Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Novembro 28, 2021

Sexismo e esporte: por que os uniformes são ruins para mulheres?

Os protestos por punições a equipes que usam roupas mais discretas se espalham pelos comitês olímpicos nacionais. A realidade feminista atual dificilmente vai permitir que as regras continuem as mesmas.

por Sarah Zipp e Sasha Sutherland, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Roupas de equipe e moda não deveriam ser um grande assunto nas Olimpíadas de 2020 em Tóquio. Mas os protestos contra uniformes reduzidos por duas equipes femininas nos meses anteriores aos jogos trouxeram biquínis e collant decotado para os holofotes. Agora, essas campanhas de alto perfil estão deixando os atletas olímpicos, fãs e aspirantes a jovens atletas se perguntando: por que as mulheres devem desnudar seus corpos enquanto os homens se cobrem?

Em abril, a equipe alemã de ginástica feminina trocou os tradicionais collants de corte alto com as pernas expostas por macacões até os tornozelos, protestando contra a “sexualização” de seus corpos. Essa dissidência teve como objetivo destacar e prevenir o abuso sexual no esporte, após casos recentes de grande repercussão nos Estados Unidos e no Reino Unido. Eles continuaram seu protesto nas Olimpíadas de Tóquio.

Em um movimento semelhante, a equipe feminina de handebol de praia da Noruega foi multada por desafiar as regras de uniformes no campeonato europeu em julho. Em Tóquio, eles também continuaram seu protesto usando shorts justos. A equipe afirmou que a parte de baixo do biquíni as deixava desconfortáveis, dificultava o controle da menstruação e afastava as jovens atletas do esporte. Para muitos, o último ponto é a chave para entender o impacto das políticas de uniformes sexistas.

As jogadoras da equipe norueguesa de handebol de praia se queixaram do biquíni usado como uniforme oficial, argumentando que ele restringia os movimentos das atletas, era desconfortável e as hiperssexualizava.

Em meio à polêmica, a cantora americana Pink se ofereceu inclusive para pagar a multa.

Regras de uniformes no esporte são projetadas para uma feminilidade ocidental idealizada. Esses padrões não conseguem entender que as meninas abandonam os esportes em vez de usar uniformes que mostram o corpo, negligenciam os diferentes tipos de cabelo e pele, ignoram as formas do corpo curvilíneo e musculoso e deliberadamente ignoram a realidade das menstruações. O que essas políticas sugerem é que se espera que os corpos das mulheres sejam perfeitamente magros, perfeitamente sem pelos, saudáveis ​​e sem períodos.

A corredora britânica Jessica Ennis-Hill escreveu um ensaio sincero sobre seu medo de se expor e como um “kit pequeno” pode traumatizar jovens atletas. De envergonhar o corpo à sexualização, sua experiência expõe as lutas invisíveis de meninas e mulheres no esporte e ecoa pesquisas sobre meninas no esporte.

Esquecido e malvestido

Essas campanhas rejeitam as normas sexistas predominantes nos esportes e objetam que os uniformes femininos sejam projetados para o “olhar masculino”, levando as mulheres a serem julgadas por seu apelo estético ao lado de seu talento atlético.

Sem dúvida, essas mulheres estão assumindo uma postura corajosa e louvável. Ainda assim, suas vozes têm uma influência que as mulheres negras e os defensores dos atletas em países não ocidentais costumam ser negados. Com muito menos alarde e atenção da mídia, eles têm feito lobby por mudanças no kit por décadas, geralmente em nome de atletas muçulmanos e / ou pessoas de cor.

Partida entre a egípcia Doaa Elghobashy e a alemã Kira Walkenhorst na Olimpíada de 2016 gerou mais comentários sobre as vestimentas das atletas do que sobre o jogo em si

No tênis de mesa, uma mudança nas regras para roupas esportivas de corpo inteiro e coberturas para a cabeça – ao contrário de shorts e camisetas que deixam braços e pernas descobertos – foi pressionada com sucesso para aumentar a participação de atletas muçulmanos. Essa vitória passou despercebida no ocidente, apesar do tênis de mesa ser um dos pilares das Olimpíadas. Campanhas lideradas por atletas muçulmanos levaram a mudanças semelhantes nas regras do basquete e do judô, onde as mulheres finalmente puderam usar coberturas para a cabeça e blusões de mangas compridas por baixo, conforme sua fé exigia.

Em contraste, a natação rejeitou propostas de adaptação de uniformes para atletas muçulmanos e negros, incluindo a proibição de “burkinis” e o uso de boné de natação “soul cap” projetado para cabelos negros naturais.

Atletas com deficiência também enfrentam padrões diferentes, o que ficou claro recentemente quando uma atleta paralímpica britânica foi criticada por um oficial que considerou seu traje muito “revelador”. Era a cueca padrão usada pela maioria das mulheres.

Quem faz as regras?

O esporte moderno foi projetado para e por homens brancos. Globalmente, os homens ainda estão fazendo a maioria das regras, incluindo aquelas que policiam os corpos de meninas e mulheres. Os regulamentos sobre uniformes variam de acordo com a federação internacional, razão pela qual a equipe norueguesa enfrentou multas, mas os alemães não.

Embora o Comitê Olímpico Internacional (COI) não controle diretamente as políticas de uniformes, ele defendeu regras mais justas em sua Revisão de Igualdade de Gênero de 2018 para “garantir que os uniformes de competição reflitam os requisitos técnicos do esporte e não tenham quaisquer diferenças injustificáveis”. Essa afirmação levanta a questão: qual é a razão justificável para exigir que as mulheres usem uniformes reduzidos enquanto os homens podem se cobrir?

O que isso significa para atletas e meninas com sonhos olímpicos? Além da sexualização geral de mulheres atletas, existem seis consequências identificáveis ​​que podem prejudicar meninas e mulheres no esporte:

  1. As meninas abandonam os esportes – as adolescentes se sentem muito desconfortáveis ​​por causa de uniformes pouco lisonjeiros / expostos.
  2. Constrangimento – câmeras podem detectar atletas expondo acidentalmente roupas íntimas, pelos do corpo e muito mais. Zombaria e vergonha do corpo nas redes sociais representam uma preocupação real.
  3. Pânico periódico – é comum o medo de vazar sangue menstrual ou expor produtos menstruais em roupas pequenas ou brancas.
  4. Exclusão de atletas de culturas não ocidentais – uniformes que mostram a pele tornam impossível para meninas e mulheres de comunidades islâmicas e religiosas competirem.
  5. Promoção do preconceito racial – padrões de uniformes costumam fazer suposições sobre tipos de corpo e cabelos construídos em torno de estereótipos físicos brancos.
  6. Batalhas pelos pelos do corpo – mulheres e meninas são pressionadas a depilar / depilar as linhas dos biquínis, pernas e qualquer tipo de cabelo corporal “não feminino” ou correr o risco de serem ridicularizadas e envergonhadas nas redes sociais.

Precisamos de mais mulheres na liderança

Essas políticas de uniformes colocam as mulheres sob pressão adicional para se conformarem aos ideais femininos ocidentais quando deveriam se concentrar em seu atletismo. Esse paradoxo constrangedor deixa pouco espaço para a agência entre os atletas para desafiar as concepções negativas tradicionais sobre a feminilidade muscular.

As federações internacionais precisam ajustar as regras técnicas para permitir que atletas escolham roupas que se adaptem ao seu desempenho, conforto pessoal e preferências culturais. Essas escolhas podem motivar as adolescentes a permanecer no esporte, apoiar atletas de cor e incentivar a participação de culturas mais conservadoras.

Recrutar mais mulheres de diversas origens para posições de liderança no esporte é um passo importante. As emissoras e os profissionais de marketing devem tomar nota – da mesma forma que os atletas se sentem desconfortáveis, muitas mulheres não gostam de assistir a esportes com jogadoras de biquíni objetificadas.

Gerações de atletas e ativistas têm lutado para fazer essas mudanças. Mais recentemente, o movimento ganhou força para se unir em várias culturas e esportes. As Olimpíadas devem ser um lugar de inclusão, intercâmbio cultural e igualdade. Vamos começar a vestir o papel.


por Sarah Zipp e Sasha Sutherland |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Sarah Zipp, Professora da Faculdade de Ciências da Saúde e Esporte, Universidade de Stirling
  • Sasha Sutherland, Professora de Gestão de Esportes e Eventos, Universidade das Índias Ocidentais, Barbados

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -