Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Outubro 25, 2021

Sete poemas de Kátia Marchese

Uma poética que revela cenas, objetos e situações do cotidiano, captados por um olhar fotográfico que transforma o banal no nunca visto: assim poderíamos definir a escrita de Kátia Marchese.

Em sua lírica concisa, substantiva, recortada, ela nos apresenta à geografia e aos itinerários da Baixada Santista, a recordações da infância, aos tristes acontecimentos da realidade brasileira, com um duplo compromisso: o primeiro, com a rigorosa construção da linguagem, o segundo, com a sinceridade das palavras, que por vezes assumem uma dimensão visceral, como um grito guardado numa concha.

Poesia delicada, sutil, mas também incisiva e ferina, de uma autora que sabe fazer aquilo que quer com as palavras.

Golpe

A mulher cortou
a primavera.
Observo a aridez
do sol a pino.
Ela tem um doberman
acredita em transgênicos

 

 

Beira

A menina ruiva
com coração de coelho
tinha bolsos cheios de pedras
e um rio profundo a sua frente.
Não podia dançar
com demônios em suas costas.
-Por favor, diga meu nome e não haverá nenhum afogamento.

 

 

A morte da afilhada de Nossa Senhora Aparecida

Na lápide de cimento fresco,
com palito de fósforo, escrevi teu nome:
Odete Rodrigues Salgado
Na tua casa, no tanque,
a roupa aguardava desde ontem.
Silenciosa, lavei e torci as dores.
Tia, não lembro datas.
Teu nome, letreiro na memória,
ficou maior que o tempo.

 

 

Vestidos não choram no armário

A casa inflada de sons,
mulheres e palavras
motrizes dos desmoronamentos.

 

 

Cúmulos

Nunca mais
olhou para o Céu-
cemitério

Girou o eixo,
a Terra paira sobre sua cabeça,
o verde pende
e agarra as mãos.
Deixa o abismo aos pés.

 

 

Canal 7

Da janela avisto a barra
esquina Constantinopla.
Navios em trânsito
apitam seus mundos
dentro dos meus.

 

 

O incontornável

(o contrário)
Encosto o vazio à palma da mão
porque sofro por teu azul.

 


por Claudio Daniel, Poeta, tradutor e ensaísta, é formado em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, com mestrado e doutorado em Literatura Portuguesa pela USP, além de pós-doutor em Teoria Literária pela UFMG   | Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorReino do esquecimento
Próximo artigoUma metade de infinito
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -