Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Sentada

Poema inédito de Alice Coelho

Sentada

Olhos a escorrer seiva pela face
Embaciados pela tentação de ter
Rosto sulcado pelas rugas da vida
Suspiros trazidos pela ira do vento
E gritos de raiva infiltrados no tempo
Chuvas encharcadas pelas paixões
Entre voos de pássaros e borboletas
Esguichos de momentos e emoções
Sentada
Olho-te de soslaio na corrente do rio
Levando as loucuras e as lembranças
De uma voz agasalhada em peito frio
De mãos quentes, sentidas e cansadas
Impressas no corpo em reflexos de luz
Em magia e feitiços entre encruzilhadas
Sentada
Apago as memórias vadias e vagabundas
Arredo as estradas e contorno as rotundas

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -