Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Sem querer ir mais longe

José Sócrates
Antigo Primeiro Ministro.

Começa a ser insuportável assistir, sem reagir, aos ataques que o líder do PS faz à história do Partido Socialista e aos anteriores governos socialistas. Nesta semana, declarou em entrevista que “os portugueses têm má memória das maiorias absolutas, quer as do PSD quer a do PS ”.

Sim, não têm boa memória da maioria absoluta do PS, nem terão – pelo menos enquanto a direção do PS se mantiver apostada em desmerece-la, juntando-se, assim, ao discurso de  todos os outros partidos que têm óbvio interesse político em fazê-lo. Gostaria, no entanto, de recordar:

– que essa maioria absoluta foi a única que o PS obteve em democracia;
– que esse governo conseguiu, em dois anos, tirar o País do deficit excessivo em que se encontrava e, no mesmo período, alcançar o maior crescimento económico verificado nesses anos difíceis (2007);
– que esse governo fez das energias renováveis uma prioridade política;
– que esse governo fez o programa escola a tempo inteiro, as novas oportunidades e iniciou a requalificação das escolas secundárias;
– que esse governo fez o maior aumento da percentagem de investimento em ciência;
– que esse governo fez da balança tecnológica um saldo positivo;
– que esse governo fez uma reforma da segurança social, mantendo-a pública, forte e sustentável;
– que esse governo propôs e ganhou o referendo do aborto;
– que esse governo fez o complemento solidário de idosos, fez as unidades de cuidados continuados, fez as unidades de saúde familiar – e ainda teve tempo de concluir o tratado de Lisboa e ganhar as eleições de 2009, já no meio da maior crise económica mundial.

Eis o que instantaneamente recordo no momento em que escrevo, sob reserva de melhor balanço político.

Para dizer a verdade nunca pensei que as coisas chegassem a este ponto. Nunca me ocorreu vir a encontrar-me na desconfortável situação de ter que recordar a alguém que o governo que agora maldiz foi, afinal, um governo no qual participou. Também nunca imaginei que alguém pudesse conceber como estratégia para ter maioria absoluta, desacreditá-la enquanto solução política. No fundo, o que parece querer dizer é que todas elas são horríveis – com exceção daquela que ele próprio obterá e que se diferenciará das outras justamente por ter sido obtida escondendo essa ambição e até negando esse propósito. É talvez a isto que chamam estratégia.

Pondo de lado as questões pessoais, sinto a obrigação de dizer que, se nenhum apoio pedi à direção do PS, também nunca esperei que esta me atacasse de forma tão injusta, ensaiando, agora, ao que parece, um segundo andamento – a diabolização dos seus próprios governos. Se assim é, e não desejando ir mais longe, aqui fica a minha breve resposta. Devo isso a mim próprio, aos meus colegas nesse governo e ainda a todos os que, livre e conscientemente, deram ao Partido Socialista a primeira maioria absoluta da sua história política.

 

Ericeira, 30 de agosto de 2019


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -