Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Vacinar a África contra covid: uma montanha-russa de pouca informação

Pesquisa sobre desinformação em vacinas na África mostra importância de localizar focos, publico alvo e motivos. Problemas com Astrazeneca afetam credibilidade dos imunizantes no continente.

por Heidi Larson e Raji Tajudeen, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A história das vacinas e da vacinação de COVID-19 na África está se desenrolando lentamente, à medida que mais e mais países em todo o continente recebem remessas das tão esperadas vacinas.

Esses primeiros carregamentos não serão suficientes para todos. Alguns países esgotaram a oferta limitada que receberam, enquanto outros ainda estão esperando. Mas alguns os têm e não os querem. Este é um dos principais desafios enfrentados pela vacinação: relutância à vacina.

Cada país da África tem sua própria mistura de cenários, histórias e política. Isso produz níveis variados de confiança e opiniões sobre a seriedade da COVID-19. Alguns questionaram se existe ou foi fabricada por um ator estrangeiro.

A fim de compreender as percepções do público em torno da COVID-19 e da vacina COVID, os Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças (CDC da África) lançaram um estudo de 15 países. Isso foi feito em parceria com o “Vaccine Confidence Project” da London School of Hygiene & Tropical Medicine , que tem um índice que monitora a opinião pública sobre as vacinas.

Os dados iniciais do estudo foram coletados entre agosto e dezembro de 2020. Descobrimos que a disposição para aceitar uma vacina COVID-19 era altamente variável entre os países pesquisados. No entanto, houve geralmente uma percepção positiva da importância e eficácia de uma vacina COVID-19, embora uma proporção significativa de pessoas expressou preocupação com a segurança da vacina. Isso foi motivado por uma mistura de ser influenciado por desinformação e informação errada, falta de informações precisas e desconfiança no governo ou em organismos internacionais.

Desde que o estudo foi concluído, o público foi exposto a muito mais informações. Isso torna as coisas mais complicadas, pois vem aos poucos, criando um terreno fértil para rumores. Por exemplo, sobre os riscos reais, embora raros, de coágulos sanguíneos. Também há preocupações de que algumas das vacinas tenham expirado, embora as autoridades de saúde encorajem o uso contínuo, já que as novas vacinas geralmente começam com uma vida útil sugerida mais curta, que aumenta à medida que a vacina é monitorada por períodos mais longos.

No futuro, é vital que as autoridades de saúde e os formuladores de políticas públicas entendam as atitudes públicas e o que as está motivando. Isso é fundamental para orientar as tão necessárias estratégias de comunicação e engajamento nos lançamentos da vacina COVID-19.

 

Disposto a pegá-lo

Pesquisamos mais de 15.000 entrevistados de 15 países. Destes, 42% relataram que foram expostos a muita desinformação, sendo que os homens (45%) viram mais desinformação do que as mulheres (38%). Aqueles que tiveram maior exposição às redes sociais foram os que mais provavelmente relutariam em tomar uma vacina COVID-19, caso ela fosse oferecida.

Quase 50% dos entrevistados acreditam que a COVID-19 foi planejado por um ator estrangeiro. Destes, 71% apontaram para a China e 35% já “ouviram boatos” sobre os EUA.

No entanto, apesar da exposição a informações errôneas e equivocadas, o estudo revelou que quatro em cada cinco entrevistados (79%) tomariam uma vacina COVID-19 aprovada. Isso variou de um máximo de 94% de disposição na Etiópia a um mínimo de 59% na República Democrática do Congo. Isso se compara a um máximo de 98% de disposição no Vietnã e um mínimo de 38% na Sérvia.

 

Situação em mudança

Em outras pesquisas conduzidas pelo Vaccine Confidence Project – de 2020 a 2021 – vimos o preço que as incertezas recentes cobraram da confiança do público. Na Nigéria, por exemplo, a confiança na segurança e eficácia percebidas de uma vacina COVID-19 aprovada caiu vertiginosamente no mês passado.

Quando começamos a monitorar as percepções da vacina COVID-19 em maio de 2020, 49% dos entrevistados nigerianos concordaram fortemente que uma vacina COVID-19 aprovada seria segura e 47% concordaram fortemente que a vacina seria eficaz.

Em resposta às mesmas perguntas feitas em março de 2021 – no contexto dos riscos da nova vacina AstraZeneca relatados na Europa, com alguns países suspendendo temporariamente a vacinação – encontramos uma queda significativa na confiança. Desta vez, apenas 25% dos entrevistados nigerianos disseram que concordavam fortemente que a vacina seria segura, e apenas 24% concordaram fortemente que seria eficaz.

No mesmo mês, um dos atores da “MTV Shuga” – uma série dramática popular em todo o continente – postou uma enquete no Instagram para obter uma leitura sobre a disposição de seus seguidores em serem vacinados. Mais de 5.000 pessoas no Quênia responderam em 24 horas, com 84% das respostas dizendo “não, obrigado” ou “Não tenho certeza” e apenas 12% respondendo “sim, por favor”. Embora a pesquisa do Instagram não seja cientificamente estruturada, ela oferece informações sobre a percepção do público em geral sobre as vacinas COVID-19.

A MTV Shuga fez uma pesquisa semelhante na Nigéria, África do Sul e Côte d’Ivoire para ver como o Quênia se sai em comparação com outros países da região. Na Nigéria, as respostas mostraram 70% dizendo “Não tenho certeza” e 30% respondendo “Sim, elas são boas para nós”. Os resultados foram semelhantes na África do Sul, onde 69% disseram não ter certeza, enquanto 31% concordaram que as vacinas eram boas para eles. Os entrevistados na Costa do Marfim foram os mais relutantes, com 87% dizendo que não tinham certeza sobre a vacinação e apenas 13% respondendo: “Sim, elas são boas para nós”.

 

Mais confiança

É claro que é necessária mais confiança em torno do que será um fluxo crescente de vacinas COVID-19 para a África.

Mesmo que as agências reguladoras e os órgãos de saúde concluam que os governos devem continuar a usar a vacina AstraZeneca devido à sua eficácia na prevenção de doenças graves relacionadas à COVID-19 e morte, para muitos, o foco e a ansiedade estão em saber se esse risco muito raro pode acontecer com eles ou alguém em sua família.

Precisamos mostrar empatia, não julgamento, por aqueles que estão inseguros e fazem perguntas sobre essas novas vacinas COVID-19. É uma conquista científica e coletiva incrível que tenhamos não apenas uma vacina contra COVID-19, mas várias vacinas. Ao mesmo tempo, a hesitação vacinal é compreensível, e até normal, em face da velocidade e da novidade dessas vacinas e das informações em constante evolução. O que é necessário é uma mensagem consistente e transparente para construir a confiança entre aqueles que não têm certeza sobre a vacinação.


por Heidi Larson e Raji Tajudeen  |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Heidi Larson, Palestrante sênior em Epidemiologia e Saúde da População, London School of Hygiene & Tropical Medicine
  • Raji Tajudeen, Chefe da Divisão de Institutos de Saúde Pública e Pesquisa nos Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças e bolsista

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -