Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Setembro 25, 2022

Trump abre maior floresta tropical temperada do mundo para exploração

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Como os incêndios ardendo em toda a Amazónia, o presidente Trump teve a audácia de ordenar ao Serviço Florestal dos EUA que isentasse a Floresta Nacional Tongass da regra “sem estrada”.

Eu não consigo nem começar a entender o quão devastadoras são as consequências dessa acção. A Regra Sem Estrada protege os Tongass – e milhões de acres de terra do Sistema Florestal Nacional – da construção e extracção de madeira.

Os seus incontáveis (??) hectares de árvores com 800 anos de idade são uma peça crítica para resolver a crise climática. É o lar de espécies ameaçadas, como o lobo do arquipélago de Alexander e o falcão rainha Charlotte. E um maior desenvolvimento ameaçaria locais sagrados para os nativos do Alasca.

Além do Alasca, isso poderia criar um precedente para estados em todo o país, abrindo milhões de hectares de terras selvagens intocadas para o desenvolvimento. Agora, ainda podemos parar isso. A Senadora Maria Cantwell tem um projecto de lei para proibir isenções à regra das estradas, mantendo-a em pleno vigor para todas as nossas florestas nacionais.

Enquanto estamos focados em parar a destruição dos Tongass, também precisamos aprovar a lei da Sen. Cantwell para impedir que nossas outras terras naturais tenham o mesmo destino. O Tongass é um sumidouro de carbono essencial. Ele armazena mais carbono atmosférico do que qualquer outra floresta dos EUA. Cada árvore cortada remove um pedaço desse recurso inestimável que ajuda a retardar as mudanças climáticas.

Assim como precisamos que o Brasil proteja a floresta amazónica para ajudar a evitar a crise climática, precisamos proteger nossa própria floresta tropical no Alasca pela mesma razão. Se Trump e seus aliados tiverem sucesso no Alasca, isso não será o fim. O objectivo deles é abrir o máximo possível de nossas terras públicas para corte e mineração.

E deixaram claro que vão ignorar tudo o que o público deseja: no outono passado, os activistas das Primeiras Nações do Alasca, pescadores comerciais e de lazer, operadores de turismo e outros deixaram o seu desejo claro quando apresentaram 144.000 comentários a favor da protecção do meio ambiente como o Tongass.

No Sierra Club, trata-se de ouvir as vozes mais afectadas por essa decisão. É uma questão de preservar lugares bonitos, para que não precisemos contar às gerações futuras como era o mundo natural. E é uma questão de proteger as antigas florestas ricas em carbono, que são uma das nossas melhores ferramentas para travar a crise climática, em vez de destruí-las.


por Lena Moffitt, Diretora Sénior, Our Wild America. Sierra Club.  | Traduzido por Nelson Abreu


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -