Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Samuel Pimenta, Ascensão da Água

Yvette Centeno
Licenciou-se em Filologia Germânica, e e doutorou-se com uma tese sobre A alquimia no Fausto de Goethe. É desde 1983 Professora Catedrática da Universidade Nova de Lisboa, onde fundou o Gabinete de Estudos de Simbologia, actualmente integrado no Centro de Estudos do Imaginário Literário.

Ed. Labirinto, 2019

Tenho comigo há já algum tempo este livro de poesia que recebeu o prémio literário Cidade de Almada em 2020. Mas não é pelo prémio que o refiro aqui. É pelo gosto do autor, nascido em 1990, e pelo seu prazer de escrever poesia. Espero que tenha lido a carta de Rilke a um jovem poeta, em que se diz que se não for uma questão de sobrevivência não se escreva poesia. Para o poeta dos Anjos terríveis, terrível seria uma escrita forçada que ofenderia as almas mais sensíveis, se não as da terra, certamente as do céu. Samuel arrisca. E à medida que vou lendo, sendo o diálogo poético directo e simples, concluo que Rilke gostaria de ler, nestes novos tempos, estas outras vozes, onde não estão os Anjos que matam, mas o prazer de uma natureza que se ama.

No primeiro poema, FOZ, fala da condição dos rios, do gelo das montanhas, das florestas, da areia do tempo, cujos grãos o livro (ou a vida?) irão contar. E termina sem esconder um oculto desejo de sublimação, quase rilkeano sem o ser: ” Sou líquido com asas a crescer no horizonte”. Fundiu-se no mundo natural para adquirir uma nova consciência de ser. E sim, isto é poesia, num decurso que podia ser dos riachos que Ricardo Reis contempla, enquanto não fala de amor e nem se compromete.

No poema TRAVESSIA há de novo um eco evocador de um mítico passado, o de Orfeu, (de novo Rilke, que escreveu o belo poema Orfeu e Eurídice) que atravessou as trevas dos mortos para chegar ao Hades, com a evocação de Caronte, o eterno barqueiro. O poeta exclama quero ver, quero ver! Mas apela a quem o irá acompanhar, esse outro de si mesmo, e que ele sabe que reserva o mistério das viagens do ser.

Há nestes poemas uma presença subliminal arcaica, que nos faz pensar e ler de novo. Que mito, que arquétipo, que realidade de si mesmo, na busca de um eu oculto, ali poderemos encontrar? Como neste que transcrevo:

“Diante da porta
vislumbro o teu rosto
e a escuridão. Pedes-me os passos
do labirinto
e a vida do monstro.
Não tenho fio para voltar até ti.”

p.8.

O Minotauro, no labirinto? O fio de Ariadne, que salvaria? Ficamos com a imagem da porta, que continua fechada: para o amor ? Para a vida que se desejaria, tendo o fio do destino na mão? É bom que não se dê resposta. Porque no poema seguinte, dedicado à Maria João Cantinho, há uma conclusão importante, para os caminheiros da poesia centrada numa busca, embora não declarada do sentido do eu: ” Quem rasteja sobre a terra / não se curva na direcção das estrelas”.

É adiante, na página 10, que o mito oculto atrás se revela plenamente:

MINOTAURO

O monstro está aqui,
à minha frente
feito de medo e
abandono.

“É apenas um homem em sofrimento”.

Samuel tem já vasta obra, publicada e reconhecida, e o misticismo que parte destes seus poemas revela, ou oculta, ensina-nos o que Rilke pedia: que se escreva por necessidade profunda de um dizer que a vida, o sucesso, o quotidiano, enfim, não banalizou.

Em A FALA DAS BRUXAS,  p.38, que não vou colocar aqui, peço aos leitores que comprem e leiam o livro, o entendam por si próprios, foi com a palavra e os poemas, diz o poeta, que aprendeu a fala das bruxas. “E nunca mais vivi num mundo sem magia”. Antes já tinha aprendido os pormenores da vida: no Lar, nas sementes que só no calor podem crescer, como o desejo nas nascentes, em resumo, os detalhes da vida que se vive. Mas só  a magia da palavra, o ritmo que é o seu bater do coração, a imagem que fala o seu dizer (falar é fácil, dizer é outra coisa) lhe dão acesso à magia que vinha procurando pelo seu caminhar entre mitos e versos de uns e de outros. Escrevi há uns anos POEMAS COM ENDEREÇO. Revejo-me por vezes neste livro, na intenção da sua escrita.

Como na alquimia as palavras antigas que Samuel evoca são e serão sempre terra fogo ar água. Sou fogo e ar, exclama Cleópatra na peça de Shakespeare, pouco antes de morrer. Os elemento subtis, que se libertam do peso mais denso da terra e da água. Destes também o nosso poeta se foi devagar libertando. Fiquemos pois com a alquimia do seu verso, aqui oferecido.

 

Samuel Pimenta

Ascensão da Água

 

Ed. Labirinto

2019

 

 


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -