Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Sempre respondes

Poema inédito de Alice Coelho

Sempre respondes

Sempre respondes aos meus poemas
Com as rimas mais duras e aguçadas
Deixaste rios de confusões e dilemas
Paixão avassaladora e olhar cansado
Corpos nus e olhares desencontrados
Presos na teia de dedos engordurados

Sempre respondes aos meus poemas
Colhidos entre madrugadas silenciosas
Plantados em noites presas por algemas
Bebidos em cálices de vidas temperadas
Enjaulados entre as páginas manuscritas
Cansados de palavras rebeldes inscritas

Sempre respondes aos meus poemas
Entre distâncias longas por entre brisa
Sem reticências separadas por temas
Sem negociar ou transferir numa briga

Sempre responses aos meus poemas
Com uma linguagem seca e camuflada
Equacionando todos aqueles problemas
Com a palavra não dita por si só acusada

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorBlues para Caetano
Próximo artigoNna Nna Nna
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -