Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Agosto 5, 2021
- Publicidade -

Nome do autor

Yvette Centeno

Licenciou-se em Filologia Germânica, e e doutorou-se com uma tese sobre A alquimia no Fausto de Goethe. É desde 1983 Professora Catedrática da Universidade Nova de Lisboa, onde fundou o Gabinete de Estudos de Simbologia, actualmente integrado no Centro de Estudos do Imaginário Literário.
68 Artigos
0 COMENTÁRIOS

Isabel de Sá, A alegria da dúvida

Ed. Exclamação 2021 Quantas vezes darei comigo a dizer que gosto de livros elegantes, capas atraentes de edição cuidada, bom papel, boa letra...direi mil vezes...

Orfeu

Poema de Yvette Centeno Orfeu lendo Miguel Serras Pereira Cresceu nos campos da infância tinham no meio um jardim onde ele ia procurar fosse de noite ou de dia as flores...

Miguel Serras Pereira, 40 anos de poesia

Continuo a ter ao meu lado a obra de Miguel Serras Pereira, edição em branco, muito elegante, evocando as mais antigas da Ática, onde...

Conceitos e Práticas

Já neste jornal se discutiu um pouco o que se entende por Representação, por Estilo, partindo de um ou outro exemplo concreto, como no...

Murnau e o Expressionismo Alemão

A UFA, Universum Film Aktiengesellschaft, foi fundada na Alemanha em 1917, para prestigiar uma nação que se queria pioneira em muitos domínios e também...

Os Olhos da Vera Kace

Poema de Yvette Centeno Os Olhos da Vera Kace OS OLHOS DA VERA KACE O que viu ela nos olhos que tinham aquele olhar ? Viu a luz e...

Não há amores infinitos

Poema de Yvette Centeno Não há amores infinitos Não há amores infinitos todo o amor tem um fim por muito que tenha sido um grande amor desejado o amor no...

Boccioni

Há ali, no quadro do Luto, um rodopio circular, um tumulto que pode ser de vertigem de alma e que nesse exagero cumpre os novos ditames de uma...

Uma Cadeira

Poema de Yvette Centeno Uma Cadeira (para Caroline Tyssen) Eu já não peço muito: uma cadeira ao sol perto da Galileu uma bica na mesa dois dedos de conversa com a Caroline...

urbe sub rosa, de Paulo da Costa Domingos

Ed. frenesi, 2021. Paulo da Costa Domingos é um autor já de uma obra vasta, lida, conceituada, e reservada aos "nichos" (palavra que li recentemente...

Devastação, de Eduardo Pitta

Uma edição elegante, com ilustração na capa que anuncia que há sangue na narrativa, sangue com uma faca afiada pronta a dilacerar um corpo,...

Ilícito, de Paulo da Costa Domingos

Ed. Averno 2020. A poesia de Paulo da Costa Domingos não permite leituras apressadas, exige a demora, a lentidão de um pensamento que acompanhe...

Agora

Poema de Yvette Centeno Agora Brincadeiras e Frivolidades Dizia o pincel espesso de grossos pelos de marta para o pincel mais fininho posto no copo ao seu lado tu só desenhas...

Skin Deep, de António Carlos Cortez

Deste ano de 2021 recebo uma edição de 39 poemas de António Carlos Cortez  pequena e muito bonita, cabe na mão, cabe no bolso,...

Velhices

Poema de Yvette Centeno Velhices Como é possível dizer deste ou daquela que a sua velhice é boa é bela quando as rugas da vida se afundaram na pele agora cinzenta e...

Últimas notícias

- Publicidade -