Committee to defend the right of Self-determination has a point here.

Publicado por ‎Equipe Media الفريق الإعلامي الصحراوي emsahara.com‎ em Terça-feira, 21 de julho de 2020

 

 

 

 

 

Como blogger saharaui, penso que parece não haver paz à vista entre o povo saharaui e Marrocos,

porque o ocupante marroquino está a paralizar há muito tempo para ganhar algum tempo, enquanto que a Comunidade Internacional não se importa.

Os saharauis não vêem luz no fim do túnel.

O povo saharaui realmente não aposta no povo marroquino, porque é um povo de vontade fraca e não tem capacidade de mudança, porque a Monarquia controla tudo. A França e a Espanha controlam a questão. Ambos estão a obstaculizar para servir os seus próprios interesses. Infelizmente, a Comunidade Internacional e o Conselho de Segurança da ONU corroem a confiança no sistema e é isso que Marrocos quer.

O povo saharaui está a apostar apenas na sua força de vontade. Os saharauis não excluem que a grande maioria dos saharauis quer voltar à luta para acabar com a ocupação e obter independência.

Na verdade, partidos políticos marroquinos, figuras políticas têm atitudes avançadas, particularmente em relação à autodeterminação, mas não podemos confiar neles porque são uma minoria e as suas vozes não são ouvidas em Marrocos. El Mahzen (o estado profundo, estado sobra)  domina a opinião política e o futuro dos marroquinos.

Can dialogue end Moroccan illegal occupation and ensure the right to self-determination?

Could dialogue between civil society in both Morocco and Western Sahara served to resolve the conflict over Africa’s last colony and establish peace and stability in the whole region?

Moulay Lehssan Duihi , Sahrawi blogger has a point here…..

Publicado por ‎Equipe Media الفريق الإعلامي الصحراوي emsahara.com‎ em Terça-feira, 21 de julho de 2020

 



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -