Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

Trump: o dia seguinte

Mendo Henriques
Professor na Universidade Católica Portuguesa

O dia seguinte: Bom, mau e vilão | Bernie, Hillary e Trump

Na minha opinião, o bom foi Bernie Sanders que mobilizou a juventude que agora se absteve a 8 de novembro. A má era Hillary Clinton cujo histórico de mentiras e manipulações a tornou em marco de um sistema político-partidário a abater. O vilão é Donald Trump, agora 45º presidente dos EUA.

Donald Trump, o bilionário da construção e da TV excita o pior que há nas pessoas: agressão, racismo, isolacionismo. Mas foi a escolha da América ou, mais exatamente, da classe média americana de meia idade. A verdade é que 80% dos jovens não votam.

Tendência de votos: raça e idade

Uma vez feita a escolha, o que esperar do dia seguinte?

Em artigo anterior falei das quatro bandeiras e mentiras de Trump: isolacionismo, imigração, posse de armas e reforma tributária. Não falei das áreas que deixou em branco, como sejam a política externa a justiça e a saúde.

A política externa norte-americana é intervencionista, com as guerras asiáticas e no Médio Oriente. Trump nunca revelou ideias sólidas neste domínio mas estará sujeito às pressões do complexo militar-industrial para manter conflitos de baixa intensidade.

Como prefere os negócios à guerra, Trump estará aberto a pactos com Putin. Os ideólogos republicanos até poderiam transformar essa atitude no ideal da paz pelo comércio se não fosse a sua bandeira do isolacionismo que agravará a situação comercial norte-americana. É isso que os assessores e secretários de estado lhe irão explicar e o Congresso vai impedir: o desenlace deverá ser menos agressões a troco de mais negócios.

A imigração

Sobre a imigração, se Trump realizar deportações será o caos, pois a América necessita de migrantes para os serviços básicos. A ideia estapafúrdia do Muro deverá ser chumbada pelo Congresso. Mas Trump sentirá a necessidade de agir neste campo para corresponder à xenofobia que despertou. Poderá ser o agravamento de quotas, ou a deportação seletiva.

Sobre a reforma tributária da baixa dos impostos, deverá executá-la com algum dos rapazes da Goldmann Sachs e com resultados duvidosos. Conhecer o segredo da curva de Laffer é algo que os economistas do supply side nunca conseguiram. A ironia do caso é que a América passou de uma situação de crise para um relativo desafogo com as políticas de Obama que mantiveram o estado federal capitalizado.

Na justiça, Trump tem assegurada a nomeação de um conservador para o Supremo Tribunal, e um Procurador-Geral que lhe seja afecto. Desse modo controlará a jurisdição principal numa nação sujeita a pressões brutais contra a ordem nas ruas.

Quanto à política externa, pela qual o resto do mundo anseia, Trump é menos perigoso a curto prazo do que Clinton mas é pior longo prazo. A sua eleição mostrou que o mais importante cargo político cargo do mundo está ao alcance de quem profere afirmações idiotas que manipulam os impulsos humanos mais cruéis. Essa rebelião das massas é assustadora e poderá atrair forças ainda mais sinistras.

Se Hillary tivesse ganho, não nos livraríamos da corrupção, da manipulação cínica, da mentira constante ao público e mais coisas que os wikileaks informam e que as pessoas decentes não aturam.

Poderá a médio prazo o sistema político americano aprender com os erros, regenerar-se e apoiar instituições que contrariem o globalismo de futuros Clintons sem cair no populismo de Trump?

Este é mais um momento crucial para a história dos partidos republicano e democrata. Os democratas têm um trabalho mais fácil. Bernie Sanders poderá voltar com uma equipa jovem e impedir que o Partido Democrata continue a vender a alma a Wall Street. Ganhará em renascer das cinzas. Tem consigo os jovens.

Os republicanos têm um trabalho mais difícil. Só com um outsider é que conseguiram vencer Hillary Clinton, a democrata que serviu de saco de boxe para Trump. Mas se abraçarem o Trumpismo, intensificam a guerra civil americana.

Quanto às afirmações da esquerda radical de que Trump é fascista ou nazi, poupem-nos! É desconhecer a história das milícias armadas SA e SS e dos Camisas Negras.

Para já, o bilionário da rebelião das massas apenas venceu uma candidata impopular e desprezada. Doravante, estaremos entregues à falta de maneiras e à notória esperteza negocial do mogul da televisão.  Não são qualidade suficientes para um estadista nem augura nada de bom.

Nota do Director

Os artigos de Opinião apenas vinculam os respectivos autores.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -