Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Te escrevo do escuro.

Beatriz Aquino
Formada em Publicidade e Propaganda. É escritora e atriz de teatro. Nascida no Brasil a viver em Portugal.

Poema inédito de Beatriz Aquino

Te escrevo do escuro.

Pois sei que minha memória de ti aos poucos se apaga.
Esse poema agora será então a noite dos nossos dias.
Amanhã seremos dois estranhos.
Mas hoje,
no familiar que ainda nos resta,
nesse pedaço de pele que ainda é tua,
deixe que eu te ame.
Que nos percamos na madrugada turva dos amantes em fuga.
Que nossos corpos se contorçam, se mordam, se beijem
e tirem de cada um deles a mordaça do sono.
Que gritem, que chorem, que cantem.
Para que neles não sobre nenhuma mentira.
Que queimem e que renasçam nas chamas inapagáveis do amor.
Para que amanhã sejam encontrados puros e mortos pelos bêbados
e pelos anjos do amanhecer.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorOs poemas nunca são fechados
Próximo artigoAquieto-me
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -